A arte de Paul Delvaux en el Thyssen

El Museo Thyssen-Bornemisza de Madrid presenta ‘Paul Delvaux: paseo por el amor y la muerte’, una exposición para admirar la iconografía de mujeres tumbadas, edificios de corte clásico, trenes y esqueletos que aparecen una y otra vez en la obra del artista

'LA ANUNCIACIÓN', 1955'La Anunciación' (1955), obra de Paul Delvaux. El Museo Thyssen-Bornemisza de Madrid presenta 'Paul Delvaux: paseo por el amor y la muerte', una exposición para admirar la iconografía de mujeres tumbadas, edificios de corte clásico, trenes y esqueletos que aparecen una y otra vez en la obra del artista (Paul Delvaux - © Musée des Beaux-Arts de Charleroi - Foto: Luc Schrobiltgen - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

‘LA ANUNCIACIÓN’, 1955, obra de Paul Delvaux. © Musée des Beaux-Arts de Charleroi – Foto Luc Schrobiltgen – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

'PALACIO EN RUINAS', 1935La influencia de Chirico se palpa en la arquitectura, a la que Delvaux da un tratamiento teatral y cinematográfico. 'Palacio en ruinas' (1935) es su primer trabajo puramente surrealista. La antigua casa señorial, en un paisaje desértico y con una figura femenina abandonada de color piedra, parece producto de un sueño (Paul Delvaux - © Musée d’Ixelles, Bruselas - Foto: Vincent Everarts, Bruselas - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) ▲  Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

‘PALACIO EN RUINAS’, 1935. La influencia de Chirico se palpa en la arquitectura, a la que Delvaux da un tratamiento teatral y cinematográfico. ‘Palacio en ruinas’ (1935) es su primer trabajo puramente surrealista. La antigua casa señorial, en un paisaje desértico y con una figura femenina abandonada de color piedra, parece producto de un sueño (Paul Delvaux – © Musée d’Ixelles, Bruselas – Foto Vincent Everarts, Bruselas – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

3/9'EL RETIRO', 1973'El retiro'  (1973), óleo del artista belga (Paul Delvaux - Colección privada - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

3/9’EL RETIRO’, 1973, óleo del artista belga (Paul Delvaux – Colección privada – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

4/9'LAS AMIGAS', 1940Su relación con las mujeres fue difícil y las muchachas enigmáticas y hermosas que representa juegan el rol de amor platónico. La exposición contiene obras (sobre todo dibujos) en las que hay implícitas o se manifiestan con claridad relaciones lésbicas, algo que algunos expertos relacionan con la decepción del artista con las relaciones heterosexuales (Paul Delvaux - © Musée d’Ixelles, Bruselas - Foto: Vincent Everarts, Bruselas - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

4/9’LAS AMIGAS’, 1940. Su relación con las mujeres fue difícil y las muchachas enigmáticas y hermosas que representa juegan el rol de amor platónico. La exposición contiene obras (sobre todo dibujos) en las que hay implícitas o se manifiestan con claridad relaciones lésbicas, algo que algunos expertos relacionan con la decepción del artista con las relaciones heterosexuales (Paul Delvaux – © Musée d’Ixelles, Bruselas – Foto Vincent Everarts, Bruselas – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

'CRUCIFIXIÓN', 1954Fascinado por la expresividad y la ironía de los huesos, Delvaux realiza versiones de la Pasión de Cristo con esqueletos. Expuesta en 1954 en la Bienal de Venecia, la serie provocó un escándalo sin que el autor lo pretendiera, el cardenal Roncalli (después el Papa Juan XXIII) condenó las obras por herejía (Paul Delvaux - © Musée d’Ixelles, Bruselas - Foto: Vincent Everarts, Bruselas - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

