Passe

por El Maria

 

 

El Maria 3

 

A ferida é uma dor
E a dor a consciência da ferida
A ferida é uma passagem
A passagem uma fenda
Fenda pra que passe
Que passe
Que passe
Que passe

 

 

Anúncios

Poesia de El Maria

el maria 3

 

Com minhas linhas de cerol
Fiz uma cerca que cercam alguns pulsos de até criar
De até vingar
Ou até estilar
Ainda eram minhas quando perdi
Ainda eram linhas quando quebrei
Eram suas quando me enrolei
A face das contas que deixei
O verde das plantas que pintei
Não te falei que as marcas da carne
Juntei
Pra trocar por duas moedas
E colocar nos olhos que calei

Aguento as minhas horas corridas
Pra que sejam sentidas como um peso colhido
Lá estão elas
Descem o rio
Cruzam, e descruzam
Elas nunca mais voltam

Não engulo
É gula da boca
O céu é perto
É teto do esperto
Avise lá na casa das rochas brancas que o aluguel aumentou!

Sabe quando não, e nem?
Sim
Quando o chão rala o ventre
E o ventríloquo
Quando os terminais de prazer doem
E as cachoeiras de sangue matam mil afogados
Mil e mil
Eles derretem
Acaba o aperitivo
E a cerveja me espreita da geladeira

 

El Maria

JUNTAS

por El Maria

 

 

carnes tremulas 2

carnes tremulas 3

carnes tremulas 1

 

Eu irei abrir suas juntas Rasgar sua pele E sentir a saliva atravessar como um rio nas margens dos dentes
A dor salgada na espinha
Frio gemido do instante capturado Como presa quente e ruidosa
Causar agonia paralisante Fazer as extremidades congelarem e adormecerem O ventre gritar, e contorcer
As entre anjas Fazer mensuras O peito dar saltos no teto Desossar
Abrir a fonte

 

Pedro Almódovar, Carne Trémula

 

 

Poema de El Maria

El Maria olhos

 

 

Com minhas linhas de cerol Fiz uma cerca que cercam alguns pulsos de até criar
De até vingar
Ou até estilar
Ainda eram minhas quando perdi
Ainda eram linhas quando quebrei
Eram suas quando me enrolei
A face das contas que deixei O verde das plantas que pintei Não te falei que as marcas da carne
Juntei
Pra trocar por duas moedas
E colocar nos olhos que calei

 

 

 

el maria  6 blá