Auditoría ciudadana de la deuda municipal en Brasil

Entrevista a Rémi Chatain

Bruno

Bruno

Jérôme Duval
Rebelión

Rémi Chatain, músico franco-brasileño, vive en Sao Paulo, en Brasil, donde participa en la Auditoría Ciudadana de la Deuda de Brasil. Sao Paulo es una megalópolis de 11 millones de habitantes, 23 millones contando la región metropolitana. Nos lo hemos encontrado en Buenos Aires, en el marco de la Conferencia internacional “ Deuda , bienes comunes y dominación” que se celebró del 3 al 5 de junio, impulsada por los movimientos sociales y sindicales argentinos que integran la Asamblea por la Suspensión del Pago y por la Auditoría de la Deuda. |1|

Jérôme Duval: ¿Cuál es tu cometido en la Auditoría Ciudadana de Brasil?

Rémi Chatain: Pertenezco al grupo de Sao Paulo. Además de estudiar las deudas de la ciudad de Sao Paulo y del Estado de Sao Paulo, que representan dos de las mayores deudas de Brasil, organizamos la comunicación entre el grupo de auditoría de nivel nacional y los demás grupos locales de Brasil en el marco de campañas nacionales, en las redes sociales, etc. Todo lo relativo a la sensibilización e información sobre la temática de la deuda pública pasa por el grupo de Sao Paulo.

J. D: La Auditoría Ciudadana de Brasil ¿Debe implicar a mucha gente, no? ¿Dónde está implantada? ¿Cómo nació esta iniciativa y cuáles son sus objetivos?

R. M: Actualmente, la Auditoría Ciudadana tiene representaciones en una docena de Estados, de un total de 27 en Brasil. |2| Se cuentan entre 7 y 20 personas por cada grupo local. En total debe de haber un centenar de personas militando en la Auditoría Ciudadana de Brasil, además tenemos también muchos colaboradores dispuestos a participar en nuestros eventos, manifestaciones, etc. Hay muchos funcionarios pero también gente que procede de una multitud de campos y profesiones.

La Auditoría Ciudadana nació a raíz de un plebiscito popular sobre la deuda, organizado por un centenar de movimientos sociales brasileños en septiembre 2000. Aquejado de una crisis económica (y energética), Brasil necesitó contraer nuevos préstamos con el FMI con el fin de pagar los intereses de su deuda. Con motivo de esta campaña que aglutinaba a la mayoría de los grandes movimientos sociales y a ciudadanos independientes, se organizó este escrutinio que planteaba, entre otras cosas, si Brasil debía seguir reembolsando su deuda sin haber realizado antes una auditoría. La participación fue masiva y más de 6 millones de personas votaron en 3.444 municipios (de un total de 5.570). Más del 95% de los votantes se pronunciaron en CONTRA de mantener el acuerdo con el FMI así como de seguir pagando la deuda sin la realización de una auditoría que prevé la Constitución Federal. A pesar de una toma de conciencia espectacular sobre estas cuestiones, la campaña no aportó ningún cambio objetivo y en el primer encuentro de los organizadores de la campaña, se decidió crear la Auditoría Ciudadana de la Deuda. Maria Lucia Fattorelli, quien tuvo una participación relevante en el plebiscito, fue elegida como coordinadora de la Asociación.

J. D.: ¿Cuáles son vuestras actividades principales y vuestros canales de difusión?

R. M.: Ya hemos publicado 4 libros y el último ha sido traducido a 4 idiomas; publicamos regularmente algunos artículos sobre la evolución de la deuda así como informes específicos sobre las regiones o sobre partidas presupuestarias como la seguridad social o sobre el sistema fiscal. Actualizamos diariamente nuestra página de Facebook y nuestra página web también periódicamente. Desde el año pasado ofrecemos un curso a distancia de 4 meses. También colaboramos con otros movimientos sociales. Organizamos debates públicos, sesiones de formación, conferencias y encuentros con sindicatos, parlamentos regionales, universidades, etc… También participamos en acciones judiciales y ponemos denuncias ante los órganos responsables.

Nuestra tarea consiste en realizar en paralelo una auditoría ciudadana de las deudas, aunque ésta no entre en el marco institucional oficial. Buscamos todos los documentes relativos a los procesos de endeudamiento de estas ciudades y estados para comprender el origen y el significado de los números. Además, divulgamos todas estas informaciones para que los ciudadanos puedan hacer suya esta cuestión, para arrojar luz sobre un tema opaco y hacer presión sobre las políticas y los acreedores. El objetivo es la anulación de estas deudas o por lo menos una parte de las mismas probando las irregularidades, las ilegitimidades…

J. D.: Parece que Sao Paulo es la ciudad donde la auditoría municipal está más avanzada, ¿qué hay de ello?

J. M.: En Sao Paulo hemos avanzado bastante. En 2013 hemos conseguido adquirir casi todos los documentos relativos al proceso de endeudamiento que estábamos investigando y hemos obtenido los últimos documentos este año. Por lo que podemos estudiarlo completamente. De hecho, existe mucho material en relación a la ciudad de Sao Paulo, porque es el lugar donde se creó un nuevo tipo de delito en asuntos de finanzas públicas y luego se exportó a distintas ciudades y estados de Brasil. Esta técnica de creación de deuda refleja la corrupción de los gobernantes en connivencia con los mercados financieros. En el caso de la ciudad de Sao Paulo, se trata de una deuda que procede en un 90% de un mecanismo de emisión de bonos llamados “precatórios” (órdenes judiciales de pago), es decir, una deuda del Estado contraída con los ciudadanos cuando éstos ganan un juicio contra una municipalidad o contra una administración pública. Esas órdenes judiciales de pago o “precatórios” no han sido nunca pagadas y se han convertido en una enorme deuda pública de Sao Paolo. Hay que decir que desde la promulgación de la nueva Constitución de Brasil en 1988, los municipios y los estados tienen prohibido emitir bonos del Tesoro , con una única excepción: para obtener los fondos necesarios con los que saldar las deudas de asuntos judiciales juzgados y ganados por los ciudadanos antes de 1988. De ello se desprende que ha habido una manipulación de las cifras con respecto a la cuantía de las deudas con el fin de poder emitir más bonos. Se desconoce todavía el destino de estos importes adicionales que han sido generados de manera fraudulenta.