‘CRUCIFIXIÓN’, 1954. Fascinado por la expresividad y la ironía de los huesos, Delvaux realiza versiones de la Pasión de Cristo con esqueletos. Expuesta en 1954 en la Bienal de Venecia, la serie provocó un escándalo sin que el autor lo pretendiera. El cardenal Roncalli (después el Papa Juan XXIII) condenó las obras por herejía (Paul Delvaux – © Musée d’Ixelles, Bruselas – Foto Vincent Everarts, Bruselas – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

6/9'LA EDAD DE HIERRO', 1951 Nacido en una época de pleno desarrollo del ferrocarril, Delvaux a menudo plasmó este símbolo de la modernidad. En los años veinte adoptó la Estación de Luxemburgo en Bruselas como no de sus temas preferidos e incluso trabajó allí pintando al aire libre. En los años cuarenta regresó a los trenes con su técnica ya depurada, combinando las estaciones y los trenes con enigmáticas mujeres (© Mu.Zee, Oostende - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

6/9’LA EDAD DE HIERRO’, 1951. Nacido en una época de pleno desarrollo del ferrocarril, Delvaux a menudo plasmó este símbolo de la modernidad. En los años veinte adoptó la Estación de Luxemburgo en Bruselas como no de sus temas preferidos e incluso trabajó allí pintando al aire libre. En los años cuarenta regresó a los trenes con su técnica ya depurada, combinando las estaciones y los trenes con enigmáticas mujeres (© Mu.Zee, Oostende – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

'LA VENUS DORMIDA I', 1932'La Venus dormida I' (1932), la primera obra de Delvaux con uno de sus motivos más famosos, la Venus yacente (Paul Delvaux - © Musée d’Ixelles, Bruselas - Foto: Vincent Everarts, Bruselas - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

‘LA VENUS DORMIDA I’, 1932, la primera obra de Delvaux con uno de sus motivos más famosos, la Venus yacente (Paul Delvaux – © Musée d’Ixelles, Bruselas – Foto Vincent Everarts, Bruselas – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

'¿EL INCENDIO?', 1935?La segunda parte de '¿El incendio?' (1935). Recientemente se pudo confirmar que el lienzo (hasta hace poco perdido) es la mitad izquierda de otro que el artista cortó antes de exponer ese mismo año. Las dos partes de expusieron juntas por primera vez el año pasado en el Musée d'Ixelles y ahora se pueden ver en la muestra del Museo Thyssen de Madrid (Paul Delvaux - © Musées royaux des Beaux-Arts de Belgique, Bruselas - Foto: J. Geleyns/Ro scan - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) ▲2  Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

‘¿EL INCENDIO?’, 1935? La segunda parte de ‘¿El incendio?’ (1935). Recientemente se pudo confirmar que el lienzo (hasta hace poco perdido) es la mitad izquierda de otro que el artista cortó antes de exponer ese mismo año. Las dos partes de expusieron juntas por primera vez el año pasado en el Musée d’Ixelles y ahora se pueden ver en la muestra del Museo Thyssen de Madrid (Paul Delvaux – © Musées royaux des Beaux-Arts de Belgique, Bruselas – Foto: J. Geleyns/Ro scan – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

9/9'EL INCENDIO', 1935'El incendio' (1935), el cuadro de Delvaux que resultó tener una mitad perdida (© Musées royaux des Beaux-Arts de Belgique, Bruselas - Foto: J. Geleyns/Ro scan - © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015) Ver más en: http://www.20minutos.es/fotos/artes/paul-delvaux-en-el-thyssen-11206/?imagen=7#xtor=AD-15&xts=467263

9/9’EL INCENDIO’, 1935, el cuadro de Delvaux que resultó tener una mitad perdida (© Musées royaux des Beaux-Arts de Belgique, Bruselas – Foto J. Geleyns/Ro scan – © Paul Delvaux, VEGAP, Madrid, 2015)

FOTOGALERIA, 20 Minutos, Espanha

O Evangelho segundo a Época

A revista Época publica “O Cristo dos textos rejeitados pela Igreja toma o lugar do Messias dos Evangelhos”, de Antonio Gonçalves Filho, com o seguinte resumo:

“Jesus segundo os apócrifos
As heresias contadas pelos evangelhos rejeitados pela Igreja

Virgindade de Maria
Maria teria apenas 12 anos quando casou. José desconfiou de sua traição, achando que ela poderia ter perdido a virgindade.

