La crisis brasileña amenaza los Juegos Olímpicos Río 2016

A 100 días de la inauguración de la Olimpiada, la corrupción política, la recesión económica y la incertidumbre se ciernen sobre la organización del evento.

 

 

“Han crecido las críticas de la OEA, Unasur, algunos países ven con reservas el proceso brasileño. Y es probable que muchos líderes no quieran venir a participar de los Juegos”

 

AFP – Nubarrones cargados de impeachment (proceso de destitución), corrupción política, recesión económica e incertidumbre se ciernen sobre los Juegos Olímpicos de Río de Janeiro, que se celebrarán dentro de cien días.
Nadie duda de que los Juegos se realizarán, la duda está en saber en qué condiciones.

“Estos Juegos Olímpicos serán un mensaje de esperanza en tiempos difíciles”, dijo el presidente del COI, Thomas Bach, antes del encendido del fuego olímpico en Grecia.

A todo esto, ¿será Dilma Rousseff presidenta? ¿Las obras olímpicas estarán salpicadas de la corrupción de Petrobras? ¿Habrá manifestaciones? ¿Más desempleo? Muchas preguntas, con un horizonte ciertamente oscuro.

Actualmente, el Senado se apresta a votar, con un alto grado de probabilidad, la apertura de un juicio de destitución de Dilma Rousseff, a mediados de mayo, por presunta manipulación de las cuentas públicas.

La mandataria sería en ese caso apartada del cargo, dejando a su vicepresidente centrista Michel Temer con la responsabilidad de inaugurar los Juegos que Luiz Inácio Lula da Silva, ícono de la izquierda latinoamericana, había conquistado en 2009.

Rousseff, del izquierdista Partido de los Trabajadores (PT), fue abucheada durante la apertura del Mundial-2014.

Temer tiene bajísimos índices de aprobación (1% a 2% de intención de voto, según Datafolha) y podría verse obligado a sufrir el mismo agravio. Pero probablemente tampoco sea recibido con los brazos abiertos por la comunidad internacional, explicó a la AFP Michael Mohallen, doctor en derecho público y profesor de la universidad FGV.

“Han crecido las críticas de la OEA, Unasur, algunos países ven con reservas el proceso brasileño. Y es probable que muchos líderes no quieran venir a participar de los Juegos”, afirmó.

¿Riesgo de manifestaciones?

Rousseff denuncia el impeachment como un intento de “golpe de Estado” institucional, orquestado por el “conspirador” Temer. El PT ha dicho que en caso de que sustituya a Rousseff, llevará “la lucha a la calle”, levantando el fantasma de las masivas manifestaciones de 2013 contra los gastos en el Mundial y en demanda de mejores servicios públicos. Actualmente, las marchas a favor o en contra de Rousseff ocupan más a los brasileños que los preparativos de los Juegos. Michael Mohallen descarta que el PT llame a manifestar contra los Juegos, pues siempre fue muy crítico de las manifestaciones contra la Copa del Mundo.

La crisis brasileña

Economía El PIB brasileño se desplomó 3,8% en 2015, su mayor caída en 25 años, y el mercado y el FMI estiman que la contracción será de igual magnitud en 2016.
Impacto La crisis tiene gran impacto en el estado de Río, donde la falta de liquidez llevó a atrasos en el pago de salarios de funcionarios públicos, como policías, así como de sus jubilados, que ya han manifestado en las calles.
Futuro Más de 30.000 trabajadores de las obras olímpicas pasarán a engrosar el desempleo del país (6,8% a fines de 2015) que intenta sobrevivir al aguacero de la crisis, en medio de una tormenta política de pronóstico reservado.

El Senado brasileño conforma comisión para el juicio político

El Senado brasileño conformó ayer la comisión especial que analizará el proceso de destitución de la presidenta Dilma Rousseff, inicio de una deliberación que podría apartarla del cargo en pocas semanas.

Tras una derrota apabullante en la Cámara de Diputados el 17 de abril, la eventual continuidad del impeachment (proceso de destitución) será analizada por una comisión de 21 senadores -que tendrán hasta diez días útiles para llegar a una conclusión y recomendarla al pleno del Senado. Si la mayoría de los senadores ratifica la decisión de Diputados -en una votación prevista para mediados de mayo- Rousseff perderá la presidencia transitoriamente por hasta 180 días a la espera de una sentencia definitiva, mientras se desarrolla el juicio propiamente dicho.

Quien asumiría la jefatura del Estado es el vicepresidente Michel Temer, acusado por la propia presidenta Rousseff de haberla traicionado y de conspirar en su contra articulando entre bastidores el gabinete de un eventual gobierno.

Reelecta en 2014 por un estrecho margen, Dilma Rousseff debería concluir su mandato en 2018, pero su desgaste político, la recesión económica y el escándalo de corrupción en la estatal Petrobras dieron forma a una crisis política que terminó paralizando su segundo gobierno, iniciado hace 15 meses.

Sus detractores la acusan de maquillar las cuentas públicas en año electoral, algo que ella desmiente alegando que incurrió en prácticas contables legales y utilizadas por sus antecesores. Rousseff y su Partido de los Trabajadores (PT) sostienen que son víctimas de un “golpe” parlamentario orquestado por la oposición y el centrista PMDB, exaliado clave de Rousseff durante los últimos cinco años, pero que en marzo decidió abandonar la coalición de gobierno y precipitó una desbandada de otros partidos en el Congreso.

Dilma Rousseff defiende que no existe ninguna investigación por corrupción en su contra, al tiempo que numerosos legisladores favorables a destituirla enfrentan procesos legales.

(Transcrito Diário Página Siete/ Bolívia)

VACACIONES EN BRASIL. Temporada de buceo

Posto 9, Río de Janeiro o cómo conseguir novio abajo del agua.