J. D.: ¿Cuál es la función del Gobierno central con respecto a la deuda de los municipios, en particular la de Sao Paulo?

R. M.: En 1997 se votó una nueva ley en la Asamblea Nacional que creó las condiciones para que el Gobierno central de Brasil fuera el acreedor de las deudas regionales, de los estados y de los municipios, porque estos últimos tenían grandes dificultades financieras. En el año 2000, el gobierno municipal de Sao Paolo realizó una refinanciación de su deuda a través del Gobierno federal por un importe total de 11.000 millones de reales brasileños (poco más de 3.000 millones de euros). Desde entonces ya hemos devuelto 30.000 millones (unos 8.500 millones de euros) y debemos todavía 60.000 millones de reales (unos 20.000 millones de euros), todo ello sin haber contraído ninguna deuda más, ni emitido ningún bono para reembolsarla. Dicho de otra manera, hemos pagado 3 veces la deuda inicial y todavía debemos 6 veces lo que se debía en el año 2000.

J. D.: ¿Cómo es esto posible?

R.M.: Mientras que para la deuda estatal de Brasil, tanto la interna como la externa, es difícil hacer este tipo de cálculos, para los estados o los municipios, este mecanismo fraudulento sale a la luz más fácilmente porque dichas instituciones no han contraído más deudas posteriormente. El pago sólo de los intereses hace aumentar la deuda. Porque la parte presupuestaria de los estados y de los municipios que se destinaba al pago de la deuda está limitado al 13% cada año, lo cual resulta insuficiente. El importe que supera ese 13% no es reembolsado, pasa a incrementar el remanente de la deuda y por lo tanto se le volverán a cargar intereses.

Ya ha habido tres comisiones oficiales de investigación sobre la deuda que resulta de este mecanismo: dos de ellas en la cámara del Consejo municipal de Sao Paolo y otra en el Senado federal en 1997. Estas comisiones no han conseguido resultados concluyentes, ya que han dado lugar a la creación de una nueva comisión de investigación sobre los bancos, a la cual se le impidió continuar su trabajo de investigación sobre el mecanismo de endeudamiento por “precatorios” descrito más arriba, por orden de la Corte Superior de Justicia de Brasil. Todo ello demuestra hasta qué punto el poder público y político está en manos del poder económico.

Cuando el PT (Partido de los Trabajadores, en el poder desde la llegada de Lula da Silva al Gobierno en 2002) estaba en la oposición, era muy activo en el trabajo de investigación que se llevaba a cabo en esas comisiones, pero una vez en el poder, el PT se implicó menos e incluso boicoteó la continuación del trabajo de las comisiones.

J. D.: ¿Cuáles son las próximas etapas de la Auditoría Ciudadana de Brasil?

R. M.: Los 30 y 31 de octubre de este año 2015, en Sao Paulo se organiza el Congreso nacional de la Auditoría Ciudadana, que va a reunir a todos los grupos locales de Brasil para definir conjuntamente los programas de acción y las futuras estrategias a seguir. Es muy interesante poder participar en el actual encuentro internacional de Buenos Aires, porque permite crear vínculos con otros militantes y colectivos y participar en una red de lucha a nivel continental e internacional que pueda contrarrestar la desinformación de los grandes medios.

Por otra parte, Maria Lucia Fattorelli de la Auditoría Ciudadana de Brasil, participa en la Comisión de auditoría de la deuda de Grecia |3| y nos sentimos muy entusiastas con respecto al proceso en curso y a las posibles repercusiones que esta Comisión va a generar en otros países europeos, como por ejemplo España. Tenemos mucha esperanza en que tanto el pueblo griego como el español puedan liberarse del yugo del sistema financiero. Entre los pueblos víctimas del sistema deuda, debemos ser solidarios.

Traducción: Manuela López Andújar (PACD Alicante)

Notas
|1| Sobre la Conferencia internacional: Conferencia Internacional Deuda, Bienes Comunes y Dominación ; http://conferenciadeudaybienescomun…

|2| Para ver en qué Estados brasileños se ha implantado un colectivo de auditoría ciudadana: http://www.auditoriacidada.org.br/nucleos-da-auditoria-cidada-da-divida/

|3| Sobre la Comisión por la Verdad de la deuda griega, ver entre otros: Términos de referencia para el Comité del Parlamento griego para la Verdad sobre la Deuda Pública ; Resumen Ejecutivo: Informe Auditoría de la Deuda Pública Griega ; Presentación por Eric Toussaint del informe preliminar de la Comisión de la Verdad

povo pobre consumismo rico governo cortes

Anúncios

Aprendamos a dançar sem medo

por Tiago Mota Saraiva

zorba_ grécia

109 mil soldados para uma população de 10 milhões de habitantes. 10 militares por mil habitantes. É o país com o rácio mais alto da Europa (França tem 3,5, Espanha 2,5, Portugal 3,1). Nos últimos dez anos, 4% do PIB foi gasto na defesa, o dobro do que a NATO, sempre empenhada em pressionar aumentos orçamentais nesta área, recomenda. Dos países da NATO, somente os EUA gastam mais em percentagem do PIB. Neste mesmo tempo histórico, este país importou equipamento militar no valor de 12 mil milhões de euros. Entre 2005 e 2009 foi o quinto maior importador de armas do mundo. Nas suas fileiras conta com 1620 blindados, mais do que Alemanha, França e Itália juntas.

.
Este país é a Grécia e estes números foram revelados esta semana pelo “Público” espanhol. Mas há mais um dado particularmente relevante. Grande parte da despesa grega em armamento foi realizada com a Alemanha e França, 4 mil milhões e 3 mil milhões, respectivamente. Segundo o “Guardian”, em 2012, as vendas de armamento para a Grécia representavam 15% do total de exportações alemãs nestas áreas. Yorgos Papandréu, assessor do primeiro-ministro grego entre 2009 e 2011, declarou que ninguém lhes dizia para comprar armas, mas que a UE ficava sempre mais solícita se o fizessem.

