Las sin nombre

Por Flor Monfort/ Página 12

Nadia Vera

Nadia Vera

Primero fue un nombre y una cara las que ilustraban la noticia: “El fotoperiodista Rubén Espinosa fue brutalmente asesinado junto a cuatro mujeres”, se dijo desde los medios mexicanos, y el mundo recogió la noticia replicando esa cara y ese nombre. El domingo, el fiscal que investiga su muerte aclaró que junto a Espinosa había cuatro mujeres, también muertas de un “tiro de gracia con un arma calibre 9 mm”, y las designó con un número que corresponde a sus edades: 40, 32, 29 y 18. Nada dijo sobre las torturas sexuales a las que fueron sometidas antes de morir, poco sobre sus identidades. Enseguida se empezó a especular con los vínculos, con quién vivía Espinosa, la supuesta fiesta que había habido en su casa antes de los tiros y los movimientos que hubo en el departamento ese 31 de julio. Hasta el cierre de esta edición, sólo se sabe con certeza a quién corresponde el número 32, los años de la activista Nadia Vera al momento de su muerte. De esa tríada en femenino que forman el 40, el 29 y el 18 sólo se labra una silueta, una que a esta altura se puede hacer coincidir con tantas trazadas en suelo mexicano por la violencia que las hace desaparecer en Ciudad Juárez o en La Bestia, también conocido como “tren de la muerte”, sólo por poner dos territorios icónicos de un mapa donde el femicidio y los crímenes de odio son moneda corriente.

Vera era antropóloga egresada de la Universidad Veracruzana, integrante de la Asamblea Estudiantil de Xalapa y formó parte del movimiento #Yosoy132, trabajaba en la Muestra Internacional de Cine y Video Independiente Oftálmica y coordinaba el Festival Internacional de Artes Escénicas Cuatro por Cuatro. En noviembre de 2014 se puso frente a una cámara para alertar al mundo: cualquier cosa que le pasara sería responsabilidad de Javier Duarte Ochoa, el intendente de su Veracruz natal al que venían denunciando con Espinosa desde distintos frentes como el jefe del estado mexicano más peligroso para ejercer la libertad de expresión. Ambxs recibieron amenazas y emigraron al Distrito Federal para sentirse a salvo. Pero hace poco más de dos meses el terror se materializó en una acción concreta: policías de civil atacaron a golpe de machetazos a diez estudiantes y militantes de la universidad de la que Nadia había egresado, algunos eran sus amigxs y todxs ellxs la conocían. Las heridas marcaron los cuerpos a fuego y tanto Nadia como Espinosa creyeron que en la capital del país estarían a salvo. Pero no fue así, y junto a Nadia otros tres cuerpos de mujeres aparecieron sin vida, y después de violentados, también sin nombre.

Feministas y activistas por los derechos humanos se encargaron esta semana de poner nombre a esos números que el fiscal de la causa mencionó por arriba, como un trámite tedioso. “Alejandra, la mujer invisible para los medios y la sociedad, tenía 40 años y trabajaba como empleada doméstica… Tenía una vida, amigxs, tenía un pasado y un futuro, tenía sueños que valían tanto como los de cualquier otra persona y se los arrebataron”, dice una imagen que circula en las redes sociales. “Yesenia Quiroz Alfaro, maquilladora originaria de Mexicali”, dice otra junto a un lazo negro y sin terminar de identificarla se habla de una “colombiana” que deja incompleta una lista de víctimas invisibles, tan brumosas como aquellas a las que se insiste en llamar con otros nombres, como cuando se habla de nuestra Laura Moyano en masculino o se insiste en su muerte como un homicidio más, propio de la “inseguridad”.

Cuerpos de descarte, cuidadanxs de segunda, nombres que se omiten porque otros los preceden, el ataúd de Nadia Vera tiene un pequeño cartel que lo corona con una frase suya: “Seamos realistas, hagamos lo imposible” que hoy parece un deseo hermoso pero amargo, difícil de tragar.

