Independência ou morte

Três poemas de El Maria


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O CANTO
Como tu, passarinho,
pensas voar se tuas asas foram cortadas?
Passarinho teu canto é belo, quando ressoa no metal
corta os meus ouvidos.
Quando fores mais passarinho ainda,
Me conta historias do tempo de ninho.
Passarinho não voe, corte os meus ouvidos
mais uma vez.
Corte sem dó,
Assim como cortaram suas asas,
E o seu ar.

 

METAMORFOSE

 

A ferida é uma dor
E a dor a consciência da ferida
A ferida é uma passagem
A passagem uma fenda
Fenda pra que passe
Que passe
Que passe
Que passe

 

EU SER

 

Me olho e vejo
naquele quadrado, que é, ou é
um ser obscuro.
Esse é aquele, o que faz escondido
O que não deixa, que é impune.
É apenas uma sombra daquelas
que brilham
quando não se vêem.
Sem tê-lo em tela,
Sem vê-lo nas fontes,
Sem seguir a ponte,
Sem sentir fome
Não sai do espaço.
É o que tem!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: