RECADO PARA A PRESIDENTA DO POVO BRASILEIRO

 

Dilma tem que falar para a Nação. Toda vez que necessário. Para defender o seu mandato.

Responder cada infâmia dos golpistas.

Explicar ao povo o que é pedalada. Porquê a pedalada é necessária. E nomear quais os benefícios urgentes de uma pedalada. Quais projetos e programas sociais precisaram do dinheiro das pedaladas.

Que considera o dinheiro enviado para o povo tão importante, ou mais, que o enviado, todo mês, para os gastos da Câmara dos Deputados, do Senado Federal, e da Justiça Federal.

Tem que falar em cadeia nacional, através de todas as televisões e emissoras de rádio, que são concessões do Governo.

Tem que falar já .

E ir para as ruas com o Povo, a voz de Deus.

“Novas formas de pobreza e fragilidade”

Combater a cultura da morte

 

 

 Cristian Topan

Cristian Topan

 

«Combater a cultura da morte», protegendo e amando a vida desde o seu início até ao seu fim natural. Com esta exortação, o Papa Francisco dirige-se aos católicos do Reino Unido e da Irlanda no domingo 27 de Julho, de celebração anual do Dia da Vida.

Numa mensagem assinada pelo cardeal secretário de Estado Pietro Parolin, o Pontífice convida as comunidades e em particular os jovens dos países destinatários — ingleses, escoceses, galeses e irlandeses — a trabalhar «para garantir uma tutela legal adequada do direito humano fundamental à vida». E para o fazer, esclarece citando a Evangelii gaudium, é preciso procurar «levar o amor misericordioso de Cristo como um bálsamo que dá vida», onde persistem «as preocupantes “novas formas de pobreza e fragilidade”, cada vez mais evidentes na sociedade contemporânea»

Estas novas formas de pobreza, infelizmente, não foram debatidas na campanha presidencial brasileira. Mas foi esse combate que decidiu o pleito, contra o retrocesso proposto pela dupla Aécio Neves e Armínio Fraga.

 

indignados pobreza itália 500 euros

 

Miro extrañado cómo muchos empresarios quieren volver al pasado

Vamos con Dilma

 

544917ea739fd_ vida tucana

 

por Francisco dos Reis/ El Mundo *


¿Qué está en juego en las elecciones del próximo domingo? La profundización de la mayor justicia distributiva que tuvo Brasil en todos los tiempos, del Brasil que en diez años se convirtió en potencia, referente internacional y en uno de los motores de la construcción de la Patria Grande. Dilma es este presente, una de las garantes de la continuidad de la construcción de una Latinoamérica integrada. Aécio Neves es Fernando Henrique Cardozo, que ya fue presidente de Brasil y que solo logró incorporar a la clase media a cinco millones de brasileños, mientras que estos diez últimos años el gobierno del PT, con Lula primero y su continuidad en Dilma, incluyó a 50 millones de brasileños a los sectores medios.

Tuve la suerte de conocer a Lula, Marco Aurelio García y a una gran cantidad de dirigentes del PT. Trabajé junto con ellos en las campañas electorales como dirigente empresario pyme, y con un conjunto de compañeros empresarios de Brasil. Con orgullo en ese proceso largo y complejo, que estábamos construyendo no solamente a partir de mis convicciones y la contribución de las organizaciones pyme de Brasil. Hoy, a la distancia, siento que no me equivoqué. No fue un trabajo en vano. El resultado de mi acompañamiento como presidente de Alampyme dio su fruto. Contribuimos desde los intereses del sector, porque representan a los más débiles de la economía.

Pero hoy miro extrañado cómo muchos empresarios quieren volver al pasado, un pasado tan cercano como para perder la memoria. Que cuestionan el espíritu de los proyectos de inclusión, que fueron profundamente humanistas. ¿Qué les ocurre a estos empresarios para que algo tan simple no se entienda? Algo tan sencillo como lo es incluir, demandar, consumir y agrandar el mercado.

Que falta mucho, que es justo quejarse, reclamar y aspirar a más, no tengo dudas, pero Aécio Neves no es la solución. Viene a cambiar el formato político de los últimos diez años de Brasil. Lo dice en sus discursos, no es antojadiza mi interpretación.

Estos últimos años pusieron a Brasil en el centro de la escena y, junto con la Argentina, no solo fueron los motores de la integración, del intercambio comercial ambicioso para nuestros países, sino también contribuyeron a tomar distancia –junto con el resto de los países de América latina– de los centros del poder global.

Mi participación en actos en distintas zonas de Brasil en respaldo a Lula fue un enorme placer y una militancia resultante. Hoy, las circunstancias me ponen más cerca que nunca del PT, de mis compañeros. Mi compromiso sigue allí, mi espíritu de solidaridad permanece íntegro con los hermanos brasileños y con Dilma, para que el PT continúe en la profundización del proceso político, llevando a Brasil y a nuestra América latina a la unión. Mis mejores deseos por Dilma, el PT y el pueblo brasileño.

* Presidente de la CEEN y Alampyme.

 

peixe tubarão povo pobre

Eleitores de Aécio Neves citam beleza de Letícia Weber como justificativa de voto

beleza

Portal Ig = As eleições dominaram as redes sociais e os chamados memes, que ganharam fama pelas inteligentes sátiras com o dia a dia e trejeitos dos candidatos, viraram plataformas para o discurso do ódio no entorno da disputa presidencial. A última e triste campanha de milhares na internet defende o voto por “gente linda no poder”, usando o casal Aécio Neves, candidato do PSDB, e a possível primeira-dama e ex-modelo Letícia Weber como acessório de beleza ao Palácio do Planalto.

“Chega de feiura! Queremos gente linda no Planalto”, defende a postagem de Handel Araujo, que exibe em seu perfil do Facebook centenas de memes do tipo. Publicada no dia 3 de outubro, dois dias antes do primeiro turno das eleições, o post recebeu 3.327 compartilhamentos e ganhou aplausos de outros eleitores, que comemoravam “uma primeira-dama à altura do Brasil”.

Em outras situações, eleitores exaltam ainda o lado “conquistador” de Aécio, chamado de “herói nacional” pelo seu histórico de relacionamentos amorosos com belas mulheres da televisão brasileira, como a atriz Ana Paula Arósio, a modelo Gisele Bündchen e a ex-miss Brasil Natália Guimarães. “Se a nossa presidente é feia que dá até pena, o provável rival dela nas eleições deste ano já passou o rodo em dez beldades de dar inveja até em artistas globais”, defende o usuário como argumento de voto. Muitos encerram suas discussões nas redes apostando em eleger o candidato que teria uma vida sexual ativa, pois “quem transa governa melhor”.

.
A Intolerância nas redes

.
As eleições 2014 ficaram marcadas pelas participações das redes sociais, que muitas vezes chocaram pelo seu conteúdo de ódio, provocando até possíveis processos na Justiça contra crime de xenofobia e racismo. É o caso da onda de manifestações contra nordestinos e eleitores do PT, classificados como “pobres menos informados” pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso logo após os resultados do primeiro turno, que definiu a disputa pela Presidência entre Aécio e Dilma.

excluído dia

bolsa partido

perola-bolsafamiliaxempregos

OS FEIOS NORDESTINOS BOAS-VIDAS

OS FEIOS NORDESTINOS BOAS-VIDAS

.
O comentário aumentou a disputa partidária dentro do País, criou um cenário “nós contra eles” e incentivou o ódio ao PT, gerando um surto de mensagens preconceituosas contra nordestinos, nortistas, negros e beneficiários dos programas sociais do governo federal. Uma das manifestações mais polêmicas foi a comunidade “Dignidade Médica”, hospedada no Facebook, que pregou um “holocausto contra nordestinos”. O grupo foi revelado pelo iG e reúne quase 100 mil usuários que se declaram da classe médica brasileira.

.
Na mesma semana, a Procuradoria Geral da República (PGR) abriu uma frente de investigação e recebeu 85 denúncias de atos de preconceito contra nordestinos pela internet. As acusações são analisadas pela Procuradoria da República do Distrito Federal (PRDF), que pode instaurar um procedimento investigatório. Autores de posts discriminatórios estão passíveis de responder pelo crime de racismo. O delito é previsto no art. 20 da Lei 7.716/89 e pode render a pena de dois a cinco anos, mais multa. Além do racismo, internautas podem ser autuados em crimes de incitação pública à prática de ato criminoso, com pena de prisão de 3 a 6 meses, mais multa.
“Preconceito está entranhado na sociedade”

.
Em entrevista ao iG, a psicóloga Luciana Ruffo, especialista do Núcleo de Pesquisas e Psicologia em Informática da PUC-SP, avaliou o comportamento do brasileiro nas redes sociais após os ataques aos nordestinos. Para ela, a interação online encoraja e valida opiniões como uma espécie de palanque na internet. A fantasia do anonimato, a desinformação de que poderá responder criminalmente pelo conteúdo com o rastreio do IP (endereço eletrônico) e a certeza de impunidade estimulam o compartilhamento de opiniões preconceituosas e racistas. “As pessoas se sentem mais corajosas para falar grandes absurdos”, disse na ocasião.

.
Luciana aponta ainda que os preconceitos diários estão longe de ser exclusivos das redes sociais ou mesmo do período eleitoral. “Comentários preconceituosos ocorrem diariamente, é algo entranhado na sociedade e acontece em grupos de pessoas que compartilham a mesma ideia. Mas quando cai na web, outros tomam consciência e gera uma repercussão enorme”, analisa a psicóloga, que classifica as denúncias como consequência positiva da convivência entre diferentes classes sociais.
Heltron Xavier · Médico Anestesiologista na empresa Skopia Clínica
E quem é que gosta de gente feia gente? Ora, processem os jornais, as empresas de marketing, as recepcionistas, as agencias de modelos e todo o mais. Faz parte da figura pública, faz parte do ser humano gostar e admirar a beleza. Agora é proibido gostar mais de mulheres bonitas?

Captura de tela

nao

Bahia, um dos celeiros de votos do PT

* Dilma Rousseff confia no poder de seu partido em Estados como este
* Quase metade das famílias baianas recebe ajuda estatal

 

Dilma, em campanha em Salvador no dia 9 / DARIO G. NETO (EFE)

Dilma, em campanha em Salvador no dia 9 / DARIO G. NETO (EFE)

 

por Antonio Jiménez Barca/ El País/ Espanha

Reginaldo Pereira indica onde estacionar na praça de Lauro de Freitas (BA), a cerca de 20 quilômetros de Salvador. Leva no peito um crachá que o habilita como guardador municipal homologado. Tem 43 anos, é pardo, de cabelo curto e enrolado, pobre. Há pouco tempo se divorciou e se viu na rua. Sua mulher e sua filha ficaram com o barraco e com a subvenção familiar de 92 reais, o Bolsa Família. Ele foi dormir em um parque. Fala com confusão de sua vida, mas tem clareza quando é indagado em quem vai votar no próximo turno das eleições, em 26 de outubro: se na presidente Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), ou no mais conservador Aécio Neves, do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). “Escute, fico arrepiado ao pensar na Dilma. E no Lula. Ele foi o primeiro a se lembrar dos pobres. Por isso sou fiel ao PT. Eles me tiraram da miséria. Me tiraram da rua. Moro em um quarto alugado com o programa Bolsa Moradia. Pago só 65 reais. Meu filho recebe uma ajuda. E estou prestes a ter uma casa que me darão daqui a alguns anos. Me dá vontade de chorar quando penso em tudo isso”.

O Estado da Bahia é uma mancha vermelha no mapa eleitoral, da cor do Partido dos Trabalhadores. Como todo o Nordeste, composto por nove Estados (alguns do tamanho da Espanha), a parte mais pobre e atrasada do país, a de piores índices de educação. É aqui onde Rousseff mantém o imenso celeiro de votos que lhe permite chegar ao segundo turno no próximo domingo com expectativas. Que lhe permite caminhar nas pesquisas ao lado de Neves, que recebe mais apoio, por exemplo, em São Paulo. Na Bahia, no primeiro turno, 41% dos eleitores votaram em Rousseff, contra 33% dos votos para Neves. E tudo indica que os votos restantes, os da terceira colocada na disputa, Marina Silva, também irão para o PT.