Arrestan a dos sospechosos de matar a un locutor brasileño

Denunciaba prácticas corruptas de diversos políticos en su programa

Gleydson Carvalho

Gleydson Carvalho

Dos de los acusados del asesinato del locutor radiofónico Gleydson Carvalho, tiroteado el jueves cuando transmitía su programa en una radio de Camocim, municipio del estado brasileño de Ceará (nordeste), fueron detenidos este viernes por la policía, informaron fuentes oficiales.

Los acusados fueron detenidos en una operación realizada por agentes de la Policía Civil del estado de Ceará en una vivienda de un municipio vecino a Camocim en la que al parecer se planeó el crimen y de la que consiguieron huir dos personas ya identificadas y que fueron señaladas como los pistoleros.

“Detuvimos a dos personas en una vivienda en la que encontramos las armas usadas en el crimen y la ropa utilizada por los pistoleros, así como una fotografía del periodista, y ya solicitamos la detención de los otros dos”, dijo a Efe el comisario de la Policía Civil de Camocim, Herbert Ponte e Silva.

Según el comisario, las dos personas detenidas ya han revelado detalles sobre cómo fue planeado y ejecutado el crimen.

“Ahora vamos detrás de los dos pistoleros, que huyeron hacia una región boscosa sin armas, sin transporte y descalzos, y a intentar identificar quién encomendó el crimen”, agregó el comisario.

El periodista había recibido amenazas de muerte por las denuncias de corrupción que hacía contra políticos locales.

Ponte e Silva agregó que la Policía también se incautó de 1.800 reales (unos 515 dólares) en dinero y de los chips de los celulares usados por los sospechosos, que se espera que sirvan para localizar a los responsables intelectuales.

El crimen se registró en los estudios de la Radio Liberdade FM, en Camocim, y provocó conmoción debido a que el locutor transmitía en directo en el momento en que fue tiroteado.

Los dos pistoleros, que se hicieron pasar por posibles anunciantes para entrar en la emisora, irrumpieron en el estudio donde Carvalho se encontraba, le dispararon tres veces, dos en la cabeza, y se dieron a la fuga.

Carvalho era conocido en la zona por hacer un programa en el que denunciaba prácticas corruptas de diversos políticos, motivo por el que había recibido numerosas amenazas en su perfil de Facebook.

Los cuatro sospechosos, desconocidos en Camocim, al parecer esperaban el transporte en el que iban a huir después del crimen.

Periodistas, en el punto de mira

El asesinato de Carvalho fue condenado por el Comité para la Protección de los Periodistas (CNJ), que, en un comunicado divulgado en Nueva York, instó a las autoridades a llevar a la justicia a los autores de este nuevo atentado contra la libertad de prensa en Brasil.

“La violencia contra la prensa en Brasil ya había alcanzado niveles inaceptables. Ahora estamos aturdidos con el asesinato de Glydson Carvalho en medio de su programa de radio”, afirmó Sara Rafsky, investigadora de la CPJ, citada en el comunicado.

Tras el nuevo atentado “contra el derecho de los brasileños a ser bien informados y que segó la vida de otro periodista”, la CPJ dijo que la violencia letal contra la prensa viene creciendo en los últimos años en Brasil.

Otros tres periodistas fueron asesinados este año en represalia directa por su trabajo, incluyendo dos que fueron torturados y muertos en menos de una semana en mayo.

En mayo, tras el asesinato de dos periodistas en la misma semana, la Asociación Nacional de Diarios (ANJ, por sus siglas en portugués) denunció el “clima de impunidad” que se da en relación al homicidio de periodistas en Brasil, lo que según la patronal, contribuye a “que se repitan las violaciones a la libertad de expresión”. El Mundo/ EFE

