Mulheres sentem-se muito mais atraídas por homens comprometidos, descubra o porquê

a outra

 

Existem cada vez mais mulheres que aceitam ser a outra. Fomos perceber porquê e recolher a análise de uma especialista sobre a mais recente tendência no mundo das atracções, o facto delas se sentirem-se muito mais atraídas por homens comprometidos.

Nos últimos vinte anos a idade média para o casamento, de acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, passou de 23 para 29,5 anos. Numa altura em que o casamento é adiado para cada vez mais tarde, por imaturidade ou pelo foco excessivo na carreira, os homens que já foram capazes de assumir esse passo tornaram-se um alvo especial dos olhares femininos.

«Muitas mulheres ficam seduzidas por verificarem a capacidade de comprometimento destes homens com um projecto que requer construção e para o qual eles já prestaram provas», constata Sofia Nunes da Silva, terapeuta familiar, autora do livro Psicóloga de Família. Estudos internacionais apontam, mesmo, para o aparecimento de uma nova tendência, «o fenómeno do anel de casamento».

Este fenómeno retrata o poder de atracção destes homens comprometidos. O estatuto pessoal, social e profissional, normalmente implícito num homem casado, parece ser a explicação que está por detrás deste fenómeno, mas não é a única. Uma especialista ajuda-nos a descodificar as motivações dos homens e mulheres que protagonizam esta atracção tabu e os riscos inerentes às relações extraconjugais.

 

Anel de casamento: Símbolo de indisponibilidade ou de atracção?

 

À partida, um anel de casamento no dedo deveria significar indisponibilidade para qualquer tipo de envolvimento, mas parece que o instinto feminino age em sentido contrário. Aos olhos de algumas mulheres, um homem comprometido é mais atraente do que um solteiro e a razão desta atracção pode ser pura e simplesmente biológica. De acordo com Helen Fisher, uma renomada e reconhecida antropóloga biológica norte-americana, quando vemos um homem que é bem-sucedido num relacionamento, há uma parte do nosso cérebro que é activada.

É essa activação que nos leva a vê-lo como um bom protector, uma das qualidades que as mulheres mais admiram e procuram num relacionamento estável. Um estudo recente da Okhlama State University, nos Estados Unidos da América, prova bem esta teoria. Durante a investigação, os investigadores mostraram uma fotografia do homem ideal das mulheres entrevistadas e quando estas eram informadas que ele era comprometido, o desejo de sair com ele aumentava.

De acordo com a investigação, cerca de 90 por cento das mulheres mostrou interesse em sair com o homem que era apresentado, quando pensavam que ele era um homem comprometido, face a apenas 59 por cento, quando os investigadores informavam que ele era solteiro. Uma diferença percentual que não deixa de ser, no mínimo, surpreendente. (SAPO/ Angola 24 Horas

 

 

O HOMUS ERECTUS

por Marcelino Freire

 

bal_ral_marcelino_freire

 

Sabe o Homem que encontraram no gelo?
Encontraram no gelo da Prússia? Enrolado?
Os arqueólogos encontraram no gelo gelado da Prússia?
Perto das colinas calcáreas da Prússia?
O Homem feito um feto gelado, com sua vara de pesca?

Sabe o Homem que encontraram? Com seu machado de pedra?
O Homem que tinha cabeleira intacta? A arcada dentária?
O Homem meio macaco? Funerário? Fossilizado na encosta que o engoliu? No tempo perdido? Você viu?

Tetravô dos mamíferos do Brasil? O Homem vestígio?
O Homem engolido pela terra primitiva? Da Era Quaternária, não sei? Secundária?
Que caçava avestruz sem plumas? Caçava o cervo turfeiras? Javali e mastedonte?
Ia aos mares fisgar celacanto? Rinoceronte?
Sabe deste Homem?

Irmão do Homem de Piltdown?
Primo do Homem de Neandertal?
Do velho Cro-Magnon?
Do Homem de Mauer? Dos Incas, até?
Dos Filhos do Sol?
Das tribos da Guiné?

O Homem de 100 mil anos antes de nossa era? Ou mais? Um milhão de eras?

Homem com mandíbula de chimpanzé?
Parecido o mais terrível dos répteis carnívoros do Cretáceo?
Um mistério maior que este mistério?
Navegador de jacaré? Não sabe?

Homem desenterrado por acaso? Pelos viajantes, por acaso?
Pela Paleontologia, não sabe?
Visto nas costelas frias da Prússia, repito? Prússia renana, vá saber lá o que é isso?
O Homem ressuscitado, você viu na TV?

De ossos miúdos? Esmiuçados?
Abertos para estudo? À visitação nos museus americanos?
Como uma múmia sem roupa?
Quase?