Por Marcelo Camaño

Ipanema hierve de sol, cuerpos expuestos y deseos a punto de desencadenarse en la arena que lame el mar. Esto no es el verdadero Rio de Janeiro que suda trabajo de jornada laboral, que transpira esfuerzo en medio de una de las ciudades más turísticas del mundo. Esto es el Posto 9 en la playa de Ipanema donde la comunidad gay despliega sungas de todo tipo, color y acechanzas. A los veraneantes, no los ata nada, excepto el momento exacto –pero no por eso fugaz– de encontrarse con el otro bajo el sol y entre las olas. Algunos buscan solamente un toqueteo gracioso, espasmódico. Otros, los más, buscan novio. Y lo encuentran. El cortejo empieza de sombrilla a sombrilla. Están los grupos de amigos, las parejas solas, las parejas con amigos, incluso algunos representantes de la familia tradicional brasilera. También “garotos de programa” que acompañan a europeos con dinero y que tienen tácitamente prohibido mirar alrededor, mucho menos tocar a algún atrevido. Los argentinos presentes son más cautos, pero graciosos, entradores y juguetones. Se destacan generalmente en manada por lo serviciales, y son menos gritones que los colombianos. Nada tímidos como los mexicanos. Abundan la cantidad de vendedores ambulantes que vienen al Posto 9 porque saben que el gay gasta. Los alquileres de las sillas de playa y las sombrillas son manejados por las barracas de Vania y Junior, más allá la de Nelio, más allá las demás. Los empleados que lucen chaquetas con la identificación de la barraca llegan a las 7.30 de la mañana y se van cuando se va la gente. Es infinita cantidad de horas yendo y viniendo, satisfaciendo pedidos varios, incluso los ilegales. Quienes atienden suelen ser de distintos puntos de Brasil, en su mayoría estudiantes universitarios que se quedan haciendo la diferencia de dinero durante el verano. Raúl es de Minas Gerais, tiene 23 años y los ojos color del tiempo. Estudia sociología, ya conoce varias capitales del mundo y hace un análisis correcto de la situación de Dilma hoy. Pregunta si es verdad lo que dicen los diarios locales sobre la primavera amorosa que el pueblo argentino estaría viviendo con el nuevo presidente. Cuando el sol le quema la visera, se saca la pechera y mueve su sunga multicolor para refrescarse bajo el agua. No tienen permitido interrelacionarse con los turistas, por simple pudor. Hay un compañero de Raúl, un moreno que aprieta un traje de baño verde que enloquece a unos ingleses blancos teta. El inglés no puede más y quedan en algo para la noche, cuando el moreno entre en horario de descanso. También atienden chicas que no pierden el tiempo charlando con los clientes y funcionan como aves de rapiña que sobrevuelan al ras de las sombrillas controlando. Los precios varían. Raúl y los muchachos ofrecen descuentos, las chicas de ninguna manera. Una tormenta traicionera los vuela a todos de la arena lo que dificulta la cobranza de lo vendido. Pero el público es fiel y al regresar al día siguiente, pagará su deuda porque sencillamente aquí se sienten más cómodos. A eso de las 6 de la tarde pinta pararse junto al mar, con los amigos, clavada de mirada incluida, caipirinha o cerveza en mano. Sobresalen los cuerpos más trabajados, los garotos con sonrisas iluminadas, y se toman los teléfonos para las salidas nocturnas. Reinan los Iphones. Pero lo renovador y sorprendente son los cuerpos encontrados bajo el agua, ya no son las parejas formadas, sino los que se tirotean en una caricia, en una mirada, en una palabra que intenta conformar idiomas nuevos. La teoría indica que uno debe acercarse a otro ya en el agua, pero es ese otro el que debe dar la bienvenida y comenzar la charla. Los besos llegan al instante y los manotazos también. Las erecciones esperan descender para salir del agua, y lo que sobrevuela son las ilusiones amorosas que si después no se cumplan, llegará un nuevo candidato y una nueva ilusión. La noche también tiene sus secretos. Acá veraneás y conseguís novio que puede ser de cualquier parte del mundo. In Página 12, Argentina

CULTURA & DINHEIRO

por Celso Marconi Lins


Eu estou aposentado do trabalho mas continuo pensando. E por isso pelo menos acompanho o movimento cultural em Pernambuco e por onde me chegam notícias.

Hoje mesmo li um artigo de Fernando Castilho na parte de Economia e outro de Marcelino Granja, o secretário de cultura do Estado, no setor de opinião ambos do JC. Resumindo os dois o que se vê é que ambos são de opinião que sem capital privado a cultura não pode se desenvolver.

Desde que eu acompanho cultura que ouço essa opinião. A verdade é que o particular que tem dinheiro só tem interesse em coloca-lo onde lhe der lucro. E todo mundo sabe que cultura verdadeira não dá lucro. Quem quiser ganhar dinheiro com cultura tem que partir pelos caminhos do chamado mainstream e ir aprender com os hollywoodianos.

Quem faz cultura verdadeira, isto é, no sentido antropológico da autêntica revelação do espírito criativo não pensa em ganhar dinheiro. Todo aquele que faz cultura sabe que ganha no mínimo força interior.

O secretário Marcelino Granja deveria escrever um artigo para dizer o que está sendo feito para que um instrumental como o dos museus de Pernambuco funcione e não apenas para mudar leis de incentivo.

Eu queria saber por que o dinheiro arrecadado pelo Estado não pode ser gasto com cultura?

No Rio de Janeiro inauguraram ontem um Museu do Futuro. No cais do porto como os dois daqui que estão fechando. Vamos esperando quanto tempo para vê-lo fechar? A arquitetura pelo que vi na televisão é belíssima. O certo é que nada se pensa nos Governos com autêntica cultura, com profundidade. É tudo paietê ou seja decoração. Alguns lutam internamente mas nunca conseguem realmente vencer. Infelizmente.

Jorge de Lima: Adoro esse Cristo turista/ de braços abertos/ que procura equilíbrio/ na montanha brasileira

Corcovado_foto_aérea

PanoramaRio monte Cristo

Cristo_Redentor_Rio_de_Janeiro_2

CRISTO REDENTOR DO CORCOVADO
por Jorge de Lima

.

O avô de minha avó
morreu também corcovado
carregando um Cristo de maçaranduba
que protegia os passos vagarosos da família.

Arranjei velocidade.
Virei homem de cimento armado.

Adoro esse Cristo turista
de braços abertos
que procura equilíbrio
na montanha brasileira.

Os homens de Fé têm esperança n’Ele,
porque Ele é ligeiro, porque Ele é ubíquo,
porque Ele é imutável.

Ele acompanha o homem de cimento armado
através de todas as substâncias,
através de todas as perspectivas,
através de todas as distâncias.

jorge de lima

HOMENAGEM A JORDE DE LIMA
por Murilo Mendes

.

Inventor, teu próprio mito, Jorge, ordenas
E este reino de fera e sombra.
Herdeiro de Orfeu, acrescentas a lira.

À mesa te sentaste com os cimeiros
Dante, Luís de Góngora, o Lusíada,
E Lautréamont, jovem sol negro
Que inaugura nosso tempo.

O roteiro traçando, usaste os mares.
A ilha tocas, e breve a configuras:
Ilha da realidade subjetiva
Onde a infância e o universo do mal
Abraçam-se perdoados.
Tudo o que é do homem e terra te confina.

Inventor de novo corte e ritmo,
Sopras o poema de mil braços,
Fundas a realidade,
Fundas a energia.

Com a palavra gustativa,
A carga espiritual
E o signo plástico
Nomeias todo ente.
Ó frêmito e movimento do teu verso
Mantido pela forte e larga envergadura.
Poder da imagem que provoca a vida
E, respirando, manifesta
O mal do nosso tempo, em sangue exposto.

Aboliste as fronteiras da aparência:
No teu Livro fértil se conjugam
Sono e vigília,
Vida e morte,
Sonho e ação.

Nutres a natureza que te nutre,
Mesmo as bacantes que te exaurem o peito.
Aplaca tua lira pedra e angústia:
Cantando clarificas
A substância de argila e estilhaços divinos
Que mal somos.