JOGO BRUTO DA MANIPULAÇÃO DA INFORMAÇÃO

 por Mario Augusto Jakobskind

indignados tv

O assassinato do repórter cinematográfico da TV Bandeirantes Santiago Andrade deixou não só a família como todo o Brasil de luto. É triste a morte, ainda mais nas circunstâncias em que ocorreu e que poderia até ser evitada se o profissional de imprensa estivesse com equipamento de segurança adequado para coberturas em áreas de risco.
.
Mesmo antes da tragédia, durante negociações salariais da categoria dos jornalistas no Município do Rio de Janeiro, os representantes dos empresários midiáticos se recusaram a aceitar clausula prevendo a garantia das empresas em fornecer equipamentos de segurança para os repórteres. Esse fato, denunciado pela Presidenta do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro, Paula Mairán, foi ignorado no noticiário sobre o assassinato de Santiago.
.
Da mesma forma que se condena a violência de alguns poucos, que não leva a lugar nenhum e na prática faz o jogo de setores da elite que tentam sempre impedir qualquer tipo de mobilização e organização popular, não se pode silenciar diante da ação truculenta da Polícia Militar que obedece a voz de comando do Governador para reprimir os protestos.
.
Infelizmente, nesse contexto se inserem grupos midiáticos de mercado. No caso do Rio de Janeiro, as Organizações Globo bate recordes em matéria de criminalização dos movimentos sociais e de manipulação da informação.
.
Vale um parênteses. Este mesmo grupo há poucos meses fez uma autocrítica por ter apoiado o golpe de 64. Tratou-se apenas de uma ação mercadológica para tentar limpar a sujeira do apoio, porque na prática a filosofia da Globo continua a mesma de 50 anos atrás.
.
O mesmo ódio que nutriam contra as autoridades constituídas, sobretudo o Presidente constitucional João Goulart, nos dias de hoje fazem semelhante em relação aos movimentos sociais e a alguns políticos que não rezam pela cartilha da família Marinho. Os tempos e o cenário não são os mesmos de 64, até porque o mundo e o país mudaram substancialmente, mas a forma de manipular a informação segue vigente.
.
O que dizer de uma mídia impressa, e a eletrônica segue o mesmo caminho, que apresenta um editorial, como de O Globo, sob o título “Quando os black blocs e o MST se encontram”? É a opinião do grupo, que em essência em nada difere de editorais que antecederam ao golpe empresarial militar de 64.
.
E tem mais uma agravante, não é de hoje que as Organizações Globo criminalizam o mais importante movimento social da América Latina, talvez do mundo, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. E também não é de hoje que o grupo da família Marinho, bem como outras mídias, tem vínculos estreitos com o setor do agronegócio.
.
Um boato durante uma manifestação pacífica de mais de 15 mil trabalhadores rurais que realizavam seu VI Congresso em Brasília fez acionar de forma violenta a Polícia Militar. Alguém, sabe-se lá quem, mas pode-se imaginar os responsáveis, lançou a versão mentirosa segundo a qual um ônibus dos trabalhadores com material de acampamento guardava armas para enfrentar a polícia. Desrespeitando os manifestantes, PMs de forma truculenta se dirigiram ao ônibus e aí começaram os confrontos.
.
O esquema Globo, que não faz jornalismo, e nestes casos age como um partido político retrógrado, culpou o MST pela ocorrência e no dia seguinte ainda equiparou os manifestantes pela reforma agrária aos Black Blocs.
Os boatos em Brasília chegaram as raias do absurdo quando um dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, que presidia os trabalhos, ordenou a suspensão de uma sessão da instância máxima da justiça brasileira alegando “ameaça de invasão”. Mentira total, mas os canais de televisão, capitaneados pela Globo, deram o maior destaque à ameaça que nunca existiu.
.
É preciso dar um freio nessa manipulação midiática grosseira que tem por objetivo impedir a continuidade das manifestações populares e ainda a aplicação de uma legislação restritiva às mobilizações populares. E de quebra ainda facilita o jogo de uma oposição de direita sem bandeiras.
.
Se o espaço midiático eletrônico fosse melhor distribuído, digamos com 33% do espectro dividido para a iniciativa privada, pública, estatal e com garantia para canais da cidadania, os brasileiros teriam certamente maiores opções de se informar e não estariam sujeitos, como agora, ao esquema grosseiro de manipulação da informação da mídia de mercado.
.
Nas manifestações populares que ocorrem em todo o país, o tema mídia tem ganho maiores espaços, o que preocupa sobremaneira os proprietários dos grandes veículos de comunicação, os mesmos que estão criminalizando os movimentos sociais ao misturarem alhos com bugalhos, como equiparar Black Bloc ao MST.
jornalismo imprensa informação indignados