O taxista John Lennon (que, na realidade também se chama Reginaldo, mas insiste no apelido recebido há 40 anos por causa dos óculos redondos) afirma que todos esses votos são clientelistas: “É por causa do Bolsa Família. Aqui todo o mundo vota no PT por isso. Tem muito pobre que se conforma e que depois não quer trabalhar. Eu vou de Aécio”. O Bolsa Família, que ajuda mães ou casais sem recursos e com filhos, é o programa social mais amplo do Brasil. Quanto mais filhos, maior a quantia, que oscila entre os 30 e 300 reais, aproximadamente. E na Bahia, quase metade das famílias (42,7%) recebe o auxílio, o dobro da proporção no resto do país.

Por isso não é estranho que o Bolsa Família se torne um importante assunto eleitoral. O mesmo Neves, que afirma que não vai retirar o programa, argumenta que o Bolsa Família deve ser “um ponto de partida e não a linha de chegada”. Rousseff, simplesmente, lembra que graças aos 12 anos do Governo do PT, a miséria se reduziu no país. Não é raro que os seguidores do PT recorram a uma frase definitiva: “Hoje já não se passa fome no Brasil”.

A 30 quilômetros de Salvador, três mulheres esperam por um ônibus que parece que nunca vai chegar. Não muito longe fica uma praia paradisíaca onde Janes Joplin se refugiou em seus tempos de hippie. Nem muito longe tampouco, nessa brutalidade de contrastes que o Brasil oferece, está uma das favelas mais perigosas da região, apelidada (não se sabe por quem) de “Planeta dos Macacos”. A mais velhas das três mulheres, Josefa, tem 48 anos, apesar de aparentar 60: “Graças a Lula tenho casa, comida e uma moto”. A filha, Jacobina, de 29 anos, faxineira diarista, com dois filhos, recebe 147 reais do Bolsa-Família; seu marido, cego, também recebe uma subvenção e confessa que sempre votará no PT. A terceira mulher, Leneovígia, permanece calada e apenas observa. Depois diz: “Eu também recebo o Bolsa Família por causa da minha filha, mas gostaria de não receber. Trabalho cuidando de idosos, tenho diploma, e o que quero é um contrato de trabalho, não uma esmola. Estou cansada de que nos calem a nós, pobres, com esmolas”.

Já em Salvador, no bairro popular de São Cristóvão, Eijane, de 29 anos, que tem quatro filhos, se joga no sofá de seu barraco olhando para um pequeno ventilador que gira desesperadamente sem aliviar em nada o calor. Ao lado, uma televisão grande e moderna. Ela também recebe o Bolsa Família, cerca de 300 reais por mês, e também votará no PT, apesar de dar de ombros quando se pergunta o motivo. Uma de suas filhas, Taimara, de oito anos, chega da escola. Uma das condições para o auxílio é que as crianças frequentem as aulas assiduamente. A menina, sorridente e alerta, diz que quer ser médica ou enfermeira. A mãe, esgotada e morta de calor, responde ao vento, sem olhar para a filha: “Não temos recursos para sermos alguém na vida”.

“Quem ergueu São Paulo? Nós, os do Nordeste do Brasil”

 

A Igreja do Rosário dos Pretos.

Igreja Rosário dos Pretos. Clique nas fotografias para ampliar

Igreja Rosário dos Pretos. Clique nas fotografias para ampliar

Na preciosa igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no coração de Salvador (BA), Antônio Nicanor, negro, baiano, católico, simpático e falante, aponta com o dedo para o solo: “Olhe, aqui em baixo, onde você pisa, está enterrado um irmão negro há mais de 300 anos.

Na época não tinham onde cair mortos. Por isso eram enterrados aqui, no único terreno que tinham, na igreja dos negros”. Nicanor pertence à Irmandade dos Homens Pretos, uma confraria criada no século XVI para abrigar a religiosidade dos escravos brasileiros, trazidos da África, que não podiam frequentar as mesmas igrejas que os seus senhores. Nicanor continua falando: “Na Bahia, 80% da população é negra, mas muito poucos cargos importantes são para os negros. Já não há escravidão, mas há uma grande desigualdade”.