Flagrada como se estivesse dormindo nas profundezas do mundo oceânico?
O Homem embrionário?
Das origens cavernosas da Humanidade?

Sabe este Homem, não sabe?

Pintado nas cavernas da Dordonha?

Mesolítico?
Nômade?
Perdido?

Este Homem dava o cu para outros homens.
E ninguém, até então, tinha nada a ver com isso.

 

 

 

O conto Homo Erectus saiu do livro BaléRalé, de Marcelino Freire.

 

Mal utillizados

 

por Francyne R Nunes

 

 

Francis Bacon

Francis Bacon

roupas reutilizadas
dentro de pessoas reutilizadas
dentro de sentimentos reutilizados,
pessoas feitas para
trabalhar
trepar e
morrer.

e marcham
com seus corações arrancados,
cheios de preocupações medianas,
atitudes medianas
e o pior,
ah, o pior.
amores medianos.

Todos em uma única direção,
subindo e descendo escadas rolantes,
andando lado a lado com o horror,
entrando no mesmo vagão
sem nunca se olhar.

Minha alma rastejando pelas portas do trem
e eu saio transbordando melancolia na linha 4- amarela do metrô.

 

 

 

In Revista Clítoris

De Cecília Meireles

Cântico VI

 


Tu tens um medo:
Acabar.
Não vês que acabas todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo o dia.
No amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.
E então serás eterno.

 

 

Trocha

 

@ Ilustração Troche

Seleta de Luanda Calado

Conhece-te a ti mesmo

A máxima, ou aforismo, “conhece-te a ti mesmo” teve uma variedade de significados atribuídos a ele na literatura. A  Suda, uma enciclopédia grega de conhecimento do século X, diz: “o provérbio é aplicado àqueles que tentam ultrapassar o que são”, ou ainda um aviso para não prestar atenção à opinião da multidão.

Em 1750, Benjamin Franklin observou a grande dificuldade de se conhecer a si mesmo, com: “Há três coisas extremamente duras, o aço, o diamante e conhecer a si mesmo”.  Leia mais 

Depois de fazer o teste, explore este blog. O jornaleiro mostra a beleza escondida neste velho mundo e a beleza roubada nos becos e palácios.

Personalidade

1. INTROSPECTIVO SENSÍVEL – PENSATIVO: Você se desentende consigo mesmo e como com o seu meio mais frequente do que a maioria das pessoas. Você detesta superficialidade, e prefere permanecer isolado do que sofrer com um diálogo banal . Mas o relacionamento com amigos é intenso e profundo, o que lhe proporciona tranquilidade e harmonia espirituais indispensáveis para que se sinta bem. Todavia, não se preocupe com o isolamento, mesmo que seja por longos períodos de tempo, é uma circunstância que não o aborrece.

2. INDEPENDENTE NÃO CONVENCIONAL – DESEMBARAÇADO: Você exige liberdade e vida descompromissada para escolher o seu destino. Tem talento artístico no trabalho e no lazer e, algumas vezes, seu desejo de liberdade o leva a proceder de maneira oposta ao que se espera de você. Seu estilo de vida é altamente individualístico. Você jamais imita cegamente o que está na moda, ao contrário, procura viver de acordo com suas próprias ideias e convicções, mesmo que isto signifique nadar contra a corrente.

3. DINÂMICO VIGOROSO – EXTROVERTIDO: Você está muito inclinado a aceitar certos riscos e assumir importantes compromissos em troca de tarefas variadas e interessantes. A rotina, ao contrário, tende a exercer efeito paralisante sobre você. O que você mais aprecia é desempenhar um papel ativo nos acontecimentos. Assim procedendo, sua capacidade de iniciativa torna-se bastante acentuada.

4. OBJETIVO EQUILIBRADO – HARMONIOSO: Você valoriza um amor e um estilo de vida simples e descomplicados. As pessoas o admiram porque tem os dois pés firmemente plantados no chão e assim podem se tornar dependentes de você. Você oferece espaço e segurança aos amigos íntimos. Seus dotes são considerados humanos e calorosos. Rejeita o trivial e extravagante. Tende a ser cético em relação a fantasias e modismos. Sua roupa tem de ser prática e discretamente elegante.

5. PROFISSIONAL PRAGMÁTICO – AUTO CONFIANTE: Tem pleno domínio da vida e deposita menos fé na sorte do que em seus feitos. Soluciona problemas de modo simples e prático. Tem visão realística dos acontecimentos quotidianos e os manipula sem hesitação. Grande parcela de responsabilidade no trabalho lhe é conferida porque todos sabem que podem depender de você. Sua grande força de vontade transmite autoconfiança aos outros. Jamais se sentirá totalmente satisfeito enquanto não tiver realizado suas ideias.