Mais de 50.000 vidas, todas elas de jovens negros ou mulatos, pobres quase em sua totalidade, que acabam assassinados a cada ano, mais que em todas as guerras em curso no Planeta

Para o Estado somos todos bandidos
Ele existe não para nos defender sem necessidade de matar, mas para “executar”, e se for com tortura, melhor

 

O ambulante Carlos Augusto Braga

O ambulante Carlos Augusto Braga

por Juan Arias/El País/ Espanha

 

Estou há muitos anos neste país que amo, sobretudo suas pessoas. Muitas coisas mudaram desde que aterrissei pela primeira vez no Rio, onde ainda se podia caminhar pela rua e viajar de ônibus sem ter que ficar alerta por medo de ser vítima da violência urbana. O mesmo ocorria em São Paulo.

O Brasil avançou na consciência dos cidadãos e até em riqueza econômica, apesar de uns poucos continuarem crescendo cada vez mais do que a maioria. Há algo, porém, que no Brasil não só não avançou, como também retrocedeu. Por exemplo, no que se refere ao respeito à vida das pessoas.

Eu me pergunto tantas vezes, com dor e até com raiva, por que a vida de uma pessoa vale tão pouco e é esmagada a cada dia como se esmaga uma barata. Esse pouco apreço por ela faz com que nossa polícia, eternamente mal paga e mal preparada, sempre com licença para matar, seja a cada dia mais truculenta e corrupta.

Eu voltei a me perguntar lendo a sangrenta reportagem de minha colega María Martín neste jornal sobre o tiro disparado por um policial na cabeça de um jovem vendedor ambulante, que acabou morto no asfalto de uma rua da rica São Paulo.

Esse policial que atirou sem compaixão no ambulante, como se atira em um coelho no campo, não pensou que aquele jovem vendia suas coisas na rua porque talvez não tenha tido a possibilidade de fazer algo melhor na vida? Que poderia ter sido seu filho ou irmão? Que ele também tinha sonhos e desejo de continuar aproveitando a vida?

Vendo aquelas imagens feitas no lugar do crime pela nossa repórter María meu estômago se revirou de desgosto e a mente, de indignação, enquanto pensava que esses policiais que em vez de nos dar um sentido de segurança e proteção nos incutem a cada dia mais medo.

Uma mancha de sangue na rua onde começaram os distúrbios: MARÍA MARTÍN

Uma mancha de sangue na rua onde começaram os distúrbios: MARÍA MARTÍN

Pensei também que a nossa classe média ajuda os guardiães da ordem a disparar o gatilho da pistola sem tantos remorsos. Fomos nós que cunhamos a terrível frase de que “bandido bom é bandido morto”. E o respeito à vida? “É que eles também não respeitam a nossa”, se contrapõe. Mas isso leva à concepção de que o Estado existe não para nos defender sem necessidade de matar, mas para “executar”, e se for com tortura, melhor. E que todos acabamos sendo vítimas potenciais dessa loucura.

Há países, como os Estados Unidos, onde se um policial poderia ter prendido um criminoso sem lhe tirar a vida e fica comprovado que não o fez porque era mais fácil matá-lo, acaba sendo duramente punido.

É um problema de escala de valores. Quando a vida de um ser humano, criminoso ou santo, deixa de ter valor supremo, todos logo acabamos nos tornando carne de canhão. Nossa vida entra em liquidação, perde seu valor e dignidade.

Tudo isso, no Brasil parece mais evidente pelo fato de que o Estado trata os cidadãos não como pessoas em princípio honradas, mas como potenciais “bandidos”. Em outros países, o Estado parte do pressuposto de que o cidadão é do bem, que não mente, que não engana, que não procura, a princípio, violar a lei.

E é o Estado, se for o caso, que tem de demonstrar que não é assim, que esse cidadão é um delinquente e fraudador, e só então terá de ser punido.

Viram como nós, cidadãos, somos tratados no Brasil quando precisamos comprar algo, quando entramos em um cartório? Todo o papel é pouco para demonstrar que não somos bandidos, sem-vergonha, mentirosos, vigaristas. Nos pedem certificados e mais certificados, assinaturas e mais assinaturas, reconhecimento de firma, e ainda mais, comprovação com presença física de que essa assinatura é autêntica.

Em uma ocasião, quando comprei um pequeno imóvel em Madri, tudo durou 20 minutos num cartório. Assinamos o contrato de compra e venda. O proprietário me entregou a escritura e as chaves e eu entreguei o cheque da compra. No Brasil nos teríamos perguntado, e se o imóvel foi vendido duas vezes? E se nós dois não estivéssemos nos enganando? E, e, e, e…..! quantos “es” e quantos medos de que no fundo sejamos de verdade uns bandidos que só queremos enganar!

Essa possibilidade de que possamos estar enganando sempre se deve ao fato de que perante as autoridades, ante a polícia, ante o Estado, todos somos sempre vistos como bandidos em potencial. Como me disse um amigo meu, para meu espanto: “É que todos nós, brasileiros, somos todos um pouco bandidos. Se nós podemos enganar, fazemos isso”.

Não acredito. Sempre pensei que até nas sociedades mais violentas e atrasadas as pessoas de bem, honradas, que não desejam enganar são infinitamente mais numerosas do que os bandidos. Do contrário, o mundo inteiro seria há muito tempo um inferno.

É assim no Brasil? Enquanto se continuar pensando e agindo como se a vida humana tivesse menos valor do que um verme e ninguém se espantar quando é sacrificada com violência e sem remorsos, às vezes até por uma insignificância, talvez tenhamos que reconhecer que esse inferno existe também aqui.

Isso é o que recordam as mais de 50.000 vidas, todas elas de jovens negros ou mulatos, pobres quase em sua totalidade, que acabam assassinados a cada ano, mais que em todas as guerras em curso no Planeta. Cada vez que um policial acaba com a vida de uma pessoa na rua, às vezes por uma mesquinharia, continuará sendo alimentada, pela outra parte, a dos cidadãos e dos mesmos bandidos, uma cadeia infernal de desejo de vingança que continuará nos esmagando e humilhando.

Até quando? Irá despertar alguma vez este país de tantas maravilhas, de tantas pessoas fantásticas, com desejo de viver em paz, sem serem tratadas como se fossem todas bandidos, ou continuará deixando atrás de si a cada dia tristes trilhas de sangue e medo ante a impassividade e a impotência do Estado?