O culto é católico, mas tem certa influência africana em alguns rituais, em algumas práticas que provêm do candomblé, religião com origem na África que ainda se pratica no Brasil e, principalmente, com a alegria, o ritmo e a musicalidade que atravessam toda a cerimônia. A missa é cantada durante a maior parte do tempo. No fundo, uma dupla de percussionistas se encarrega de marcar um compasso que chega até o sacerdote, vestido com uma batina verde. Nicanor continua: “Em São Paulo acusam os do Nordeste (composto por nove Estados, incluída a Bahia) de preguiçosos. Mas fomos nós, nossos migrantes, os que ergueram São Paulo. Não somos desocupados. Somos alegres. Não somos preguiçosos. Só sabemos viver de outra maneira”. Em seguida, conclui: “Antes enterrávamos os irmãos mais pobres. Agora, olhe: ali no primeiro andar da igreja damos aulas grátis de informática para os irmãos mais pobres”.

 

Recado do Papa para os jovens: “Nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar”

Niños se acercan a Francisco en un favela de Río. / YASUYOSHI CHIBA (AFP)

Niños se acercan a Francisco en un favela de Río. / YASUYOSHI CHIBA (AFP)

A visita do Papa Francisco a uma favela do Rio é destaque na imprensa internacional. Informa El País, Espanha: “O Papa avalia a luta dos indignados. O pontífice anima os jovens à  protestar contra a corrupção.  O Papa, até que enfim, chegou à periferia”.

Disse o Papa: Que bom poder estar com vocês aqui! 

Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida: como diz o ditado, sempre se pode “colocar mais água no feijão”! E vocês fazem isto com amor, mostrando que a verdadeira riqueza não está nas coisas, mas no coração! E povo brasileiro, sobretudo as pessoas mais simples, pode dar para o mundo uma grande lição de solidariedade, que é uma palavra frequentemente esquecida ou silenciada, porque é incômoda.

A fala de Francisco:

Queridos irmãos e irmãs,

Que bom poder estar com vocês aqui! Desde o início, quando planejava a minha visita ao Brasil, o meu desejo era poder visitar todos os bairros deste País. Queria bater em cada porta, dizer “bom dia”, pedir um copo de água fresca, beber um “cafezinho”, falar como a amigos de casa, ouvir o coração de cada um, dos pais, dos filhos, dos avós… Mas o Brasil é
tão grande! Não é possível bater em todas as portas! Então escolhi vir aqui, visitar a Comunidade de vocês que hoje representa todos os bairros do Brasil. Como é bom ser bem acolhido, com amor, generosidade, alegria! Basta ver como vocês decoraram as ruas da Comunidade; isso é também um sinal do carinho que nasce do coração de vocês, do coração dos brasileiros, que está em festa! Muito obrigado a cada um de vocês pela linda acolhida! Agradeço a Dom Orani Tempesta e ao casal Rangler e Joana pelas suas belas palavras.