O assassinato de Santiago. A morte como espetáculo

Por Luciano Martins Costa

televisão protesto

A sequência do noticiário sobre a morte do cinegrafista Santiago Andrade, causada pela explosão de um morteiro, lança o leitor atento em uma enorme confusão. Mesmo levando-se em conta o turbilhão emocional provocado por eventos desse tipo, do qual nem repórteres experientes estão isentos, o conjunto das informações, análises, palpites e iniciativas descreve uma sociedade atônita, sem noção da realidade, crédula ao nível da carolice e ao mesmo tempo cética diante de informações avalizadas pela imprensa.

Mas não é a sociedade que está aturdida: é a versão midiatizada da sociedade que nos parece à beira de um ataque de nervos. A diferença entre o ambiente social e sua representação na mídia tem sido marcada em estudos recentes sobre comunicação e cultura, mas em geral eles se concentram em reflexões sobre o funcionamento do chamado espaço informativo, ou espaço informacional.

A sociedade é a expressão das relações conscientes entre as pessoas, com objetivo do bem comum. A sociedade midiatizada é a expressão do interesse de quem media essas relações. Essa curta e certamente pobre contextualização pode ser útil para lembrar que nem tudo que sai na imprensa é exatamente jornalismo.

Aliás, um dos problemas da observação da imprensa nestes tempos de grandes mudanças é justamente a mistura de jornalismo e imprensa: nem sempre o que a imprensa faz é jornalismo, e, cada vez com mais frequência, o jornalismo costuma ser encontrado fora do sistema que chamamos de imprensa.

Vejamos, então, alguns dos elementos desse conjunto de informações que compõem o noticiário sobre a morte de Santiago Andrade, com os quais tentaremos pintar um quadro mais ou menos compreensível.

Primeira dificuldade: entender o que vem a ser o tal Black Bloc. Sem uma estrutura visível, caracterizada apenas por uma disposição permanente para a violência, essa coisa tem sido apresentada ora como horda, ora como massa de manobra, ora como organização política de orientação anarquista. Segunda dificuldade: situar nesse contexto os dois jovens apontados como coautores da morte do cinegrafista da TV Bandeirantes.

Mídia e sociedade

Há outras dificuldades presentes na tarefa de encontrar um significado nessa maçaroca de notícias, opiniões e palpites. Por exemplo, muitos jornalistas ativos nas redes sociais duvidam que o jovem acusado de acender o petardo, identificado como Caio Silva de Souza, seja o mesmo homem que aparece de costas, na cena do crime.

Preso na madrugada desta quarta-feira (12/2), ele confessou ter acendido o artefato, mas disse pensar que se tratava de uma bomba comum, do tipo conhecido como “cabeça de negro”, e que se surpreendeu quando o projétil saiu voando.

A polícia identificou e prendeu o autor da detonação a partir da descrição que foi feita pelo jovem que portava o morteiro, não pelas fotografias, e fica sem explicação a imagem do homem que aparece nas cenas do protesto, e que certamente não se parece com o jovem esquálido que confessa ter participado do incidente.

Esclarecido que Fábio Raposo, de 22 anos, entregou o rojão a Caio Silva, de 23 anos, desfaz-se a dúvida sobre a dupla autoria, mas surgem questionamentos sobre a anunciada periculosidade dos dois jovens e a eventual participação de uma terceira pessoa. Nos arquivos da polícia, a única coisa que existe é a suspeita, sem provas, de que um deles foi acusado de portar drogas há três anos. O ato que cometeram se aproxima mais da irresponsabilidade, do crime culposo, do que da ideia de uma ação terrorista que excitou o Congresso Nacional.

Da mesma forma, fica registrado o esforço feito pelo jornal O Globo e pela TV Globo para incriminar o deputado Marcelo Freixo, do PSOL, com mais um episódio de manipulação dos fatos por parte da imprensa.

