Europa. A União é um colete de forças


De que tem tanto medo, esta Europa que trocou a política pela finança e a solidariedade pelos interesses partidários da Direita?

banco povo indignados

por Mariana Mortágua

Saída da Grécia da Zona Euro? Cavaco explica: “somos 19, se sair ficam 18”. A despreocupação do presidente da República tem a vantagem de deixar bem exposta a estrutura do pensamento dominante. Reduzir a meras contas de subtrair o que se está a passar, com a Grécia mas também com a Europa, foi exatamente a (não inocente) lógica que nos trouxe a este trágico impasse.

Não, o que se está a passar na Grécia não é (apenas) um problema dos gregos e da sua intransigência porque sim, mas da arquitetura disfuncional da Zona Euro, e de uma Europa que há muito deixou de ter um projeto político para ser a porta-voz dos interesses do sistema financeiro.

Mas, façamos então as contas que contam. A começar pelas da famosa “ajuda” e “solidariedade” europeia. Dos 254 mil milhões de euros que foram para o Estado grego, quase 180 mil milhões foram diretamente para juros e sistema financeiro. Para o funcionamento do Estado helénico? 27 mil milhões. Em 2009, 80% da dívida pública estavam nas mãos de investidores privados. Em 2015, 80% estão concentrados nos países da Zona Euro e Banco Central Europeu. Não há como dar a volta. O resgate foi para salvar os bancos franceses e alemães, expostos até ao pescoço na Grécia, e constitui a maior nacionalização de prejuízos e risco privado à escala global.

Somemos ainda os resultados da austeridade que querem enfiar, em nova dose, pela goela do povo grego abaixo. Destruição de 27% do PIB, 3 milhões de pessoas sem acesso à saúde, 300 mil famílias sem luz, só para começar. E nem um cêntimo da dívida foi pago.

Posto isto, os gregos cometeram erros? Claro que sim. Mas associá-los ao governo do Syriza ultrapassa todas as marcas da desfaçatez. A existir, a corrupção e o descontrolo financeiro foram obra dos governos apoiados pelo PSD, CDS e PS e nunca do Syriza – que tomou posse há meses.

Se sair a Grécia ainda ficam 18. Errado. Se a Grécia sair, o euro fracassa enquanto projeto político e económico. Se a Grécia sair, o princípio da irrevogabilidade da conversão monetária foi quebrado e a especulação financeira será o menor dos problemas. O principal é que a suposta União provou não ter espaço para quem exerce a sua democracia. A União passou a colete de forças. E não há garantias de solidez do euro (parece que estamos a ouvir Cavaco a assegurar a solidez do BES), ou almofada financeira que amortize esse facto.

De que tem tanto medo, esta Europa que trocou a política pela finança e a solidariedade pelos interesses partidários da Direita? É que outra solução que não a da austeridade sem fim seja aplicada. E depois, se funciona?

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s