Edinaldo, amigo e companheiro de trabalho de Carlos Augusto: M. MARTÍN

Edinaldo, amigo e companheiro de trabalho de Carlos Augusto: M. MARTÍN

Ambulantes, companheiros de Braga, a caminho do aeroporto de Guarulhos para prestar homenagem ao camelô: M. MARTÍN

Ambulantes, companheiros de Braga, a caminho do aeroporto de Guarulhos para prestar homenagem ao camelô: M. MARTÍN


Veja os soldados estaduais da polícia assassina do governador Geraldo Alckmin em ação (T.A.):

Rio de Janeiro. UMA SECRETA FORMA

por Leo Lobos

 

Rio_de_Janeiro1

 

Uma secreta forma

“As palavras como o rio na areia
se enterram na areia”
Roberto Matta

o automóvel está possuído pela força
dos animais que o habitam
como uma carruagem puxada por cavalos
sobre pedras úmidas de um passado verão
Rio de Janeiro aparece de repente como
a secreta forma que o Atlântico
deixa entrever de suas colinas de açúcar:
baleias à distância algo
comunicam à nossa humanidade surda
e cegadas pelo sol preparam seu próximo vôo
caem uma vez mais como
o têm feito há séculos
caem e crescem nas profundezas
caem e crescem em seu líquido amniótico

—-

Seleta de Jiddu Saldanha

Rosas para Cláudia, assassinada pela Polícia Militar do Rio de Janeiro

 

 

Cláudia, por Florido Lá, no blogue Olga

Cláudia, por Florido Lá, no blogue Olga

No dia 18 de Abril, sexta-feira da paixão, foi organizado um ato público e cultural, “A Paixão de Claudia”.

Articulado pela empresa Cubo Preto Ensino de Arte e Cultura Ltda., juntamente com ONGs, associações, coletivos culturais, empresas, órgãos da imprensa formal e informal e por profissionais de várias áreas das artes e interessados na vida em sociedade de modo geral, constitui-se como uma homenagem à mulher negra, trabalhadora e mãe brasileira, Claudia da Silva Ferreira, de 38 anos, que no dia 16 de março de 2014,

foi atingida por balas disparadas por agentes da Polícia Militar do Rio de Janeiro, socorrida pela mesma ainda em vida e arrastada por cerca de 350 metros, chegando ao hospital morta e com partes de seu corpo em carne viva.

Carregando rosas vermelhas, partiu-se defronte à Igreja da Nossa Senhora da Consolação até a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, localizada no Largo do Paissandu, onde encontra-se a estátua da Mãe Preta, feita pelo artista Júlio Guerra representando todas as mães pretas que foram e são base desse Brasil, e lá foram entregues as rosas. Rosas vermelhas, uma beleza que a própria natureza armou com espinhos para se proteger de seus opressores.

E no meio de tanta dor e revolta, a delicadeza ao levar sua rosa como se fosse cada uma das mães pretas desse Brasil. O evento foi marcado por muitos cartazes, tambores e manifestações culturais. Mas eu só lembro das rosas… rosas para Cláudia.

Alexandre da Silva, marido de Cláudia

Alexandre da Silva, marido de Cláudia

Paixão-de-Cláudia-4-

Paixão-de-Cláudia-10

Paixão-de-Cláudia-30-

Paixão-de-Cláudia-55

 

Acesso o ensaio completo no Flickr, aqui.

 

 

O Prefeito que não gosta de Arte

Eduardo Gatinho Manso Paes mandou apagar grafiti feito pelo artista de rua Romário Barboza conhecido como O Roma onde o prefeito estava varrendo a rua na greve dos Garis. Esse prefeito não gosta de artistas de rua, pois já é a terceira vez que noticiamos neste jornal repressão protagonizado pela prefeitura contra a cultura e a liberdade de expressão.

Vamos compartilhar essa publicação para que possamos dar todas as dores de cabeça a esse mini ditador.

Link da página do Grafiteiro O Roma:

https://www.facebook.com/Oromastreetart?ref=hl

Todo apoio aos artistas de rua
Equipe Jornal Zona de Conflito Mídia Independente

 

lixo O roma

Latuff na marcha vitoriosa dos garis hoje

por Carlos Latuff

O gari é meu herói! Todo apoio a greve destes profissionais no Rio de Janeiro

O gari é meu herói! Todo apoio a greve destes profissionais no Rio de Janeiro

Acompanhando a manifestação dos garis em greve na Central do Brasil

Acompanhando a manifestação dos garis em greve na Central do Brasil

CARTA DO COMANDO DE GREVE DOS GARIS PARA A POPULAÇÃO DO RIO DE JANEIRO 

lat3

Sobre a greve dos garis e agentes de preparo de alimentos, após 6 dias de paralisação, queremos esclarecer o seguinte:

1- A culpa da greve é do prefeito Eduardo Paes, do presidente da COMLURB e do presidente do Sindicato que não vem representando a nossa categoria.

2- Sofremos há muito tempo com péssimas condições de trabalho, banheiros insalubres, não temos equipamentos de segurança adequados, e baixos salários. A situação é tão absurda que no café servido pela COMLURB já encontramos baratas no pão e leite estragado. Há ainda assedio moral contra os trabalhadores. Estamos sendo coagidos a realizar um trabalho.

3- A direção do sindicato abandonou a pauta de reivindicação da categoria quando aceitou as imposições do Prefeito Eduardo Paes sem o consentimento dos trabalhadores trazendo indignação dentro de toda a categoria aonde se iniciou o processo da greve.

4- A direção do sindicato traiu a categoria também quando recuou da greve de advertência de um dia no dia 1º de março, mostrando que não está ao lado da categoria. O maior absurdo é que isso ocorreu em meio ao nosso dissídio e sem que os advogados do sindicato e a estrutura de nossa entidade fosse colocada a serviço de nossa luta.

5- As informações mostradas na imprensa, com base nas informações da prefeitura e do sindicato, não são verdadeiras. Não são apenas 300 garis que estão em greve. A ampla maioria dos trabalhadores não está realizando as suas funções, mesmo que alguns estejam se apresentando em suas gerencias em função da pressão e das ameaças sofridas por parte dos gerentes. O acumulo de lixo na cidade revela a ampla adesão de nossa greve.

6- Os transtornos criados em função do acumulo do lixo na cidade, são de única e exclusiva responsabilidade do prefeito Eduardo Paes e do presidente da COMLURB que se negam a negociar e atender nossas reivindicações. São eles os que devem ser cobrados por toda essa situação. Nos só queremos dignidade em nosso trabalho essa é nossa única motivação.

7- Repudiamos a criminalização de nosso movimento e a tentativa de nos intimidar por meio de demissões de decisões da justiça.

8- Pedimos apoio e solidariedade de toda a população do Rio de Janeiro, dos sindicatos comprometidos com os trabalhadores, parlamentares que atuam nas mobilizações e todos os que desejem nos ajudar a que a greve consiga uma vitória.