Registre-se também a profusão de artigos, entre eles o texto de autoria de um professor de Ciência Política da USP, que expressam um sentimento de pânico onde se misturam ações do crime organizado, depredações de ônibus e manifestantes mascarados, num retrato de uma sociedade que estaria, segundo essa visão, insatisfeita “com tudo isso que está aí”.

Ora, pode-se afirmar que o mal-estar está presente, de forma generalizada, no ambiente da sociedade midiatizada, mas isso não quer dizer que o mesmo sentimento domina a sociedade real.

O que sai na imprensa é, na melhor das hipóteses, apenas uma versão da realidade.

A mais espetaculosa.

Apelos a mais segurança após morte de operador de câmara em manifestação no Rio

Será a morte de Santiago Andrade um ponto de viragem nos protestos violentos, com uso de projécteis como fogo-de-artifício, destruição de bancos ou incêndio de autocarros?

O momento em que o operador de câmara Santiago Andrade foi atingido por um projéctil DOMINGOS PEIXOTO/AFP

O momento em que o operador de câmara Santiago Andrade foi atingido por um projéctil.                                   Foto DOMINGOS PEIXOTO/AFP

 

por Maria João Guimarães/ Público/ Portugal

 

Santiago Andrade, 49 anos, foi atingido por um projéctil de fogo-de-artifício numa manifestação contra o aumento do preço dos bilhetes de autocarro no Rio de Janeiro na semana passada. A morte do câmara da TV Bandeirantes foi anunciada nesta segunda-feira, levando a uma série de apelos a mais segurança.

Já houve antes vítimas mortais da violência nos protestos – segundo o jornal Globo, sete pessoas morreram, na maioria atropeladas por motoristas irados por estradas cortadas pelos manifestantes. Santiago Andrade foi a primeira vítima da violência dos manifestantes. E numa altura em que o Brasil se prepara para receber, em Junho, o Mundial de Futebol, com as manifestações, que começaram em Junho do ano passado, e se têm vindo a tornar mais pequenas mas mais violentas, começam a levantar-se vozes cada vez mais fortes a dizer que é preciso fazer algo.

“Não é admissível que os protestos democráticos sejam desvirtuados por quem não tem respeito por vidas humanas”, reagiu a Presidente brasileira, numa série de declarações no Twitter. Dilma Rousseff disse ainda que a liberdade de manifestação não pode ser invocada para “matar, ferir, agredir e ameaçar vidas humanas, nem depredar património público. A Presidente disse ainda que o caso, em que já há dois suspeitos identificados – um suspeito de passar o projéctil a outro, suspeito de o ter lançado –, será investigado pela Polícia Federal.

A reacção mais forte de organismos de jornalistas veio da Associação Profissional dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos (Arfoc), que disse que os black blocs (grupo anarquista que tem protagonizado acções violentas) são simplesmente “criminosos, agora assassinos”: “Nós, jornalistas de imagem, exigimos que as autoridades de segurança do estado do Rio de Janeiro instaurem, imediatamente, uma investigação criminal para apurar quem defende, financia e dá apoio jurídico a esse grupo de criminosos, hoje assassinos, intitulados black blocs, que agridem e matam jornalistas e praticam uma série de actos de vandalismo contra o património público e privado.”

Depois desta morte, diz o diário espanhol El País, espera-se que seja aprovada mais rapidamente a lei antiterrorismo – no entanto, o seu promotor, o senador Romero Jucá (Partido do Movimento Democrático Brasileiro – PMDB), declarou que, na sua opinião, esta lei não se aplicaria no caso da morte de Andrade, que considera um homicídio, nem aos danos provocados nas manifestações: “Uma coisa é fazer uma passeata e quebrar um ponto de ônibus, por exemplo. Isso é dano ao património público e não se enquadra como terrorismo no meu projecto de lei.” Este define o crime de terrorismo como “acto de provocar ou infundir terror ou pânico generalizado mediante ofensa à integridade física, à saúde ou à liberdade da pessoa”, com uma pena de 15 a 30 anos de prisão.