.
O actual braço-de-ferro entre os donos disto tudo e a Grécia não é apenas decisivo para o povo grego. Se a Grécia claudica e aceita o acordo que a pretende vergar e castigar por ameaçar levantar a cabeça, perdemos todos. Se o povo grego rejeitar o acordo, abre-se uma frente que terá de ter correspondência, em Portugal, muito além dos ineficazes manifestos de militante solidariedade. Depois da Grécia, estamos na linha da frente deste plano de extorsão e empobrecimento. Passará por todos nós a decisão de continuar de cabeça baixa à espera dos novos cortes nas pensões/ordenados e aumentos do IVA, ou ganhar coragem e perder o medo.
Não há saídas fáceis. Todos os caminhos de fuga estão armadilhados, mas quanto mais nos deixarmos afundar neste buraco, mais dura será a saída.

(publicado ontem no jornal i)

[Apenas a Polícia Militar de São Paulo, um dos maiores exército do mundo, possui um efetivo de cem mil soldados]

 

O desabafo de duas alunas de uma escola em greve

Elas saíram em passeata para protestar pelo descaso do governo de São Paulo. E aqui explicam por que apoiam o movimento

Ana (à esq) e Gabriela: ‘Os alunos também estão na luta’

Ana (à esq) e Gabriela: ‘Os alunos também estão na luta’

Ana Caroline Yukorvic, de 16 anos, estuda na Escola Estadual Professor Manuel Ciridião Buarque há um ano e seis meses. Cursa o 2º ano do ensino médio.

Gabriela de Oliveira Gregório, de 17, está na mesma escola há dois anos e seis meses, no último ano do ensino médio.

Desde o dia 13 de março estão sem aulas. Podiam estar criticando a paralisação que pressiona o governo tucano de Geraldo Alckmin, a perda de conteúdo, o prejuízo que terão nas suas formações.

Em vez disso, publicaram um texto de apoio aos professores da rede estadual paulista. Relatam a tragédia a que são obrigadas a conviver dentro dos muros das escolas. Professores de sociologia dando aula de física, mais de 3.000 salas fechadas, falta de materiais, uma situação que vem ocorrendo no Estado mais rico do país.

Apoio à greve dos professores

Por Ana Caroline Yukorvic e Gabriela Gregório

—-

Na penúltima semana de maio, os alunos da Escola Estadual Professor Manuel Ciridião Buarque organizaram dois atos a favor da greve dos professores. O intuito não é apenas indicar o apoio, mas mostrar a população do estado de São Paulo que a greve existe sim! Nossa luta vai muito além do que a mídia mostra.

Nós, alunos, precisamos alardear que estamos frequentando a escola para assistir cerca de duas aulas e que inclusive há escolas que estão paralisadas por conta dos professores grevistas.

Vemos que é no mínimo curioso o governo do estado de São Paulo implantar um projeto que diz auxiliar o professor em graduação apenas durante o período de greve. É muito útil para esconder a atual situação colocar professores que ainda não concluíram seus cursos numa sala de aula. Afinal, se o seu filho está na escola durante o período completo, ele deve estar tendo aula. “Se o governador afirma não haver greve e meu filho está na escola o dia todo, eu posso confiar na informação.”

Estamos sendo oprimidos e pressionados pela direção escolar, ameaçados com informações incertas e irreais relacionadas à reposição das aulas e o conteúdo das mesmas. A gestão não sente vergonha em confundir e em assediar os alunos para que eles sejam impossibilitados de agir contra. Jogam em nossas gargantas professores auxiliares e substitutos e dizem que estamos perdendo conteúdo e ficando com falta, uma vez que tais aulas não serão repostas.

Não concordamos! Vemos que é inaceitável um professor de sociologia “dar aula” de Física. Vemos também que o simples ato de marcar presença numa sala de aula não é o mesmo que lecionar. Não entendemos como aula de Física um texto qualquer retirado de um livro que nem sequer se relaciona com o conteúdo apresentado no início do bimestre. Não aceitamos a aula de um professor que não se dá o trabalho de seguir nosso conteúdo e ainda remove nossas chances de recuperá-lo depois, além de retirar o pagamento de seu colega que está lutando por direitos que o abrangem.

Os direitos de professores e alunos estão diretamente interligados. Uma sala lotada não afeta apenas o professor. Defendemos a reabertura das 3.000 salas de aula fechadas por ordem do governo Alckmin e a redistribuição dentro da escola para que as salas contenham no máximo trinta alunos. Como cerca de quarenta e cinco alunos conseguem prestar atenção no conteúdo apresentado por um professor? Alunos da rede pública crescem ouvindo as seguintes frases: ‘Gente, faz silêncio aí atrás. Vocês são quarenta e eu sou apenas um. Não posso contra vocês.’ Nada disso é novidade para nós. Não é raro o professor estar concentrado explicando o conteúdo e ser interrompido pela maioria da sala de aula pedindo para ligar o ventilador num dia de verão, e o professor tentar explicar o porquê não pode. Não é raro um aluno estar passando mal neste mesmo dia por conta do calor, precisar de água e não a encontrar na escola. E quando encontra, ela vem suja, com barro. Não é raro um aluno pedir para ir ao banheiro e não encontrar papel higiênico, porta nas cabines, água e sabonete. Não é raro o professor se encontrar falando com as paredes.

.
Se nessas situações já é difícil se concentrar, adicione alunos correndo pelos corredores atrás de carteiras e se revoltando por não ter onde se sentar. Adicione professores se atrasando cerca de dez minutos por estarem procurando por materiais essenciais como giz, e tendo que procurar um jeito de explicar aos alunos que aquela prova que havia sido marcada para três semanas atrás e que não havia sido aplicada pela falta de tinta na impressora ou alguma situação similar terá que ser feita à mão porque a impressora quebrou e o mesmo está sem condições de imprimir com o seu próprio dinheiro. O dinheiro utilizado para esse tipo de recurso não vem do governo. Se a escola o quiser, deve promover eventos para arrecadar a verba e deixar para a direção administrar.

Defendemos a valorização da hora-atividade. É inaceitável ver um senador tal como José Serra falar que a hora atividade, que é uma aula de planejamento e de correção de provas e atividades, é uma hora não trabalhada. É um absurdo o professor ganhar tão pouco para dar aula em no mínimo dois períodos, dormir o mínimo e perder seu final de semana avaliando seus alunos para ganhar cerca de 5% de seu salário por isso. Valor este que muito provavelmente será revertido na escola para poder aplicar as provas do bimestre seguinte.