Rio de Janeiro, 06/03/2014

Comissão de Greve
eleita na assembléia do dia 1 de março

Os garis botando literalmente o bloco na rua, agora na Presidente Vargas

Os garis botando literalmente o bloco na rua, agora na Presidente Vargas

lat 5

lat 6

Os garis cantam "acelera Comlurb, que eu quero ver, esse lixo vai feder. A prefeitura não deu aumento não, e esse lixo vai ficar todo no chão"

Os garis cantam “acelera Comlurb, que eu quero ver, esse lixo vai feder. A prefeitura não deu aumento não, e esse lixo vai ficar todo no chão”

Garis ocupam as escadas do Ministério do Trabalho

Garis ocupam as escadas do Ministério do Trabalho

É de emocionar a mobilização dos garis

É de emocionar a mobilização dos garis

Tô com os garis e não abro... ou melhor, abro só o colete

Tô com os garis e não abro… ou melhor, abro só o colete

plixo1

E no Rio hoje, retrato do prefeito Eduardo Paes feito de lixo!. Foto: Entrincheiramento de Uruçumirim

E no Rio hoje, retrato do prefeito Eduardo Paes feito de lixo!. Foto: Entrincheiramento de Uruçumirim

Garis que reivindicam seus direitos estão sendo demitidos pela Conlurb através de telegramas!

Garis que reivindicam seus direitos estão sendo demitidos pela Conlurb através de telegramas!

Bonita é a mulher que luta, que o digam as garis presentes a manifestação de hoje na Central do Brasil.

Bonita é a mulher que luta, que o digam as garis presentes a manifestação de hoje na Central do Brasil.

Nada supera a animação desse povo!

Nada supera a animação desse povo!

A animação dos garis contagia até as policiais militares.

A animação dos garis contagia até as policiais militares.

Vitória dos garis

Vitória dos garis

Vai que é tua, gari!... #VitóriaDosGaris

Vai que é tua, gari!…
#VitóriaDosGaris

“Uma grande maioria se manteve silenciosa por muito tempo”

O novo cardeal brasileiro, nomeado pelo papa Francisco, vê paralelos na população que se manifesta nas ruas e na nova postura da Igreja, de tratar de temas que antes não vinham a público

O cardeal Dom Orani João Tempesta. / RAFAEL FABRES

O cardeal Dom Orani João Tempesta. / RAFAEL FABRES

por Carla Jiménez/ El País/ Espanha

Dom Orani João Tempesta, o novo cardeal do Rio de Janeiro, nomeado pelo papa Francisco no dia 12 de janeiro passado, começou a entrevista para o EL PAÍS, fazendo uma confissão. Ele ainda não conseguiu abrir as correspondências que chegaram de Roma nos últimos dias, portanto desconhece a pauta que será tratada na reunião do consistório, no próximo dia 22. Na ocasião, ele deve estar com o Papa, para a nomeação de outros cardeais.

Natural de São José do Rio Pardo, cidade no interior de São Paulo, dom Orani, de 63 anos, tem a responsabilidade de suceder Dom Eugênio Salles, falecido há dois anos, uma das lideranças mais importantes do país, que teve forte atuação na defesa dos direitos humanos durante a ditadura militar brasileira (1964-1985). O lado altruísta de Salles, porém, guardava nuances conservadoras, mais dogmático para com a Igreja.

“Cada época tem suas bandeiras, suas necessidades”, diz Dom Orani, que foi das comunidades eclesiais de base, e capitaneou a organização da Jornada da Juventude, no ano passado, em meio aos protestos de junho. “Uma grande maioria se manteve silenciosa por muito tempo”, disse ele, no sexto andar da sede de arquidiocese do Rio, no bairro da Glória.

Sobre o homossexualismo, por exemplo, adota uma postura mais conciliadora, diferentemente de outros pares seus. “Sabemos muito bem que é uma opção das pessoas, e minha insistência é que realmente saibamos trabalhar e formar a sociedade em que as diferenças sejam respeitadas”, afirma Dom Orani. Mas, outros temas, como celibato do sacerdócio, e mulheres fora do clero, se mantém como antes.

Pergunta. Suas atribuições aumentaram agora como cardeal?

Resposta. Por enquanto, não mudaram minhas atribuições. Mas o que o santo padre já nomeou, de algumas vezes participar do consistório em Roma, deixar algumas reuniões aqui, delegar, ou refazer agenda até 2014, 2015, 2016, está marcado.. Não sei se vai marcar coisas com antecedência. Mas fui nomeado também para o pontifício conselho dos leigos que também tem suas reuniões. Por enquanto, sei que estarei em Roma de 17 a 24 de fevereiro (no consistório).

P. O que estará em pauta nesse encontro?

R. Confesso que me entregaram dez, 15 cartas as quais não abri ainda. Mas eu não tenho o programa do consistório, e até agora não sei a pauta que ele vai propor.

P. O Papa vem colocando assuntos importantes, que até então pareciam polêmicos na pauta da Igreja, desde a ideia de nomear uma mulher cardeal, ate falar com leveza de homossexuais..

R. Não sei se ele falou alguma vez de mulher cardeal. Isso foi mais uma dedução da imprensa. O que ele tem dito muito é que é preciso dar uma importância aos leigos e às mulheres. Que exerçam seu papel, dentro da Igreja e em locais importantes também. Outro aspectos a mais, aí já são deduções. A proposta dele é valorizar o leigo e a leiga para que assumam papéis de importância, de decisão na Igreja.

P. Inclusive o sacerdócio?

R. Isso não passou pelo Papa não. Ele já falou inclusive que isso iria “clericarizar” ainda mais a Igreja. A mulher tem uma função ainda mais importante do que ser um clérigo. Isso ele disse.

P. Mas ele também já falou que a Igreja não é completa sem a mulher.

R. Exatamente. Mas não numa função clerical. Ele tem falado muito contra a função do clericarismo. Seria até uma incoerência arrumar mais cléricos ainda. Ele vai valorizar, quer que valorize, mas sem clericarizar.

P. O Papa tem falado muito sobre a corrupção. Isso pode influenciar algumas posturas da Igreja, especificamente do Brasil, em temas como a corrupção na política, por exemplo?

R. Ele tem trabalhado, primeiro, pelo lado interno da Igreja no sentido de reorganizar o Vaticano, e também tem assumido posições muito claras em relação ao mundo de hoje, como a economia, capitalismo, riqueza, pobreza, fome. E desvios, tem colocado isso com muita clareza, chamando o mundo a mudar de posição, e pensar diferente. Além de líder da Igreja, ele acaba tendo liderança mundial.

P. O Brasil está num momento de bastante tensão, num ano eleitoral. Começamos com mensalão do PT, e agora, o de Minas Gerais. Qual é a sua avaliação sobre este momento?

R. Aquilo que faz parte dos bens comuns, os bens do povo, devem ser aplicados para que exista uma vida mais justa. Então essa diferença social enorme, que ainda é muito grande, clama aos céus, e deveríamos fazer de tudo para que aquelas pessoas que não têm uma habitação, alimentação, escolaridade, com dignidade, possam ter. E muitas vezes isso não acontece em função de desvios e situações assim. Essas questão devem ser apuradas, e reencaminhadas. Agora, não podemos ser tão ingênuos. Sabemos que há forças políticas das mais variadas, e em ano de eleições, há situações concretas, outras são criadas. Criar uma reforma política, seria um sonho de um país latino-americano.