Natividade
O menino Jesus seria filho ilegítimo de um soldado romano e não teria nascido em Belém, mas em Nazaré. Sem reis magos.

Jesus criança
Seria travesso e temperamental. Teria matado um amiguinho que esbarrara em seu corpo, ressuscitando o garoto em seguida.

Os discípulos
Alguns seriam misóginos e detestavam Madalena, que sempre estava ao lado do mestre e é retratada como sua amante.

Crucificação
Outro teria sido crucificado. Seguidores de Jesus não poderiam resgatar o corpo porque era impuro tocar cadáveres na Páscoa”.

 

Maria Madalena, obra de Gregor Erhart. Louvre.

Maria Madalena, obra de Gregor Erhart. Louvre.

Não discuto o sensacionalismo, e sim o desconhecimento dos apócrifos. Maria não casou com 12 anos. Ela foi confiada a José, porque não podia menstruar no templo. Como ficou grávida, quando tinha 15 anos, José devia uma justificação. Ele sabia que não era o pai. Está nos evangelhos canônicos e nos apócrifos.

In a História de José, o carpinteiro: IV. Bodas de Maria e José. 1. “Convocaram então as tribos de Judá e escolheram entre elas doze homens correspondendo ao número das doze tribos. 2. A sorte recaiu sobre o bom velho José, meu pai segundo a carne. 3. Disseram, então, os sacerdotes à minha mãe, a Virgem: `Vai com José e permanece submissa a ele até que chegue a hora de celebrar teu matrimônio”.

Madalena era considerada uma discípula. Isso diferenciava Jesus dos outros judeus. A comensalidade, e andar acompanhado de mulheres.

Maria engravidada por um soldado romano foi uma versão levantada pelos judeus, na Idade Média. A origem e fontes dessa contrapropaganda religiosa está bem documentada por John P. Meier in Um Judeu Marginal (são vários volumes, que Antonio Gonçalves não leu). Aliás, os apócrifos defendem a virgindade de Maria, com mais ênfase que os canônicos.

O cristianismo é uma religião de origem israelita. O Novo Testamento é uma continuação do Antigo. E todos com diferentes seitas. No século IV, os romanos temeram o crescimento do cristianismo. Maximiniana Maza fez publicar várias acusações contra os cristãos.

Vale acrescentar que para muitos judeus, Jesus nunca existiu. Maomé, que tem Jesus (Isa) como profeta, acreditava que Jesus foi retirado vivo da cruz.

Gonçalves assistiu o filme Código da Vinci e ficou impressionado. Não sabe que constitui um enredo que ganhou nova embalagem. No livro O Sangue Real e o Santo Graal já aparece a história do filho de Jesus com Madalena. Em Jesus, o Homem, Barbara Thieling fala de três filhos. Madalena jamais foi considerada uma amante.

Para quem gosta de escândalos: No Evangelho de São Tomás, fica explícita uma relação amorosa com Salomé. Thieling informa que Jesus se divorciou de Maria Madalena para casar com a bispa Lídia.

E a mulher que Jesus livrou do apedrejamento não era nenhuma das três Madalenas citadas no Novo Testamento.

Outro besterol: os apóstolos misóginos. O único que não casou foi João, o Evangelista. Antonio Piñero, citado por Antonio Gonçalves Filho, escreve in O Outro Jesus: “Tanto pelos documentos canônicos quanto pelos documentos que são a base deste história (os apócrifos), sabemos que Jesus passou sua vida pública rodeado por mulheres. Isso não era comum entre os escribas, legistas e rabinos do século I na Palestina, onde as mulheres não tinham acesso ao estudo da Lei, à pregação da sinagoga, nem à participação em atos públicos”.