.
E como um ser humano consegue se manter de pé por cerca de doze horas sem se alimentar corretamente? O governo espera que no estado de São Paulo seja possível fazer uma refeição com R$ 8 e apenas se o seu salário for baixo o suficiente, caso contrário nem a isso você tem direito. Além disso, existem escolas que proíbem o professor de se alimentar dentro de suas instalações, isto, é claro, quando possuem alimento. Com a terceirização as escolas perderam vários funcionários, que foram remanejados em descaso, e por dias abriram sem funcionários para sequer fazer comida.

É inadmissível ver nossos representantes tratando nossa educação com tanto descaso. Pela valorização de nossos mestres, por direitos humanos e por uma escola pública digna de todos: os alunos também estão na luta.

Alunos da escola Professor Manuel Ciridião Buarque protestam em favor dos professores em greve — Foto: Victor Cosi

Alunos da escola Professor Manuel Ciridião Buarque protestam em favor dos professores em greve — Foto: Victor Cosi

Seja Jornalistas Livres! Apoie a construção da nossa rede de jornalistas independentes: catarse.me/jornalistaslivres

Paulo Mendes Campos e a morte de Mário de Andrade em uma noite coalhada de formigas

QUANDO EU MORRER
por Mário de Andrade

.

Quando eu morrer quero ficar,
Não contem aos meus inimigos,
Sepultado em minha cidade,
Saudade.

Meus pés enterrem na rua Aurora,
No Paiçandu deixem meu sexo,
Na Lopes Chaves a cabeça
Esqueçam.

No Pátio do Colégio afundem
O meu coração paulistano:
Um coração vivo e um defunto
Bem juntos.

Escondam no Correio o ouvido
Direito, o esquerdo nos Telégrafos,
Quero saber da vida alheia,
Sereia.

O nariz guardem nos rosais,
A língua no alto do Ipiranga
Para cantar a liberdade.
Saudade…

Os olhos lá no Jaraguá
Assistirão ao que há-de vir,
O joelho na Universidade,
Saudade…

As mãos atirem por aí,
Que desvivam como viveram,
As tripas atirem pro Diabo,
Que o espírito será de Deus.
Adeus.

Mário de Andrade

A MÁRIO DE ANDRADE
por Paulo Mendes Campos

.

Não sei que mãos teceram teu silêncio.
Morto. Estás morto. Sonhas morto? Morto.
Espantalho fatal, onde flutuas
Acordas borboletas tresvairadas.

Tua morte chegou nas folhas secas
Mas nada vi no ventre da noitinha,
Que não interpretei nas alegrias
Tua razão mais bela de acabar.

A noite está coalhada de formigas.
A cruz amarga a fé desesperada.
Há formigas na treva de tua morte
E em mim erram punhais entrefechados.

O simples tempo agora abre a vidraça.
Desarmaram nos campos a barraca.
Chega do canteiro a razão – flor
Para agravar sinais do inevitável.

O silêncio borbulha nos esgotos.
Bebamos o licor de tua morte.
Enquanto se suporta a solidão.
Tua morte foi servida numa salva.

Cisnes feridos franzem meu destino.
Os convivas, as moças, as vitrinas
Não sabem que paraste. Mas eu sofro
O sono vegetal dos passarinhos.

Mas eu sofro. Eu e o morto que conduzo
Vamos sofrer até de manhãzinha.
Vamos velar aflitos sobre a terra
Que desviou o teu olhar das rosas.

América Latina: La región con más fuentes de agua en el mundo no puede calmar su sed

água KAP

 

América Latina es la región con más fuentes de agua en el mundo, sin embargo existen 36 millones de personas – 6 veces la población total de Nicaragua – que todavía carecen de acceso a agua potable.

Al igual que una computadora o un automóvil, para que los servicios de agua funcionen adecuadamente es indispensable hacerles mantenimiento.

El porcentaje de agua que se pierde antes de llegar a los hogares – debido por ejemplo a tuberías rotas – se estima en alrededor del 15% en países desarrollados, mientras que en países en vías de desarrollo puede llegar hasta el 50%.

lac-waterday-500x347px-1-EveryDrop-SPA

Como consecuencia del calentamiento global, los glaciares, una de las fuentes más importantes de agua dulce, están derritiéndose a ritmo acelerado.

lac-waterday-500x347px-2-Mountain-SPA

En montañas extensamente cubiertas de glaciares, como la Cordillera Blanca de Perú o la Cordillera Real de Bolivia, la superficie total de los glaciares se ha reducido en un tercio aproximadamente respecto del área ocupada durante la Pequeña Era Glacial.

En montañas extensamente cubiertas de glaciares, como la Cordillera Blanca de Perú o la Cordillera Real de Bolivia, la superficie total de los glaciares se ha reducido en un tercio aproximadamente respecto del área ocupada durante la Pequeña Era Glacial.

Sepa más: Con datos y tecnología, Ecuador busca soluciones al retroceso de los glaciares

La falta de agua genera más víctimas que terremotos y huracanes combinados.

lac-waterday-500x347px-3-Drought-SPA-ENG-2

Desde finales del 2013, la ciudad más grande de América del Sur, Sao Paulo -una urbe de 11 millones de habitantes-, padece la sequía más extrema en 80 años.

Sepa más: La sequía: enemigo silencioso de Latinoamérica

Fuentes de agua contaminadas con materia fecal

lac-waterday-500x347px-4-River-SPA-ENG

Tres cuartas partes de las aguas residuales son descargadas en ríos y a otras fuentes hídricas, ello no solo genera un severo problema de salud pública, también produce daños – a veces irreparables – al medio ambiente.

Sepa más: Las aguas sucias de América Latina, un gran negocio de tecnología limpia

Celebrar el día del Agua es también rendir un homenaje a la mujer

lac-waterday-5-Heroe-SPA-500x347

En comunidades como Río Grande en Brasil, el acceso al agua permite a las mujeres dedicar más tiempo a sus granjas y a sí mismas, llevando a un incremento de sus ingresos familiares de hasta en 30%.

Sepa más: Las mujeres tienen un papel clave en el avance económico en América Latina y el Caribe

Fonte: Iagua

 

Mário de Andrade acordava borboletas tresvairadas entre bofetadas líricas

INSPIRAÇÃO
por Mário de Andrade

.