P. Como seria essa reforma política?

R. Um caminho para ter mais transparência. Conforme vai passando, e se tomando consciência, do que é o pais, a gente vê que certos tipos de reformas são necessárias. A Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) tem uma proposta, aprofundada, para colaborar nesse pensamento. Precisamos lutar para que social, culturalmente, este país possa dar passos nesse sentido. Lamentar o que esteja ruim, mas ver os desafios novos. Cada geração tem de ter a responsabilidade e tentar fazer sua parte.

P. A geração anterior dos representantes da Igreja no Brasil foi muito clara no apoio à redemocratização deste país. Quais são as bandeiras desta nova geração, da qual o senhor faz parte?

R. Cada época tem suas bandeiras, suas necessidades. Temos de ter princípios para nos nortear, e aplicá-los, para que as pessoas vivam com qualidade, no lazer, transporte, educação, tudo que faz parte do ser humano. Sei, porém, que existe outra questão, que não depende de lei nem decreto. Que é o coração humano, que tem muita violência. As pessoas não vivem bem e acabam cometendo barbaridades com o outro. Temos de anunciar, mesmo para quem não tem fé e religião, que fazer o bem ao outro é uma coisa boa. Isso não é tão simples, num mundo cheio de egoísmo. Isso extrapola Governo, leis, mas creio também que é um sonho, propor sempre um upgrade.

P. Esses jovens que estão na rua, que saíram em junho, estão ávidos por alguma coisa. O que o senhor enxerga no coração deles?

R. É uma insatisfação com relação a alguns assuntos. Não apenas um aspecto, é um movimento multifacetado, mas que numa parte demonstra insatisfação com representantes, com conchavos políticos que não resolvem os problemas da condução do país. E na fronteira disso, há também aproveitadores, um certo anarquismo, que não respeita o bem do povo. Se eu quero o bem do outro, não vou destruir minha cidade. Mas, ainda estamos dentro de toda essa manifestação, não é fácil enxergar de dentro, mas se percebe um desejo de que as coisas mudem, e que sejam melhor utilizadas.

P. Não existe aqui uma massa mais bem intencionada do que mal intencionada?

R. Difícil equacionar quantias. Às vezes a minoria fala mais alto que a maioria. Mas não há dúvida, o sentimento que está no coração do jovem, é de tempos melhores. E boa parte deles, por mídias sociais, se movimentaram. E foram às ruas. Creio que os grupos menores que fazem barulho, podem aparecer mais, que são o foco do noticiário. Mas não tenho como quantificar. A insatisfação mundial é muito grande.

P. É legítima?

R. É claro, o Papa tem colocado, as pessoas têm que se manifestar, colocar sua opinião.

P. Ele usou a frase “Não gosto dos jovens que não saem de casa”. O senhor concorda com ele?

R. Exatamente, é necessário que digamos as coisas, que falemos. E cada um com a sua consciência. Tivemos uma grande maioria que foi por muito tempo silenciosa, nunca expôs suas opiniões. Reclamava, mas de outro jeito. Hoje as pessoas amadurecem mais rapidamente, a mídia leva mais conhecimento, mais notícias – elas tomam consciência com mais rapidez. Hoje, é claro, já tem outro nível de cultura, próprio dos tempos que mudam.

P. Num paralelo com a Igreja, isso também está acontecendo dentro dela, no sentido de enxergar e falar de coisas que não se falavam abertamente antes?

R. Sim. A Igreja está dentro da história, está no mundo, não está fora. O que acontece ao redor, fora da Igreja, influencia também dentro dela. Nós temos encontrado muitos jovens na Igreja que também se colocam. Temos hoje essas manifestações com muita clareza, porém, não são uniforme. Necessário que haja discernimento para ver, em meio a várias situações, como fazer a Igreja seguir o melhor caminho.

P. Como em todas as instituições, a Igreja tem os mais modernos e mais moderados?

R. Não são mais modernos. São opiniões diferentes, dentro da mesma situação. Uns retornando a modelos mais presentes no passado, outros mais recentes, ou tentando modelos novos. Um mundo cheio de faceta.

P. Temas tabus, como celibato na Igreja, podem mudar?

R. Creio que não é uma tema tabu. A Igreja ocidental achou que deveria ordenar aqueles que têm o dom do celibato. Isso não acontece na Igreja católica do oriente. Ela ordena também casados. E a alegação, de que faltam pessoas com vocação, não ocorre por isso (pelo celibato). A Igreja do Oriente também tem problema de vocação mesmo ordenando homens casados.

P. Mas o senhor acha que a Igreja do ocidente pode mudar essa postura?

R. Olha, sempre existem teólogos, que debatem a situação.

P. Mas o que senhor pensa?

R. Penso que no mundo em que vivemos, e que caminhamos, o mundo precisa de exemplos e sinais fortes de pessoas que deixam tudo por causa de um chamado. No mundo nosso, em que existem muitas facilidades, conforto, alguém que deixa tudo, é um sinal forte, que questiona.

P. Deixa tudo para atender ao chamado do sacerdócio?

R. Exato.

P. Mas muita gente pode ter o chamado para o sacerdócio e ao mesmo tempo querer viver em em matrimônio, não?

R. Por isso há várias formas de servir a Igreja como casado também. Temos falta de leigos casados, que sejam sinais na sociedade. O ocidente carece um pouco desse trabalho, do cristão leigo. Nem todo mundo precisa ser padre para servir. Governar uma comunidade. Nós precisamos de presença maior, no meio do mundo. No meio do jornalismo, no meio do escola, universidade, ali precisa de muito mais gente. Aí também é um sacerdócio. E para aqueles que têm dimensão maior temos os diáconos.

P. Não se debate então o celibato?

R. O grande debate na Igreja é como levar o cristão leigo a ser o fermento no meio da massa. No Congresso, no Supremo Tribunal Federal, na escola, na universidade, ali está a efervescência.

P. Então qual é a estratégia de dom Orani para levar esse cristão a ser o fermento da sua comunidade?

R. Não existe estratégia, como se fosse um plano, “amanhã faço isto, depois aquilo”. Nós não temos isso, pois lidamos com o eterno e com o ser humano, que não entra na solução de “dois mais dois”. Não sei como você vai colocar isso no jornal, mas é ver o espírito santo que vai te iluminando para o plano de pastoral, de arquidiocese como a linha pastoral, mais do que estratégia, são opções que tomamos para chamar e trabalhar em alguns aspectos importantes, sem deixar os demais. Por exemplo: aqui no Rio de Janeiro, formar as redes de comunidade. Além da paróquia, em cada rua ter uma comunidade, agremiação, ou como quiser chamar, onde se reúnem pequenos grupos, para melhor trabalhar. De levar a pessoa através da evangelização a serem discípulos missionários, seguir Cristo. E ser missionário não apenas no interior da Igreja, mas onde a pessoa vive.

P. O senhor está numa cidade, o Rio de Janeiro, onde é muito forte o movimento homossexual. A falta de legitimidade para esse grupo deixa um vazio que fomenta uma violência gratuita. De que maneira o senhor acolhe este assunto?