A volta do homem religioso

Desde meados do século passado, nos meios intelectuais, fala-se da volta do homem religioso. Inclusive como estudo principal da filosofia. Escreve René Girard: a violência é o alicerce de toda sociedade; o ritual religioso é o alicerce de toda cultura; a Revelação cristã alterou radicalmente esses fundamentos, substituindo a violência pelo Amor.

Ensina Girard: a violência é criada pelo desejo mimético, a imitação; nós só desejamos aquilo que o outro deseja. Mais perto de nós, na sociedade de consumo, são os nossos vizinhos que indicam o objeto que, por imitação, desejaremos. Esse desejo mimético é explorado pela publicidade. Da mesma maneira que descaracteriza o Natal, transformando-o em uma feira de objetos descartáveis.

Todas as páginas na revista Época estão dedicadas ao mercado de consumo. Em entrevista a Guy Sorman (Os verdadeiros Pensadores do Nosso Tempo), diz Girard: A questão fundamental que se apresenta a toda a sociedade é canalizar o desejo mimético e a violência que ela acarreta. Como? “Fazendo desviar essa violência para um inocente: o bode expiatório. É o sacrifício do bode expiatório que vai deter a crise”.

Escreve Sorman: “No sistema de Girard, o Novo Testamento nos fornece a chave do código universal das civilizações. Enquanto, há três séculos, a ciência se obstinava em reduzir a religião a interesses, medos, ignorância, Girard nos diz que os Evangelhos explicam cientificamente toda a história humana. E é ainda a partir dos Evangelhos que, segundo ele, a história evolui. Pois Jesus não é um bode expiatório igual aos outros? Vítima inocente e bode expiatório voluntário, ele próprio se autodesignou. Sua morte significa e anuncia que, depois d’Ele, o próprio mecanismo do sacrifício, da unidade social fundada na violência, não funciona mais. A crucificação é o ultimo dos sacrifícios que torna todo sacrifício absurdo”.

Na entrevista a Sorman: “Nesta nova `necessidade´da história que se aproxima do fim dos tempos, a arma nuclear ocupa, para Girard, um lugar especial, já que doravante ela torna a violência quase impossível. Não seria ela a última etapa antes que os homens abram realmente os olhos e substituam a lógica da violência pela necessidade do perdão, como lhes pede o Cristo?”

O real e a visão do futuro: a fala profética

Em 1981, Michel Serres concedeu entrevista ao Le Monde. Pergunta Jean-Claude Guillebaud: – O Senhor diz que os filósofos devem salvar o conhecimento com um ato fundador. Mas para fazer o que com isso?
Serres: – O conhecimento estava de tal forma misturado ao poder e à violência, que o fim dessa história foi Hiroshima. E ainda é Hiroshima. Ora, se há desafios na cultura, na filosofia, é no sentido de descobrir as condições de algo que vá além dessa data de vencimento, sempre adiada mais alguns milímetros. Nossa história é esse prazo de Hiroshima. Que é que fazem os políticos atualmente? (…) Por que eu sou filósofo? Por causa de Hiroshima, sem dúvida nenhuma. Hiroshima foi o ato inaugural que organizou toda a minha vida e que me fez dizer: vou retirar-me sempre diante da violência para tentar pensar e agir de outra forma.

Guillebaud: – Seus textos e suas expressões estão sempre repletos de referências evangélicas. No entanto o senhor nunca afirma ser cristão.
Serres: – Acredito fundamentalmente que, em matéria de antropologia, é a história das religiões que têm os conteúdos mais concretos, carnais, globais. (…) Por outro lado, não sei bem o que quer dizer `crer´, `crença´, `fé´… Gostaria realmente de saber, mas não sei.