Onde até na força do verão havia
tempestades de ventos
e frios de crudelíssimo inverno.
Fr. Luís de Sousa

.

São Paulo! comoção de minha vida…
Os meus amores são flores feitas de original…
Arlequial!… Traje de losangos… Cinza e ouro
Luz e bruma… Forno e inverno morno…
Elegâncias sutis sem escândalos, sem ciúmes…
Perfumes de Paris… Arys!
Bofetadas líricas no Trianon… Algodoal!…

São Paulo! comoção de minha vida…
Galicismo a berrar nos desertos da América!

Mário de Andrade

 

A MÁRIO DE ANDRADE
por Paulo Mendes Campos

Não sei que mãos teceram teu silêncio.
Morto. Estás morto. Sonhas morto? Morto.
Espantalho fatal, onde flutuas
Acordas borboletas tresvairadas.

Tua morte chegou nas folhas secas
Mas nada vi no ventre da noitinha,
Que não interpretei nas alegrias
Tua razão mais bela de acabar.

A noite está coalhada de formigas.
A cruz amarga a fé desesperada.
Há formigas na treva de tua morte
E em mim eram punhais entrefechados.

O simples tempo agora abre a vidraça.
Desarmaram nos campos a barraca.
Chega do canteiro a razão – flor
Para agravar sinais do inevitável.

O silêncio borbulha nos esgotos.
Bebamos o licor de tua morte.
Enquanto se suporta a solidão.
Tua morte foi servida numa salva.

Cisnes feridos franzem meu destino.
Os convivas, as moças, as vitrinas
Não sabem que paraste. Mas eu sofro
O sono vegetal dos passarinhos.

Mas eu sofro. Eu e o morto que conduzo
Vamos sofrer até de manhãzinha.
Vamos velar aflitos sobre a terra
Que desviou o teu olhar das rosas.

 

Decadência da Faculdade de Medicina do Governo de São Paulo: Bacanais, tráfico de mulheres, de drogas, de álcool, curra, estupro, filme pornô e doenças sexuais

Violência sexual, castigos físicos e preconceito na Faculdade de Medicina da USP

por Tatiana Merlino, Igor Ojeda, Caio Palazzo/Vídeos e Rafael Bonifácio/Edição de vídeos

 

Fachada da Faculdade de Medicina da USP

Fachada da Faculdade de Medicina da USP

 

Muitas das garotas têm menos de 20 anos. A maior parte delas é branca, de família de classe A ou B. Estão felizes por realizar um sonho. Apreensivas pelos desafios que enfrentarão nos anos seguintes. Assustadas com o novo ambiente e os rostos desconhecidos.

São reunidas em círculo. Em volta, outro círculo, de garotos igualmente brancos, igualmente nascidos em famílias ricas ou de classe média alta. Mas são mais velhos. Intimidadores. Ordenam que todas gritem “bu”. Elas obedecem:

– Bu! Bu! Bu! Bu! Bu! Bu!

Um coro alto de vozes masculinas, a dos garotos em volta das garotas, abafa as vozes femininas e ressoa pelo ambiente:

– Buceta! Buceta! Buceta eu como a seco! No cu eu passo cuspe! Medicina é só na USP!

É assim que calouras da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) são recepcionadas em seu primeiro dia dessa nova fase da vida. Todos os anos. É uma das muitas tradições da faculdade de ciências médicas considerada a melhor do país. “De elite.” Para as mulheres, no entanto, grande parte dessas tradições se traduz em opressão permanente, que traz como consequência extrema casos graves de abusos sexuais, incluindo estupros, no interior do ambiente universitário. Casos sobre os quais recai um pesado manto de silêncio que impede que se tome providências a respeito. É fundamental que se preserve o bom nome da instituição.

Ou melhor: das instituições, no plural. Pois a FMUSP abriga entidades tão tradicionais que elas próprias parecem ser autossuficientes. É o caso da Associação Atlética Acadêmica Oswaldo Cruz (AAAOC), ou simplesmente Atlética, e do Show Medicina, que reúne alunos para uma apresentação teatral anual e que recentemente virou notícia quando estudantes que dele fazem parte pintaram um anúncio de sua 72ª edição sobre um grafite na avenida Rebouças, em São Paulo.

Violências sexuais, trotes violentos, castigos físicos, humilhações, machismo, racismo e discriminação social. A Ponte reuniu inúmeras denúncias de violações sistemáticas aos direitos humanos ocorridas nessas instituições, quando não incentivadas ou promovidas por elas. Comumente varridos para debaixo do tapete, tais abusos passam atualmente por uma inédita publicização, fruto da luta das vítimas e de coletivos de direitos humanos da faculdade. Tanto que hoje são alvos de investigação por parte do Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) e objetos de uma histórica comissão interna formada por professores com o objetivo de apurá-los. As denúncias também chegaram à Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo, presidida pelo deputado Adriano Diogo (PT), que realizará uma audiência pública sobre o tema nesta terça, 11/11.

Com esta reportagem, a Ponte dá início a uma série especial sobre o assunto. Tradição, hierarquia, segredo, ritualismo, elitismo, regras rígidas e punições são as palavras-chave. Os relatos são impactantes.

 

Abusos sexuais: a naturalização

Na segunda-feira à tarde da semana de recepção aos calouros, acontece o primeiro evento do ano no clube da Atlética, no bairro paulistano de Pinheiros. É a “Espumada”. Os estudantes de Medicina festejam com churrasco e bebidas o início do novo semestre. Numa quadra poliesportiva, é formada uma espécie de piscina cheia de espuma, que chega a cobrir a cabeça dos presentes. Garotas e garotos que lá entram mal veem um ao outro. Mas são elas as mais vulneráveis. Mãos masculinas anônimas apalpam tudo que encontram pela frente: seios, bundas, vaginas. “A caloura não sabe como é a festa. Qualquer menina que entra na espuma perde o controle sobre o corpo. É mão de todo lado, sem você saber quem é. O menino te agarra, te beija. E se você tenta fazer algo, a resposta é que se você está na espuma é porque quer, está lá para isso. Rola uma pressão. Se está lá é porque está topando qualquer negócio”, relata uma das alunas, que não quis se identificar. “Os veteranos abusam do poder que têm sobre as meninas, que estão vulneráveis, não sabem o que está acontecendo. Muitas ficam bêbadas. Abusam mesmo delas.”