Desde o primeiro instante em que toquei as terras brasileiras e também aqui junto de vocês, me sinto acolhido. E é importante saber acolher; é algo mais bonito que qualquer enfeite ou decoração. Isso é assim porque quando somos generosos acolhendo uma pessoa e partilhamos algo com ela – um pouco de comida, um lugar na nossa casa, o nosso tempo –
não ficamos mais pobres, mas enriquecemos. Sei bem que quando alguém que precisa comer bate na sua porta, vocês sempre dão um jeito de compartilhar a comida: como diz o ditado, sempre se pode “colocar mais água no feijão”! E vocês fazem isto com amor, mostrando que a verdadeira riqueza não está nas coisas, mas no coração! E povo brasileiro, sobretudo as pessoas mais simples, pode dar para o mundo uma grande lição de solidariedade, que é uma palavra frequentemente esquecida ou silenciada, porque é incômoda. Queria lançar um apelo a todos os que possuem mais recursos, às autoridades públicas e a todas as pessoas de boa vontade comprometidas com a justiça social: Não se cansem de trabalhar por um mundo mais justo e mais solidário! Ninguém pode permanecer insensível às desigualdades que ainda existem no mundo! Cada um, na medida das próprias possibilidades e responsabilidades, saiba dar a sua contribuição para acabar com tantas injustiças sociais! Não é a cultura do egoísmo, do individualismo, que frequentemente regula a nossa sociedade, aquela que constrói e conduz a um mundo mais habitável, mas sim a cultura da solidariedade; ver no outro não um concorrente ou um número, mas um irmão. Quero encorajar os esforços que a sociedade brasileira tem feito para integrar todas as partes do seu corpo, incluindo as mais sofridas e necessitadas, através do combate à fome e à miséria. Nenhum esforço de “pacificação” será duradouro, não haverá harmonia e felicidade para uma sociedade que ignora, que deixa à margem, que abandona na periferia parte de si mesma. “
Não deixemos entrar no nosso coração a cultura do descartável. Não deixemos entrar no nosso coração a cultura do descartável, porque nós somos irmãos, ninguém é descartável”. Uma sociedade assim simplesmente empobrece a si mesma; antes, perde algo de essencial para si mesma. Lembremo-nos sempre: somente quando se é capaz de compartilhar é que se enriquece de verdade; tudo aquilo que se compartilha se multiplica! A medida da grandeza de uma sociedade é dada pelo modo como esta trata os mais
necessitados, quem não tem outra coisa senão a sua pobreza!

Queria dizer-lhes também que a Igreja, «advogada da justiça e defensora dos pobres diante das intoleráveis desigualdades sociais e econômicas, que clamam ao céu» (Documento deAparecida, 395), deseja oferecer a sua colaboração em todas as iniciativas que signifiquem um autêntico desenvolvimento do homem todo e de todo o homem. Queridos amigos, certamente é necessário dar o pão a quem tem fome; é um ato de justiça. Mas existe também uma fome mais profunda, a fome de uma felicidade que só Deus pode saciar. Não existe verdadeira promoção do bem-comum, nem verdadeiro desenvolvimento do homem, quando se ignoram os pilares fundamentais que sustentam uma nação, os seus bens imateriais: a vida, que é dom de Deus, um valor que deve ser sempre tutelado e promovido; a família, fundamento da convivência e remédio contra a desagregação social; a educação integral, que não se reduz a uma simples transmissão de informações com o fim de gerar lucro; a saúde, que deve buscar o bem-estar integral da pessoa, incluindo a dimensão espiritual, que é essencial para o equilíbrio humano e uma convivência saudável; a segurança, na convicção de que a violência só pode ser vencida a partir da mudança do coração humano.

Queria dizer uma última coisa. Aqui, como em todo o Brasil, há muitos jovens. Vocês, queridos jovens, possuem uma sensibilidade especial frente às injustiças, mas muitas vezes se desiludem com notícias que falam de corrupção, com pessoas que, em vez de buscar o bem comum, procuram o seu próprio benefício. Também para vocês e para todas as pessoas
repito: nunca desanimem, não percam a confiança, não deixem que se apague a esperança. A realidade pode mudar, o homem pode mudar. Procurem ser vocês os primeiros a praticar o bem, a não se acostumarem ao mal, mas a vencê-lo. A Igreja está ao lado de vocês, trazendo-lhes o bem precioso da fé, de Jesus Cristo, que veio «para que todos tenham vida, e vida em abundância» (Jo 10,10).

Hoje a todos vocês, especialmente aos moradores dessa Comunidade de Varginha, quero dizer: Vocês não estão sozinhos, a Igreja está com vocês, o Papa está com vocês. Levo a cada um no meu coração e faço minhas as intenções que vocês carregam no seu íntimo: os agradecimentos pelas alegrias, os pedidos de ajuda nas dificuldades, o desejo de consolação
nos momentos de tristeza e sofrimento. Tudo isso confio à intercessão de Nossa Senhora Aparecida, Mãe de todos os pobres do Brasil, e com grande carinho lhes concedo a minha Bênção.