6. TRANQUILO PRUDENTE – PACÍFICO: Você despreza formalidades sem causar embaraços a outros. Suas amizades são feitas facilmente, mas aprecia a privacidade e a independência. Gosta de se afastar de tudo e de todos de tempos em tempos para contemplar o significado da vida e alegrar-se consigo mesmo. Requere espaço, e por isso se refugia em lugares ermos e bonitos. Entretanto, não é uma pessoa solitária. Está em paz consigo mesmo e com o mundo, e gosta da vida e do que ela tem para oferecer.

7. DESPREOCUPADO BRINCALHÃO – ALEGRE: E procura desfrutá-la em toda a sua plenitude, de acordo com o refrão: ” Somente se vive uma vez”, Se mostra interessado e aberto a tudo o que é novo; as mudanças alimentam seu espírito. Nada é pior do que quando se sente tolhido em sua liberdade. Vive seu ambiente como algo versátil e sempre em condições de lhe brindar com uma surpresa.

8. ROMÂNTICO SONHADOR – EMOTIVO: Muito sensível, Recusa-se a analisar os fatos somente sob o ponto de vista frio e racional. Só se importa com o que os sentimentos dizem e acha importante Ter sonhos na vida. Rejeita quem despreza o romantismo e se deixa guiar somente pela racionalidade e recusa qualquer limitação à rica variedade de seus impulsos e emoções.

9. ANALÍTICO CONFIÁVEL – DETERMINADO: Sua sensibilidade representa o que é durável e de alta qualidade. Em consequência, gosta de cercar-se de pequenas preciosidades, que descobre onde outros ignoram. Assim sendo, a cultura desempenha papel especial em sua vida. Você encontrou seu estilo pessoal, elegante e exclusivo, sem fantasias ou modismos. O ideal, sobre o qual você baseia a vida, é o prazer associado à cultura. Valorizas um certo nível de cultura nas pessoas com quem se associa.

(Transcrevi do Reflexão e Luz)

O Relógio

de João Cabral de Melo Neto

 

1.

Ao redor da vida do homem
há certas caixas de vidro,
dentro das quais, como em jaula,
se ouve palpitar um bicho.

Se são jaulas não é certo;
mais perto estão das gaiolas
ao menos, pelo tamanho
e quadradiço de forma.

Uma vezes, tais gaiolas
vão penduradas nos muros;
outras vezes, mais privadas,
vão num bolso, num dos pulsos.

Mas onde esteja: a gaiola
será de pássaro ou pássara:
é alada a palpitação,
a saltação que ela guarda;

e de pássaro cantor,
não pássaro de plumagem:
pois delas se emite um canto
de uma tal continuidade

que continua cantando
se deixa de ouvi-lo a gente:
como a gente às vezes canta
para sentir-se existente.

2.

O que eles cantam, se pássaros,
é diferente de todos:
cantam numa linha baixa,
com voz de pássaro rouco;

desconhecem as variantes
e o estilo numeroso
dos pássaros que sabemos,
estejam presos ou soltos;

têm sempre o mesmo compasso
horizontal e monótono,
e nunca, em nenhum momento,
variam de repertório:

dir-se-ia que não importa
a nenhum ser escutado.
Assim, que não são artistas
nem artesãos, mas operários

para quem tudo o que cantam
é simplesmente trabalho,
trabalho rotina, em série,
impessoal, não assinado,

de operário que executa
seu martelo regular
proibido (ou sem querer)
do mínimo variar.

3.

A mão daquele martelo
nunca muda de compasso.
Mas tão igual sem fadiga,
mal deve ser de operário;

ela é por demais precisa
para não ser mão de máquina,
a máquina independente
de operação operária.

De máquina, mas movida
por uma força qualquer
que a move passando nela,
regular, sem decrescer:

quem sabe se algum monjolo
ou antiga roda de água
que vai rodando, passiva,
graçar a um fluido que a passa;

que fluido é ninguém vê:
da água não mostra os senões:
além de igual, é contínuo,
sem marés, sem estações.

E porque tampouco cabe,
por isso, pensar que é o vento,
há de ser um outro fluido
que a move: quem sabe, o tempo.

4.

Quando por algum motivo
a roda de água se rompe,
outra máquina se escuta:
agora, de dentro do homem;

outra máquina de dentro,
imediata, a reveza,
soando nas veias, no fundo
de poça no corpo, imersa.

Então se sente que o som
da máquina, ora interior,
nada possui de passivo,
de roda de água: é motor;

se descobre nele o afogo
de quem, ao fazer, se esforça,
e que êle, dentro, afinal,
revela vontade própria,

incapaz, agora, dentro,
de ainda disfarçar que nasce
daquela bomba motor
(coração, noutra linguagem)

que, sem nenhum coração,
vive a esgotar, gôta a gôta,
o que o homem, de reserva,
possa ter na íntima poça.