“Muitos veteranos usam o fato de você estar numa situação vulnerável e forçam o beijo, o sexo. Às vezes a menina está desmaiada e ele tira a roupa dela.”

Segundo a estudante Marina Pikman, do coletivo feminista Geni, formado no final de 2013 dentro da FMUSP, é comum que as alunas reclamem do constrangimento a que são submetidas logo quando chegam à faculdade. “Há muita ênfase na hierarquia, em tirar a identidade do calouro, falar: ‘você não sabe de nada, esquece toda a sua vida pregressa que e a gente vai te ensinar’. Com as mulheres, isso acontece de forma machista, os veteranos acham que têm livre acesso às calouras”, diz.

 

 

Ana Luísa Cunha, também integrante do Geni, lembra que quando o grupo foi fundado começaram a chegar vários relatos de abusos sofridos na semana de recepção. “Você chega e não sabe o que vai acontecer. Quer se enturmar, está na euforia e os caras se aproveitam, muitos veteranos usam o fato de você estar numa situação vulnerável e forçam o beijo, o sexo. Às vezes a menina está desmaiada e ele tira a roupa dela”, conta.

Mas os casos de abusos não ocorrem apenas na primeira semana ou na “Espumada”. Há relatos de violências sexuais em outras festas, tanto promovidas pelo Centro Acadêmico Oswaldo Cruz (Caoc), como as cervejadas, quanto pela mesma Atlética, a exemplo das tradicionalíssimas “Carecas no Bosque” e “Fantasias no Bosque”, realizadas uma em cada semestre. De acordo com o Geni, são pelo menos 8 casos de assédios graves nos últimos 3 anos. Marina avalia, no entanto, que esse é um número bem menor do que a realidade, já que muitas estudantes não denunciam as violências sofridas por vergonha e medo de serem hostilizadas.

Cartaz de festa da Faculdade de Medicina da USP

Cartaz de festa da Faculdade de Medicina da USP. Na gíria universitária: Carecas (sexo masculino) no Bosque (sexo feminino)

Das festas que acontecem na FMUSP, a “Carecas no Bosque” e a “Fantasias no Bosque” são as que criam o ambiente mais “propício” para abusos. A começar pelos cartazes de divulgação, quase sempre com destaque a mulheres cheias de curvas, trajes mínimos e olhares provocantes. Os preços dos convites são diferenciados. Em geral, mulheres pagam quase a metade do que os homens. “Todo o marketing é baseado no fato de que lá haverá muitas mulheres e que vai ter sexo à vontade. A USP inteira sabe que tanto a ‘Carecas’ quanto a ‘Fantasias’ são para isso, para ir lá e transar”, explica a aluna que optou por permanecer anônima. O problema, segundo ela, não é a questão moral, mas o ambiente de machismo extremo que cria a impressão de que qualquer garota presente está disponível.

A festa acontece no campo de futebol da Atlética. As equipes masculinas de cada modalidade esportiva erguem suas barracas para vender bebidas e arrecadar recursos. Atrás destas são montados os “cafofos”: estruturas fechadas com colchões ou almofadas apropriadas para se levar garotas. Segundo relatos, uma das modalidades costuma contratar prostitutas, cuja tarefa é agradar os presentes com strip teases e “body shots” de tequila nos seios, além de deixar o corpo à mercê das apalpadelas. Na barraca de outra modalidade, filmes pornôs são projetados. Outra equipe batiza seu espaço de “matadouro”.

“Nessas festas, minha impressão é que as meninas são um pedaço de carne na prateleira.”

Em torno do campo de futebol, há um pequeno bosque, para onde os casais vão para transar. Seguranças contratados pela organização vigiam a entrada. “Nessas festas, minha impressão é que as meninas são um pedaço de carne na prateleira. A mentalidade dos meninos é que elas estão disponíveis para transar. Chegam de maneira agressiva, ao ponto de vários caras tentarem te puxar para o bosque. E, na minha percepção, se você entra no cafofo você não sai, vai ter de transar com o cara”, opina a estudante. “Ter” de transar. Marina, do coletivo Geni, revela que já ouviu muitas histórias de garotas assediadas e estupradas entre as árvores. “Houve uma vez em que meu namorado ouviu gritos e foi socorrer. Um cara que ele conhecia tinha rasgado a calcinha da menina contra a vontade dela”, conta.

“Há estupros de meninas inconscientes, casos de colocar ‘boa noite Cinderela’ na bebida delas. É algo sistemático porque acontece em todos os anos”, diz professora da FFLCH

Heloísa Buarque de Almeida, coordenadora do programa USP Diversidade e professora de estudos de gênero na antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), pesquisa a ocorrência de violência sexual, machismo, homofobia e trotes violentos na FMUSP desde que foi procurada pelos coletivos da faculdade, há alguns meses. “As violências se tornam rituais que se repetem a partir de uma ideia de tradição que querem manter, que não é exatamente do curso, mas uma tradição de algumas festas e instituições que se torna escandalosa”, analisa. “Há estupros de meninas inconscientes, casos de colocar ‘boa noite Cinderela’ na bebida delas. É algo sistemático porque acontece em todos os anos. A festa ‘Carecas no Bosque’ é tradicional entre aspas. Eles consideram tradicional que tenha prostitutas lá dentro, e no meio disso algumas meninas são estupradas porque estão bêbadas.”

 

‘Você estava muito bêbada’

 

Cartaz de festa dos alunos da Medicina da USP

Cartaz de festa dos alunos da Medicina da USP

Foi na “Carecas no Bosque” de 2011 que a então caloura Doralice* foi estuprada no “cafofo” do judô. Ela estava desacordada. “Demorei para saber o que tinha acontecido, porque eu retomei a consciência apenas quando estava no hospital. Não me falaram direito, só: ‘acho que você foi abusada’”, diz ela, em depoimento à Ponte. Posteriormente, juntando os relatos que foram surgindo, muitos por insistência dela, a estudante pôde entender melhor o que ocorreu após as 4 horas da madrugada, quando ainda estava consciente e havia ido tomar uma bebida na barraca do judô – depois disso, não se lembra de mais de nada. De acordo com o que lhe contaram, Doralice ficou com um dos garotos da modalidade, que a levou ao cafofo, onde a deixou. Quando ele voltou, viu-a desacordada com um homem sobre ela, estuprando-a.