Escrevi em 23/12/2006. Transcrito do meu blogue Jornalismo de Cordel in Comunique-se

OS CRIMES DE JESUS

por Talis Andrade

Giotto_Kiss_of_Judas_scrovegni

Desde o princípio
hoje e sempre
governa o Império
pela legenda do medo

Acusado da pretensão de ser
Rei dos Judeus
Jesus foi investigado
pelos suseranos vassalos
pelos vendedores do Templo
traído
humilhado
preso
torturado
julgado
e crucificado

Para os romanos
nunca existiu outro crime
senão o da subversão
Jesus representava
o perigo da revolta
e da libertação

Todo Império um só
Jesus continua sendo muitos
os pobres de espírito
os enlutados
os pacíficos
os que têm fome e sede de justiça
os misericordiosos
os que têm o coração puro
os promotores da paz
os que sofrem persecuções por causa da justiça
os que por seguir Jesus são injuriados
e perseguidos
e caluniosamente recebem o mal

os que são o sal da terra

 


Ilustração Giotto di Bondone: Beso de Judas (fresco en la Capilla Scrovegni)

O dinheiro é o anti-Deus, porque cria um universo espiritual alternativo, muda o objeto das virtudes teologais. Fé, esperança e caridade deixam de estar colocadas em Deus, mas no dinheiro. O apego ao dinheiro é a raiz de todos os males”

 

indignados-rico-banqueiro-corrupto

 

O Papa Francisco presidiu, na tarde desta Sexta-feira Santa, na Basílica Vaticana à celebração da Paixão do Senhor, com o rito da Adoração da Cruz, que caracteriza esta celebração. Como habitualmente nesta ocasião, a homilia foi feita pelo pregador da Casa Pontifícia, Padre Raniero Cantalamessa. O Padre capuchinho centrou a sua homilia na figura de Judas afirmando, desde logo, que este não tinha nascido traidor e não o era quando foi escolhido por Jesus mas tornou-se como tal! Estamos diante de um dos dramas mais obscuros da liberdade humana. Por que se tornou Judas num traidor?” – perguntou o Padre Cantalamessa.

Recordou ainda que durante muitos anos tentou-se dar ao gesto de Judas motivações idealistas como se Judas estivesse desapontado com a maneira com que Jesus realizou a sua ideia do “reino de Deus”. Os Evangelhos falam de um motivo muito mais terra-terra – observou o Padre Cantalamessa: o dinheiro. Judas tinha a responsabilidade da bolsa comum do grupo; na ocasião da unção em Betânia tinha protestado contra o desperdício do perfume precioso derramado por Maria aos pés de Jesus, não porque se preocupasse pelos pobres, assinala S. João, mas porque “era um ladrão e, como tinha a bolsa, tirava o que se colocava lá dentro”(Jo 12, 6). A sua proposta aos chefes dos sacerdotes é explícita: “Quanto estão dispostos a dar-me, se o entregar? E eles fixaram a soma de trinta moedas de prata” (Mt 26, 15).

Mas porquê maravilhar-se desta explicação e achar que ela é banal? Não foi quase sempre assim na história e não é ainda assim hoje em dia? O dinheiro, não é um dos muitos ídolos; é o ídolo por excelência; literalmente, “o ídolo por antonomasia”.

O dinheiro é o anti-Deus, porque cria um universo espiritual alternativo, muda o objeto das virtudes teologais. Fé, esperança e caridade deixam de estar colocadas em Deus, mas no dinheiro. O apego ao dinheiro é a raiz de todos os males” – afirmou o Padre Cantalamessa. É a relação com o dinheiro que está por detrás do tráfico de drogas que destrói tantas vidas humanas, a exploração da prostituição, o fenómeno das várias máfias, a corrupção política, o fabrico e comercialização de armas, e até mesmo a venda de órgãos humanos:

“E a crise financeira que o mundo atravessou e que este país ainda está atravessando, não é, em grande parte, devida à “deplorável ganância por dinheiro”, o auri sacra fames, de alguns poucos? Judas começou roubando dinheiro da bolsa comum. Isso não diz nada a certos administradores do dinheiro público?”