Já o secretário da Segurança, José Mariano Beltrame, lembrou um projecto de lei para tipificar o crime de associação para incitamento ou prática de violência que está a ser analisado há três meses pelo Ministério da Justiça. Se tivesse sido aprovado, disse, já não seria possível usar máscaras durante os protestos, nem ser portador de armas ou objectos que possam causar lesão. No caso do operador de câmara morto, o ferimento foi causado por um fogo-de-artifício, vendido livremente.

Manifestantes defendem destruição
O uso de fogo-de-artifício pelos manifestantes nos confrontos com a polícia é cada vez mais frequente, assim como a destruição de bancos ou incêndios de autocarros. Alguns manifestantes acham estas práticas legítimas: “Não é vandalismo”, defendeu Vítor Rocha, um manifestante de 22 anos, ao jornal norte-americano Wall Street Journal. “São actos de repressão contra o capital.”

Ainda no caso concreto da morte de Andrade, o secretário da Segurança disse que se o projecto de lei antiprotestos violentos já tivesse sido aprovado, o primeiro suspeito agora detido, o tatuador Fábio Raposo, acusado de ter o fogo-de-artifício (que terá passado a um segundo suspeito, entretanto também detido), poderia não ter estado em liberdade, mas sim preso, ou a responder a um inquérito judicial por distúrbios noutras ocasiões. “Temos prendido muita gente, foram cerca de 50 na última quinta-feira, mas todos foram soltos”, queixou-se. Com base nos serviços de informação, adiantou Beltrame, espera-se mais violência nas manifestações de Março.

João Trajano, professor de Ciência Política na Universidade do Rio de Janeiro, aponta falhas no trabalho da polícia. “Se tivéssemos serviços de informação competentes, muitas destas pessoas já teriam sido identificadas, porque já houve tantos confrontos”, comenta em declarações ao Wall Street Journal. “Eles estão nas redes sociais, estão a comunicar. O mais importante é identificar estas pessoas e impedi-las de ir a manifestações.”

A família de Santiago Andrade, que anunciou pouco depois do anúncio da morte cerebral do operador de câmara que iria permitir a doação dos seus órgãos, veio pedir que esta morte sirva para que não volte a acontecer nada de semelhante. A mulher, Arlita Andrade, apelou aos manifestantes “que façam coisa pacífica, porque só sendo pacífica a gente consegue as coisas – não adianta esta violência, não leva a nada”.
 

 

O Brasil é o segundo do mundo em número de jornalistas mortos

Omar Turcios

Omar Turcios

O Brasil já registrou em 2013 o assassinato de quatro jornalistas. [Foi pelo menos cinco:  radialista Renato Machado, em 6 de janeiro, em São João da Barra; Mafaldo Bezerra, em 22 de fevereiro, Jaguaribe; jornalista Rodrigo Neto, 8 de março, em Vale do Aço; cinegrafista Gelson Domingos, 3 de abril, no Rio de Janeiro; fotógrafo Walgney Carvalho, 12 de abril, em Coronel Fabriciano .  É o terceiro país com maior número de mortes de profissionais de imprensa no exercício da função, segundo a Campanha Emblema para a Imprensa (PEC, na sigla em inglês), entidade com sede em Genebra e que defende a criação de regras internacionais para proteger jornalistas em zonas de guerra. A liderança é do Paquistão, com nove jornalistas assassinados.

2012: Dobra o número de jornalistas mortos no Brasil

Em dezembro, a instituição divulgou que 11 jornalistas foram assassinados no País em 2012 , quase o dobro de 2011, quando foram registradas 6 mortes. O número de jornalistas mortos no ano passado é a metade do total de mortes nos últimos quatro anos. Desde 2008, 22 jornalistas foram mortos no País.

Recorde pelo mundo

Segundo a instituição, com sede em Genebra, 2012 marcou um número recorde de assassinatos de jornalistas pelo mundo . No total, foram 139 mortes, em 29 países. O número mundial é 30% superior ao de 2011 e representa cerca de duas vítimas a cada semana. Na avaliação da entidade, este foi o ano mais sangrento para os jornalistas desde a Segunda Guerra Mundial. Em cinco anos, foram 569 jornalistas assassinados no mundo. Filipinas e México lideram a tabela.