O que se seguiu, segundo a aluna, foi uma série de tentativas, por parte da Atlética e da diretoria da faculdade, de abafar o caso. No Hospital das Clínicas, para onde foi levada por diretores da entidade esportiva, não foram feitos exame de corpo de delito, para se comprovar a violência, ou toxicológico, para identificar uma possível adulteração em sua bebida. No entanto, a caloura começou a tomar medicamentos antirretrovirais como prevenção ao HIV.

“Eles falaram que eu não tinha como provar, que não poderia dizer que havia sido estuprada porque estava muito bêbada.”

Apesar da insistência, os responsáveis pela Atlética demoraram a lhe explicar exatamente o que tinha acontecido. Foi somente 2 dias depois, quando teve a confirmação de que havia existido penetração, que Doralice decidiu denunciar o caso. Mas foi sistematicamente desencorajada pelos diretores da Atlética. “Eles falaram que eu não tinha como provar, que não poderia dizer que havia sido estuprada porque estava muito bêbada.”

Mesmo assim, a estudante fez um Boletim de Ocorrência na Delegacia da Mulher. Algum tempo depois, a delegada apontou um funcionário terceirizado da faculdade como o agressor. “Até hoje, quando o inquérito policial está sendo finalizado, eu descubro coisas sobre meu caso que não sabia, por exemplo, que a diretoria da Atlética não permitiu que a polícia entrasse no local da festa”, conta.

As pessoas que ela procurava para testemunhar se mostravam ariscas. Falavam que deveria “tocar a vida para frente”. “Foi feito um pacto de silêncio, como tudo é tratado dentro da Faculdade de Medicina. Meu namorado era mais velho e falavam para ele que a história não poderia vazar, que iria destruir a imagem da Atlética, que iria destruir a festa”, revela. Ela conta, ainda, que a diretoria da FMUSP tomou conhecimento do caso, mas não fez nada a respeito.

“Abaixou minha calça, enfiou o dedo, me beijou à força.”

O estupro no “Carecas no Bosque” de 2011 não foi a primeira nem a última violência sexual sofrida por Doralice. No início daquele mesmo ano, durante a semana de recepção, ela foi abusada por um dos diretores da Atlética, que inclusive faria parte do grupo que a levaria ao hospital alguns meses depois. Numa tarde de bebedeira, ele a levou a uma sala escura da equipe de atletismo e a jogou no chão. “Abaixou minha calça, enfiou o dedo, me beijou à força. Mas teve uma hora em que ele parou”, relata Doralice. “Depois ele fez isso com outras meninas, uma delas da ‘panela’ dele, outra, uma colega minha de turma. Ele vê que a menina está bêbada e não conseguindo oferecer muita resistência.” Nos anos posteriores ao estupro, outro diretor da Atlética aproveitou duas “Espumadas” para passar a mão em seu corpo. Segundo a aluna, ele igualmente costuma repetir o abuso com outras estudantes.

 

‘Eu sei que você quer, deixa de ser chata’

Em novembro de 2013, a estudante de Medicina Leandra* sofreu abuso sexual de 2 alunos durante uma cervejada do sexto ano realizada no Centro Acadêmico Oswaldo Cruz. Eles ficaram insistindo para que ela fosse até o estacionamento ao lado. “Vamos para meu carro que eu vou dar bebida para você”, diziam.

“Eu falava que não queria, eles insistiam para eu ir. Me puxavam, mas eu não queria ficar com eles. Nesse vai e vem acabamos chegando ao carro deles. Lá eles começaram a me beijar, enfiar a mão dentro da minha roupa, dentro da minha calça. Queriam que eu entrasse no carro, abriram a porta, e eu comecei a gritar, a fazer um escândalo, dizendo que não queria. Tentava sair e eles impediam a minha passagem. Me empurravam, e um deles começou a gritar comigo: ‘para de gritar, para de gritar!’. Eu dizia que não queria os dois e um deles respondia: ‘você quer sim, eu sei que você quer, deixa de ser chata’. E os dois me beijavam, passavam a mão em tudo, não me deixavam sair. Nisso uma menina que estava no estacionamento brigando com o namorado viu o que aconteceu, deu um grito e me chamou. Então consegui sair.”

 

 

A partir de então, Leandra iniciou uma epopeia para que a violência sofrida por ela fosse reconhecida. Fez um Boletim de Ocorrência e denunciou o caso à diretoria da faculdade. Uma sindicância formada por 4 professores foi criada, mas apenas a estudante e um dos agressores foram ouvidos, já que o outro estava viajando. Em abril de 2014, a conclusão divulgada foi que a relação havia sido consensual, e que o problema havia sido o consumo de álcool. “Para mim, essa decisão tira a culpa do agressor e a joga na vítima, porque ela estava bêbada. Chegaram à conclusão de que foi consensual só com meu depoimento e de um dos garotos”, reclama.

O forte corporativismo existente no ambiente universitário da Faculdade de Medicina da USP, que havia se manifestado no caso de Doralice, voltou a “atacar” no caso Leandra. A vítima, e não os agressores, passou a ser hostilizada sistematicamente desde então. “Eu passo no corredor, as pessoas cochicham, apontam, principalmente os amigos dos caras. Eu mesma ouvi dizerem: ‘ah, aquela menina sai com todo mundo, logo ela vai reclamar disso? Está querendo aparecer’”. A preocupação maior é com a imagem da faculdade. Até mesmo um dos que abusaram de Leandra foi tirar satisfação. Ameaçou processá-la por difamação.

“Quando fui denunciar, achei que o meu era um caso isolado, mas descobri que havia mais.”

Uma das instâncias procuradas por ela foi o Núcleo de Estudos em Gênero, Saúde e Sexualidade (Negss), grupo de alunos criado no início de 2013. “Quando fui denunciar, achei que o meu era um caso isolado, mas descobri que havia mais”, diz. Foi divulgada então uma nota sobre o ocorrido no Facebook, gerando grande repercussão, em sua maioria, negativa. O texto foi publicado na página mantida nessa rede social pelo Grupo Pinheiros, do qual participam alunos e ex-alunos da FMUSP. A reação de seus membros foi violenta, diz Marina Pikman, do Geni. “Temos um monte de prints com postagens supermachistas, homofóbicas, classistas, xenófobas… tirando sarro do que aconteceu. Foi bem difícil para ela [Leandra]. Ela é ridicularizada nas redes sociais.”

