Nina Rizzi conquista Oropa, França e Bahia


Sem nenhuma ajuda do Brasil que declarou morte à Cultura, Nina Rizzi pela força do seu talento vai conquistando Oropa, França e Bahia.

Publicou poemas em diversas antologias nacionais e estrangeiras e nas revistas La Papa Ruchada (Argentina), Literatas (Moçambique) e Nova Águia (Portugal) .

Poemas do seu livro Tambores para n’zinga serviram de base para o curta-metragem Noturnos, de Carito Cavalcanti e Joca Soares.

Outra revista de literatura lusófona: Pessoa faz

Uma simples pergunta a queima-roupa

Para você, Nina Rizzi, qual o poema mais importante da língua portuguesa?

por Carlos Henrique Schroeder

 

Nina Rizzi, foto revista Pessoa

Nina Rizzi, foto revista Pessoa

Convidamos a poeta, historiadora e tradutora Nina Rizzi para responder em poucas palavras qual poema para ela é um monumento, um rio e um mar. Rizzi publicou Tambores pra n’zinga (poesia; 2012), Susana Thénon: Habitante do Nada (tradução; 2013), caderno-goiabada (prosa-ensaística; 2013) e A Duração do Deserto (poesia; 2014).

Abaixo seguem a justificativa de Rizzi e o poema escolhido:

“A tarefa não é nada fácil: num laio passam sob meus olhos e memória os arrebatamentos com grandes e grandessíssimos monumentos da língua portuguesa, clássicos/ contemporâneos. Até que me decido por Al Berto, com poemas que poderiam ter sido escritos por um português, um esquimó, um extraterrestre do ano 3058.

Com a angústia de quem atravessa um campo de neve, o poeta é um obcecado pela linguagem e o discurso poético; busca viver no poema, lugar onde inevitavelmente o silêncio oferece a única saída da armadilha linguística. Vemos os lugares uns sobre os outros, um dentro do outro, onde os sujeitos do poema transitam e a estratégia de sobrevivência deles no poema passa a ser habitar um desdobramento do “mundo real”, e os lugares dotados de vazios. A poesia se faz, a todo o tempo, num espaço de traço invisível; lugar inacabado que tende ao infinito e também, especialmente, lugar de sobrevivência no poema. Lugar este que torna a obra minha, e tua leitor”.

PREFÁCIO PARA UM LIVRO DE POEMAS

Al Berto

conheci um homem que possuía uma cabeça de vidro.

víamos – pelo lado menos sombrio do pensamento – todo o sistema planetário.

víamos o tremelicar da luz nas veias e o lodo das emoções na ponta dos dedos. o latejar do tempo na humidade dos lábios.

e a insónia, com seus anéis de luas quebradas e espermas ressequidos. as estrelas mortas das cidades imaginadas.

os ossos tristes das palavras.

a noite cerca a mão inteligente do homem que possui uma cabeça transparente.

em redor dele chove.

podemos adivinhar um chuva espessa, negra, plúmbea.

depois, o homem abre a mão, uma laranja surge, esvoaça.

as cidades (como em todos os livros que li) ardem. incêndios que destroem o último coração do sonho.

mas aquele que se veste com a pele porosa da sua própria escrita olha, absorto, a laranja.

a queda da laranja provocará o poema?

a laranja voadora é, ou não é, uma laranja imaginada por um louco?

e um louco, saberá o que é uma laranja?

e se a laranja cair? e o poema? e o poema com uma laranja a cair?

e o poema em forma de laranja?

e se eu comer a laranja, estarei a devorar o poema? a ficar louco?

e a palavra laranja existirá sem a laranja?

e a laranja voará sem a palavra laranja?

e se a laranja se iluminar a partir do seu centro, do seu gomo mais secreto, e alguém a esquecer no meio da noite – servirá o brilho da laranja para iluminar as cidades há muito mortas?

e se a laranja se deslocar no espaço – mais depressa que o pensamento, e muito mais devagar que a laranja escrita – criará uma ordem ou um caos?

o homem que possui uma cabeça de vidro habita o lado de fora das muralhas da cidade.

foi escorraçado.

e na desolação das terras, noite dentro, vigia os seus próprios sonhos e pesadelos. os seus próprios gestos – e um rosto suspenso na solidão.

onde mora o homem que ousou escrever com a unha na sua alma, no seu sexo, no seu coração?

e se escreveu laranja na alma, a alma ficará saborosa?

e se escreveu laranja no coração, a paixão impedi-lo-á de morrer?

e se escreveu laranja no sexo, o desejo aumentará?

onde está a vida do homem que escreve, a vida da laranja, a vida do poema – a Vida, sem mais nada – estará aqui?

fora das muralhas da cidade?

no interior do meu corpo? ou muito longe de mim – onde sei que possuo uma outra razão… e me suicido na tentativa de me transformar em poema e poder, enfim, circular livremente.

AL BERTO, “O Medo”. Lisboa: Assírio & Alvim, 4.ª Ed., Fevereiro, 2009. p. 649-650

Abaixo: um poema de Nina Rizzi indicado pela Revista Pessoa.

Ceciliana

por Nina Rizzi

 

escorre o óleo do mundo – lima

de rícino, refino

mínima grama ou toda

canteiro, fecundo

a poesia é de quem

precisa, disse o carteiro

lhe ria, além a lama

ternas de exílio e poda

te revisito, o mundo – olha

entre as pernas.

One thought on “Nina Rizzi conquista Oropa, França e Bahia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s