O conflito na Síria pesou na conta geral. Pelo menos 36 jornalistas foram mortos no país, que vive uma guerra civil. Desses, 13 eram estrangeiros. Na Somália, o número chegou a 19. Já no Paquistão, 12 jornalistas perderam suas vidas. O México, em meio a uma guerra contra o narcotráfico, se iguala aos números do Brasil[ com 4 mortes. Não se iguala, perde]

IG, com Agência Estado

Muitimilionário dono de cartório Maurício Sampaio tá solto ou tá preso? Ele mandou a polícia matar o jornalista Valério Luís

Val_rio_Luis

Não sei em que ficou a investigação do cartório de propriedade de Maurício Sampaio pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ. Um cartório com mil negociatas.

Mas isso é besteira. O que incomodou o tabelião foi a denúncia das relações dele com o bicheiro Cachoeira, via cartolagem no futebol.

É uma tabelinha perigosa. Pra lá de perigosa.

Tabelião Maurício Sampaio

Tabelião Maurício Sampaio

 

O cartório de Maurício Sampaio é o único estabelecimento do Estado de Goiás responsável por registros dos contratos de alienação e arrendamento mercantil de veículos, necessário quando se compra um carro parcelado. “É uma garantia tanto para a concessionária quanto para o comprador”, explica a promotora Villis Marra.

O CNJ, por meio do provimento nº 27/2012, entretanto, proibiu que o cartório repassasse informações diretamente ao Detran relativa aos registros. A Corregedoria apurou que cessaram o procedimento eletrônico, mas o cartório continuou realizando o repasse de certidões impressas. “Recebi denúncias de que os valores cobrados por este serviço estão sendo abusivos e há indícios ainda de que alguns podem ter sido cobrados e nem registrados”, completou Villis.

Escreve Catherine Moraes:O empresário Maurício Sampaio, suspeito de ser o mandante da morte do cronista esportivo Valério Luiz, pode ser investigado por novo inquérito, desta vez, relacionado à prática cartorária irregular. Maurício ocupa a presidência da Associação dos Notários e Registradores do Estado de Goiás (Anoregue-GO), mas o relatório de uma vistoria realizada pela Corregedoria Geral da Justiça de Goiás, iniciada dia 22 de novembro de 2012, no 1º Cartório de Registro de Pessoas Jurídicas, Títulos, Documentos e Protestos da Comarca de Goiânia, de propriedade do empresário, aponta irregularidades diversas que agora estão na foco do Ministério Público Estadual (MP-GO).

outdoor

A inspeção no estabelecimento localizado na Rua 3, no setor Central, foi solicitada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Entre outras pontos, no documento são destacados números conflitantes no Livro Caixa, emissão de notas fiscais para empresas inexistentes e a distorção das verbas do cartório para empreendimentos particulares, como a reforma de uma casa e até realização de serviços para um clube de futebol, o Atlético-GO. “Nunca vi tantas irregularidades em um cartório”, afirma a promotora Villis Marra Gomes, responsável pelo Centro de Apoio Operacional (CAO) do Patrimônio Público, que solicitou novos dados e deve abrir inquérito civil público para analisar o caso. Villis Marra também não descarta a possibilidade de abertura de um inquérito criminal.

A primeira inspeção, no dia 22 de novembro de 2012, foi presidida por José Marcelo Tossi Silva e Gabriel da Silveira Matos, ambos juízes auxiliares da Corregedoria Nacional de Justiça. Tiveram também o acompanhamento de juizes auxiliares, servidores da Corregedoria-Geral da Justiça e do próprio cartório.

De acordo com a assessoria da Corregedoria-Geral da Justiça de Goiás, a inspeção é um procedimento de praxe e foi realizada em vários cartórios da capital pelo CNJ. Afirmou ainda que, depois dessa vistoria, o conselho determinou que nova fiscalização fosse feita pela corregedoria do Estado a fim de que avaliasse os pontos mais críticos.