Questionada pela reportagem, a diretoria do Centro Acadêmico afirmou que ofereceu apoio e orientação a Leandra e a incentivou a registrar um Boletim de Ocorrência. Disse, ainda, que solicitou à FMUSP a instauração de uma sindicância administrativa, “uma vez reconhecida a dificuldade e inadequação do CAOC de realizar tal apuração”. Todas as respostas enviadas pelo Caoc à Ponte podem ser lidas aqui.

A estudante, no entanto, nega. Ela diz ter procurado a segurança da faculdade, que a levou até ao chefe da graduação. Este a teria orientado a fazer o BO. “Os diretores do Caoc disseram que não poderiam me ajudar pelo princípio da isonomia em relação aos alunos. Só após a pressão do Negss eles enviaram um ofício à diretoria da faculdade pedindo abertura de sindicância.”

 

Modus operandi da violência

FantasiasBosque520

Ao Geni chegaram outros exemplos de abusos semelhantes. Como o de uma aluna violentada por um ficante. Ou de uma caloura que “apagou” numa festa “Fantasias no Bosque” e acordou numa enfermaria às sete da manhã sem sapato e calcinha. Ou o estupro de uma estudante de Enfermagem por um aluno de Medicina na Casa do Estudante, a moradia estudantil do Hospital das Clínicas. Ou até de um aluno estuprado por um veterano numa “Espumada”.

“No começo elas nem se dão conta de que sofreram assédio. Elas acham que estavam muito bêbadas, que não resistiram o suficiente. Depois, quando se dão conta, acham que passou muito tempo, que as pessoas relativizarão o ocorrido.”

Nenhum desses abusos, no entanto, foi denunciado, com a exceção dos de Doralice e Leandra. “É claro que não são casos isolados, é claro que há uma cultura institucionalizada de violência, impunidade, desamparo das vítimas”, avalia Marina. Ela explica que se pode até dizer que há um modus operandi. “A maioria dessas violências acontece em festas, em ambientes nos quais a menina está bastante alcoolizada. Às vezes está inconsciente, às vezes consciente, mas ofereceu resistência à agressão, e não foi respeitada pelo menino. E ela se sente culpada por não ter conseguido se defender. E há a lógica machista de considerar sempre que foi consensual.”

A partir daí, inicia-se uma luta para decidir denunciar o assédio e/ou buscar apoio. As vítimas, porém, esbarram nas próprias dúvidas e na falta de mecanismos institucionais de acolhimento. “No começo elas nem se dão conta de que sofreram assédio. Elas acham que estavam muito bêbadas, que não resistiram o suficiente. Depois, quando se dão conta, acham que passou muito tempo, que as pessoas relativizarão o ocorrido”, analisa Marina, para quem seria fundamental uma instância que amparasse as alunas que sofreram violência. “Mesmo que não tenha havido denúncia, a maioria procurou alguma ajuda institucional, porque foi fazer o tratamento antirretroviral.”

Ainda que as estudantes decidam ou cogitem denunciar, devem enfrentar mais obstáculos: o pacto de silêncio e abafamento em relação aos escândalos, e a transformação das vítimas em algozes. “As meninas são ridicularizadas, estigmatizadas como loucas que só querem chamar a atenção, que estão inventando coisas, manchando a imagem das instituições da faculdade”, pontua a integrante do coletivo Geni.

Segundo Marina, o grupo chegou a se reunir com a diretoria da faculdade e da Atlética para pressionar por medidas que diminuíssem a vulnerabilidade das alunas nas festas promovidas pela entidade, mas seus diretores responderam que não era possível tomar providências antes de uma decisão judicial. “As meninas não reclamam muito, fica velado, pois ninguém tem coragem de criticar a Atlética, porque é uma instituição muito forte. Existe um corporativismo muito grande envolvendo a Atlética, ou o Show Medicina. Você vai ser perseguido se reclamar, se der a cara para bater”, lamenta Leandra. Foi justamente a violação sofrida por ela o estopim da criação do Geni. “Meninas vinham contar histórias de estupro por colegas que nunca haviam denunciado porque tinham medo, porque não viam canais de denúncia antes”, explica Marina.

No dia em que foram anunciadas as conclusões da sindicância sobre o caso de Leandra, as estudantes realizaram um ruidoso protesto criticando a decisão e denunciando outros abusos. Foi o suficiente para que a faculdade decidisse formar uma comissão para apurar os inúmeros exemplos de opressão em seu interior. Instalado em março deste ano, o grupo formado por professores da FMUSP vem ouvindo relatos de violações sexuais, físicas, morais, machistas e homofóbicas, entre outras. O relatório elaborado a partir dessa apuração deve ser divulgado nos próximos dias.

Enquanto isso, após a publicação de matérias na imprensa sobre os casos de Doralice e Leandra, a edição deste ano da festa “Fantasias no Bosque” foi cancelada.

A Ponte solicitou uma entrevista com o diretor da FMUSP José Otávio Auler, mas a assessoria de imprensa da faculdade informou que ele se encontra em um simpósio fora do país e enviou a seguinte nota:

“A Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) se coloca de maneira antagônica a qualquer forma de violência e discriminação (com base em etnia, religião, orientação sexual, social) e tem se empenhado em aprimorar seus mecanismos de prevenção destes tipos de casos, apuração de denúncias e acolhimento das vítimas. A Cultura da Instituição é baseada na tolerância e respeito mútuos, valores que são passados aos seus alunos. Com o intuito de fortalecer esta cultura, foi formada recentemente, inclusive, uma Comissão com docentes, alunos e funcionários com o objetivo de propor ações de caráter resolutivo quanto aos problemas relacionados às questões de violência, preconceito e de consumo de álcool e drogas. Em relação às denúncias envolvendo membros da FMUSP ou de casos ocorridos em suas dependências, foram abertas sindicâncias para apuração. Em caso de comprovação, a Faculdade adota as punições disciplinares de acordo com o Código de Ética da USP.”

A reportagem também procurou a Atlética, via assessoria de imprensa da FMUSP, mas até a publicação desta reportagem não havia obtido retorno.

* Nome fictício para preservar a identidade da vítima