R. De um lado, repudiamos qualquer tipo de discriminação. Seja por nacionalidade, etnia, opção sexual, a violência não se justifica para lado algum. Aprendi desde jovem que a sua liberdade começa quando começa a liberdade do outro. Creio que a Igreja tem procurado não fazer com que as diferenças sejam causas de guerra. Nem de brigas, nem de morte. Posso não concordar com sua opinião ideológica, política, mas não vou te matar porque você não é do meu partido. Essa questão de convivência entre os diferentes é um trabalho importante. Não só aqui, em qualquer cidade. Somos chamados a viver num mundo em que se respeite mutuamente, e se dê o direito de cada um viver em sua ideologia, opção, e não matar e nem vingar, e nem diminuir os direitos de alguém. Isso acontece com os cristãos também. Em alguns lugares do mundo, eles não têm os direitos civis.

P. Recentemente um cardeal espanhol, Fernando Sebastian, disse que a homossexualidade era uma deficiência. Como lidar com isso?

R. Nós vamos encontrar muitas opiniões, de muitos lugares, de muitas formas.

P. Mas o senhor concorda com o que ele falou?

R. Não vou implicar com cardeal nenhum (risos), não sei, não ouvi o que ele disse, não posso dizer se ele disse isso ou não.

P. Ele comparou homossexualismo à hipertensão. Daí a gente se pergunta: é a Igreja que pensa assim, que a homossexualidade é uma deficiência?

R. Muitas vezes o modo de se manifestar não é próprio, acaba caindo em situações assim. Tenho certeza que, ao falar em uma reportagem, ao resumir uma questão, se pega um aspecto somente, o mais polêmico, ou coisa assim. Mas, sabemos muito bem que (o homossexualismo) é uma opção das pessoas, e minha insistência é que realmente saibamos trabalhar de modo que a sociedade respeite as diferenças.

P. Ninguém seria diferenciado ou visto de modo diferente na Igreja?

R. A Igreja está sempre aberta a todos. E nós sabemos que nunca haverá obstáculo e sabemos que eles estão em nossas assembleias, e não se coloca nenhum obstáculo para que cantem, rezem. O importante para cada um é que viva de acordo com o evangelho.

P. Jesus dizia para não se confiar nos falsos profetas. Na sua leitura, quem são os falsos profetas hoje, no Brasil?

R. Jesus fala daqueles que prometem mil coisas apenas para enganar as pessoas.

P. Há falsos profetas na política?

R. Dentro do que é a parte política, e da religião, vamos ter pessoas que prometem milagres fáceis, e que depois acabam não acontecendo.

P. Como a Igreja deve se comportar neste ano, em relação às eleições? Tem liberdade de apoio? Vai se posicionar em algum momento?

R. A Igreja católica tem tradição, em nível nacional e nas dioceses, de explicar às pessoas para votar nas pessoas com responsabilidade. Normalmente as pessoas não indicam nomes, porque sabemos que nas nossas paróquias temos todos os partidos. Mas cabe a nós pensar sobre algumas questões. O que o político promete é viável, é factível? Ele fez o que em seu mandato? Quais valores eles defendem?

P. Tem gente que se preocupa com a ousadia do papa Francisco, de falar assuntos que antes não eram tocados, e que pensam inclusive se ele não correria risco de vida. A Igreja já está preparada para essa mensagem dele?

R. A questão de matar o Papa não é de hoje. Basta lembrar de João Paulo II, que na praça São Pedro, tentaram matá-lo. A questão de ódio com religião, ao santo padre, a Igreja sempre lidou com isso. Agora, as fantasias dentro do Vaticano, de gente querendo silenciar o Papa, já são exageros. Dentro da Igreja há um grande respeito em relação ao Papa. Porque nós acreditamos muito – sei que é difícil colocar isso no jornal – na ação do espírito santo, que fala no momento presente, no hoje. Falou com João XXIII, com Paulo VI, João Paulo I, João Paulo II, Bento XVI, e agora com o papa Francisco. E cada um com seu estilo, cada um a seu tempo, seu jeito. E o papa Francisco, primeiro latino-americano Papa, tem também seu jeito de falar. Uma vez que grande parte da sua vida foi pastor, bispo, aprendeu a ser bastante direto nessa questão, e evidentemente tem sido bastante ousado em sua opinião, e na maneira de se expressar. Ele expressa o que também escutou nas próprias reuniões que antecederam o conclave, como dar esses passos. Então ele procura dar essa respostas. De um lado, como renovar uma estrutura muito antiga, do outro lado também respeitar uma estrutura que existe, que também é importante para Igreja e, como manter o devido equilíbrio sobre isso. E claro, isso tende a desagradar grupos.

P. Por que o senhor disse que não sabe como o jornal vai falar que a figura do espírito santo fala pelo Papa?

R. Porque é difícil para o jornal, não? Quando falamos de coisas práticas, é fácil falar e publicar. Mas quando fala de coisas que extrapolam, algo que não se consegue apertar, manipular, aí é difícil sair.

P. Mas o senhor não acha que o mundo está menos cartesiano? A própria física quântica é uma derivação da lógica dos números, não?

R. Creio que existe um terreno fértil para olhar além da matéria, até mesmo chegar à ideia de que o nada consegue criar – conclusão a que chegaram os físicos, de que do nada se criou o que o mundo é – difícil imaginar que o nada, que não existe, criar alguma coisa que existe.

P. A própria ciência já não está falando que existe uma ação além, nomeando o nada, como uma energia divina?

R. Isso alguém que tem a visão da fé coloca assim. Outros dizem que não existe Deus, e que o nada tem poder de criar. Tem sim, a colisão da matéria, com o Boson de Higgs, de tentar encontrar a partícula de Deus, como se Deus não existisse. Para o jornal é fácil falar da colisão de partículas, ou de que o nada pode criar o cosmo. Mas falar que o espírito santo dirige a Santa Igreja e o Papa, é uma opção que se faz de dar a visão cristã. Mas se falar, ótimo.

P. O senhor não enxerga isso na ciência?

R. É curioso enxergar a angústia do ser humano de enxergar vida em outro lugar. O ser humano parece que se sente muito sozinho nesse planeta.

P. O Brasil é um dos países líderes em cirurgias plásticas, e ao mesmo tempo, engrossa as estatísticas de depressão. Por que o ser humano está tão doente, desesperado na busca do remédio que trará a felicidade?

R. Porque o ser humano tem outras necessidades, além da sua casa, etc. Alguns não gostam que se chame isso de fé, mas no fundo existe essa busca pelo transcendente. Mesmo quem não crê em nada, vai encontrar uma razão que vai além de si mesmo, o transcendente. Ela vai chamar isso de outra maneira. Mas é um caminho pelo qual vai entender sua própria vida. Não quer dizer que quem é ateu não vai ser feliz. Vai falar de Deus de modo diferente que a nossa forma. Para cada um chega o momento de vencer o limite, em que você vê que não é onipotente. Se não tiver outra razão, entra em parafuso, daí entra suicídio, depressão, etc.