Pagamento duplo

O relatório de nº 01/2013 faz referência à inspeção realizada pela Corregedoria entre os dias 8 e 11 de janeiro deste ano. O período fiscalizado, entretanto, analisou documentos de cinco anos (2/1/2008 a 30/9/2012). A primeira suposta irregularidade encontrada é da cobrança de despesas relativas a “reparo e manutenção” e “Impressos e Material Gráfico”, cobrados por uma empresa identificada como Thomas Greg & Sons. As empresas seriam responsáveis pelo fornecimento, armazenamento e transporte dos selos de autenticidade usados nos serviços do cartório. O problema é que esta despesa é custeada totalmente pelo Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO).

camiseta1

Notas fiscais

A vistoria constatou ainda diversas notas fiscais emitidas pela empresa de duas sócias que também seriam funcionárias do cartório. A empresa não possui, entretanto, nenhum funcionário cadastrado. “O material precisa ser analisado, mas pode ser que estas empresas funcionassem apenas como laranja, para emissões de nota fiscal”, afirmou a promotora.

Diversas notas fiscais também seriam fornecidas pela empresa “Prátika- Consultorias e Serviços”, referentes a serviços de desenvolvimento e manutenção de sistemas. Em consulta à Receita Federal, entretanto, constatou-se que o endereço que consta no registro da empresa, o mesmo da nota fiscal, não existe. No banco de dados da Receita Federal, foi verificado que a conta está inativa. “Foi omissa na entrega de declarações de pessoa jurídica desde 2006”, consta no documento.

Atlético-GO

O relatório aponta ainda despesas relativas à compra de materiais elétricos e de iluminação destinados não ao cartório, mas ao Atlético Clube Goianiense, clube em que Maurício Sampaio ocupava o cargo de vice-presidente. “Não há relação com a prestação do serviço público delegado. A nota fiscal foi emitida pela empresa Candelustres em nome de Maurício Sampaio”, aponta o documento. A promotora Villis Guerra disse que ainda não conseguiu ler o relatório completo, mas, “pelo que tive conhecimento, é possível ver que as irregularidades existem e precisam ser analisadas. É certo de que a função originária do cartório não era emitir nenhum documento para o Atlético ou sobre compras pessoais”.

Reforma de residência

Segundo a Corregedoria, Maurício realizou ainda a reforma de uma residência como se fosse do cartório, com notas fiscais e dinheiro do estabelecimento. Outras despesas bancárias foram declaradas sem comprovantes. “No livro auxiliar consiste apenas simples anotação de contabilidade sem especificar o tipo de despesa. Não existe nem mesmo o banco que prestou o serviço”, consta no documento.

Processo por improbidade pode levar à perda do cartório
De acordo com a promotora do CAO do Patrimônio Público, Villis Marra, o documento foi despachado para o Ministério Público Estadual (MP-GO) em 18 de janeiro deste ano e chegou às suas mãos no dia 22. Na última segunda-feira (4), ela encaminhou um ofício ao cartório solicitando alguns dados necessários para a investigação. “Como Maurício Sampaio está preso, o substituto deverá providenciar as provas. O prazo é de 15 dias corridos”, completou.

Villis afirma que, após analisar a documentação completa, irá decidir se abre ou não um inquérito civil público. Ela explica que, no caso de Sampaio, o cartório é uma delegação que o tribunal faz a respeito do cartório. “Ele toma conta, mas existe dinheiro público e, no caso de irregularidades, pode responder por improbidade administrativa. Caso o tribunal decida, pode ainda retirar a delegação dele e repassar a outra pessoa. Ele pode perder o cartório. Ainda não li tudo o que precisava, mas, com uma análise superficial, digo que nunca vi tantas irregularidades em um cartório. E olha que trabalho aqui há cinco anos”, garantiu.

Se comprovada a improbidade, Maurício pode ser processado por ação civil pública, terá suspensos os direitos políticos, fica proibido de ser contratado em licitações, pagará multa e deverá reparar o dano com devolução do dinheiro desviado. “Caso haja ainda indícios de crime, posso pedir um inquérito policial. Aí pode responder com prisão”, finalizou.

MAURÍCIO-SAMPAIO-NO-CAMBURÃO