“Mas sem pensar nesses modos criminosos de ganhar dinheiro, não será escandaloso que alguns recebam salários e pensões cem vezes maiores do que aqueles que trabalham nas suas casas, e que levantem logo a voz só com a ameaça de ter que renunciar a algo, em vista de uma maior justiça social?”
“Homens colocados em lugares de responsabilidade que já não sabiam em qual banco ou paraíso fiscal acumular os proventos da sua corrupção, acabaram no banco dos acusados, ou na cela da uma prisão, precisamente quando estavam para dizer a si próprios: ‘agora goza, alma minha’. Para quem é que o fizeram? Valia a pena? Fizeram verdadeiramente o bem dos filhos e da família, se era isto que procuravam? Ou não se terão arruinado e aos outros? O deus do dinheiro encarrega-se de punir ele próprio os seus adoradores.”

A traição de Jesus continua na história. Mas seria demasiado fácil pensar só nos casos clamorosos ou nos gestos feitos por outros. O padre Cantalamessa fez exemplos concretos:

“Trai Cristo quem trai a própria mulher ou o próprio marido. Trai Jesus o ministro de Deus infiel à sua condição que em vez de pastorear o seu rebanho pastoreia-se a si próprio. Trai Jesus quem quer que traia a sua própria consciência.”

Judas depois de ter reconhecido de ter entregue sangue inocente enforcou-se. Qual terá sido o seu destino eterno – perguntou-se o Padre Cantalamessa – convidando a não darmos um juízo apressado. Jesus nunca abandonou Judas – sublinhou – e ninguém sabe onde é que ele caiu quando se lançou da árvore com a corda ao pescoço. Como Jesus procurou o rosto de Pedro depois da sua negação para dar-lhe o perdão, quem sabe como terá procurado também a face de Judas em qualquer curva da sua via sacra! – observou o Padre Cantalamessa que concluiu a sua homilia afirmando que Pedro teve confiança na misericórdia de Cristo e Judas não! O seu grande pecado não foi trair Jesus mas duvidar da sua misericórdia:

“Existe um sacramento no qual é possível fazer uma experiência segura da misericórdia de Cristo: o sacramento da reconciliação. Como é belo este sacramento! É doce experimentar Jesus como Mestre, como Senhor, mas ainda mais doce experimentá-lo como Redentor: como aquele que te tira para fora do abismo, como Pedro no mar, que te toca, como fez com o leproso e te diz: Quero-o, sejas purificado.”

indignados dinheiro livre

MENTE INSANA E A CRUXIFICAÇÃO

Jo Weronyka

Jo Weronyka

Ensina-me a viver
Ensina-me  a amar…..
Ensina-me  a não me odiar
Quando quero me perder
quando anseio não ser
o que sei ser !
quando algo perdido no espaço
era apenas um traço de compasso,
ao chegar aos redemoinhos das reviravoltas,
de onde escalei caminhos…
que até a mim se sobre saíram
as aguas de um moinho
que jogavam-me para os lados
com a magnitude da incoerencia,
meus atos que não eram inconsequencia
de um arquétipo de falsa amplitude,
e nada era o que supostamente era
aventuras da desvairada juventude,
o que já era nada do que era
um rascunho a procuro de seu próprio punho….
ao transcender os cortes
de uma má sorte
iluminava como a morte,
em devaneios fanstasmas
de uma mágoa cansada
ao misto da dor e prazer
era o que talvez era
antes de me perder,
e sucumbir nas areias do deserto
e tudo se convidava ao incerto
e tuas mãos me faltaram
quando as lágrimas em mim rolaram,
e os espinhos me sangraram
entre a verdade e a mentira
entre um suspiro e um gemido
sua presença se espalhou….
o que tua lei encerrou
porque seu toque me faltou
ao enterro a beira da sepultura
o que seria mais uma tortura?
ou o começo da loucura?

JO. WERONYKA