P. O senhor já deve ter encontrado na sua vida mais ateus com valores cristãos do que muitos que se dizem fiéis a Deus.

R. Sim, os que vivem valores cristão mas não gostam de dizer. Aquilo que a vida cristã colocou, que é ser feliz e amar. Outro dia vi numa revista alguém que dizia ver na sociedade esse desejo de ser feliz e amar, devido ao que a vida cristã colocou. Colocaram como se fosse pregação da vida cristã. Mas eu acredito que faz parte da vida humana, que o cristão faz vir à tona e aperfeiçoa.

P. Mas em outras épocas, tentaram se apropriar dessa realidade (felicidade do ser humano), como se fosse algo da Igreja.

R. No fundo, o que se afirmava, é que fora de Cristo, não tem outro jeito de viver. E nem sempre se tem essa clareza. Muitas vezes a pessoa não crê em Cristo, mas ela vive como se acreditasse.

P. Apesar dos avanços com o papa Francisco, ainda há feridas no meio de caminho. A ONU, por exemplo, agora está pedindo para a Igreja se posicionar em relação aos abusos sexuais. Como a Igreja vai lidar com isso, inclusive no Brasil?

R. Creio que no tempo de Bento XVI a Igreja deu respostas muito boas, com a documentação feita, e a legislação, de apuração, em que centenas de padres foram dispensados. O que foi apurado e comprovado, voltaram à vida leiga. É claro que as épocas vão mudando, deixando mais claras as coisas. A Igreja vai legislando, cada vez melhor, isso a legislação está bastante clara. O relatório da ONU não foi só sobre a Igreja, mas só ela apareceu. Era um relatório amplo, mas só pinçaram a Igreja. Mesmo já tendo dado uma resposta.

P. Há algo no Brasil em investigação de abusos sexuais cometidos aqui?

R. Que eu saiba, foram tomadas as devidas decisões, e aquilo que faz parte do interno da Igreja, tomada a decisão, que é normalmente a volta ao estado leigo (dos acusados). E que a família afetada procure a lei civil. Isso está bem claro. O relatório da ONU chega atrasado.

P. O senhor está sucedendo dom Eugenio Sales, que é uma figura muito importante para o Brasil e para a Igreja também. O senhor sente o peso da responsabilidade?

R. É uma grande responsabilidade. Este mês o ministro do Trabalho, Manoel Dias, veio aqui tomar um café. E me disse – estive aqui, na época (da ditadura) com dom Eugenio Sales. Ele havia saído do Sul do país para chegar aqui de madrugada, e obter um salvo-conduto de dom Eugenio para levar tupamaros (guerrilheiros marxistas uruguaios que lutaram contra a ditadura) ao aeroporto.

P. Hoje não temos ditadura para tourear. Quais são os abacaxis para descascar?

R. Não veja abacaxi, há uma visão tranquila para lidar com cada momento. Creio que o Rio de Janeiro tem suas questões de segurança muito grande, e que implicam muitas nuances. Sentimos impotência com as autoridades, pois como fazer, com pessoas humanas, que têm direito a vida, e que por razões várias, estão no meio da violência e da droga.

P. Existem ações pensadas, nos morros da cidade, por exemplo?

R. É diferente para cada região. Temos a pastoral das favelas, que trabalha muito a questão dos direitos, remoções, o banco da Providência, Cáritas, que trabalha com cursos, a capacitação, e vários tipos de convênios, com grupos para levar saúde, direito, etc. Além do que a evangelização faz. Mas reconhecemos que ainda é muito pouco. Atinge-se um pouco, mais tem muito a fazer.

P. O senhor tem vontade de aumentar esse trabalho?

R. Temos procurado incrementar um pouco ainda, nesses trabalhos todos, ver passos que possam ser dados. Mas os passos já estão mais ou menos encaminhados. Como fazer para serem melhores e mais profundos é uma fonte de preocupação. Se temos que amar ao próximo, temos que amar de forma concreta.

P. O senhor é bem tecnológico, até ficou sabendo da sua nomeação como cardeal, por um aplicativo no celular. O senhor tuíta muito?

R. Menos que antes, agora está mais difícil. Até colocar minha vida em ordem vai levar um tempo. Tenho 430 mensagens do Facebook para responder.

P. O senhor já se viu vestido de branco?

R. Não. Nesse sentido que você fala (vestido de branco como o Papa), não (risos). Porque a gente usa túnica branca para rezar missa. (risos).

P. O Papa tem um jeito de viver com mais humildade, austeridade, de dispensar luxos. Ele influencia outros representantes da Igreja?

R. Sim, acho que toda liderança, quando exercida, de modo evidente, tem a tendência de chamar a atenção dos demais. A se questionar também, se posicionar de outra forma. O modo dele falar, e se comportar, e suas escolhas, tende justamente a colocar os demais, e se posicionar diante desse momento histórico que se vive.

P. O presidente do Uruguai, José Mujica, também se destaca por esse comportamento, mais simples, e é uma referência, popular como o papa Francisco. Estamos voltando ao ideal da simplicidade?

R. Creio que o mundo chega a uma saturação de consumo, de consumismo, onde o simples passa a ser o novo, o belo. Nos cansamos de tanto exagero, da criação de novas necessidades. E a própria questão ecológica, cria-se o círculo vicioso. Precisa ganhar dinheiro para ter emprego, para ter emprego, precisa da fábrica, que consome a natureza. E para atender a tudo isso, você precisa consumir. Essa lógica de usar e jogar fora para consumir mais, para ter mais, está se esgotando.

P. Se uma fiel chegar ao senhor dizendo, fiz um aborto, como o dom Orani a trata?

R. Ao vir falar, ela vem de coração pesado, de quem se sente machucada. E a Igreja é justamente uma mãe para acolher. Porque entende o drama que ela viveu, para chegar a isso. O Papa lembra que a Igreja é mãe, de embalar, pegar no colo. Não só de aborto, mesmo nesses encontros muito rápidos, na conversa com o povo depois da missa, as pessoas contas sobre as suas dores, dificuldades. Creio que a Igreja tem que ser essa mãe, que faz o papel de curar. Claro que tem uma questão séria, de situação de morte (no caso do aborto), mas que o Papa lembra: primeiro trata-se a ferida, depois vem o restante.

P. Ninguém vai para o inferno porque abortou?

R. Se ela vem buscar justamente esse consolo, a Igreja tem esse poder para perdoar esses pecados, para acolher e ajudar que ela se cure. O Papa diz sempre que temos de ser como hospital de guerra. Ajudar a pessoa que chega com a perna quebrada, rasgada, etc, e depois se vê como faz para consertar o resto.

P. Em algum momento da sua vida, pensava que um dia seria nomeado cardeal?

R. Nem bispo. Muito menos cardeal.

P. Então virar Papa…

R. Não vou virar não (risos).